Imprimir esta página
10 Dez 2020

NOVAS MIRAGENS DO ELDORADO

Escrito por 
Avalie este item
(1 Votar)

A Amazônia anseia por desenvolvimento, que só pode ser alcançado mediante integração, povoamento e investimento na formação de um mercado interno.

 

O fascínio do Eldorado maravilhoso oculto na selva, que atraiu para a morte ilustres aventureiros do passado, está hoje transfigurado na ambição dos próceres globalistas pelas riquezas conhecidas do subsolo e do bioma amazônicos.

Infelizmente, o imperialismo colonialista sobreviveu no campo das ideias e já conseguiu impor o paradigma ambientalista à opinião pública.

Recentemente, o ambientalismo deu mais um passo à frente. No dia 19 de fevereiro de 2019, enquanto o mundo deparava-se com o espectro do coronavírus, surgiu o Conselho Militar Internacional sobre Clima e Segurança – IMCCS (sigla em inglês), com a missão de planejar ações de força destinadas a impor o cumprimento da agenda ambientalista.

No dia 30 de novembro, o mesmo Conselho liberou um relatório instando os líderes brasileiros: “a fazer da mudança climática e das medidas de contra - desflorestamento uma prioridade de segurança, bem como a colocar à prova de clima a sua segurança nacional”. São 33 personalidades que compõem o Conselho Consultivo do IMCCS, das quais 18 são oficiais-generais e dois oficiais superiores, todos da reserva das Forças Armadas dos Estados Unidos e 1 general holandês, também, da reserva.

Inegavelmente, a poluição ambiental é um flagelo real que deve ser enfrentado com determinação. O aquecimento global, porém, é uma falácia midiática. A mudança climática parece um fato, mas a sua causa pode não ser antrópica. E usar uma teoria não comprovada para justificar pressões sobre a soberania dos Estados mais fracos é uma estratégia moralmente abominável.


Desde a década de 1980, a prensa ambiental vem sendo apertada sobre a soberania brasileira, fortemente orquestrada pela mídia e pelas organizações-não-governamentais militantes. A liberdade de ação para decidir sobre as questões amazônicas está, visivelmente, prejudicada, mas a opinião pública desconhece a ameaça, que ganha forma a cada dia.

Olhando para fora, há experiências exitosas para cenários correlatos, como a que foi adotada na China, que merecem estudo. As medidas de integração e povoamento adotadas pelos chineses tornaram inócuos os movimentos de resistência uigures, tibetanos e mongóis. Atualmente, há mais chineses de etnia han no Sinkiang, no Tibete e na Mongólia interior do que as populações nativas originais. As migrações artificiais impactam os vizinhos da China, particularmente, a Rússia, cuja população do Extremo Oriente vem decaindo ao longo do tempo.

Sobre população, o eminente professor paraense Armando Mendes alertou, em 1974: "A Amazônia tem problemas políticos que ninguém pode esquecer, o primeiro dos quais é o vazio demográfico, que a transforma em megafúndio”.

O mais afamado historiador nativo da Amazônia, Arthur Cézar Ferreira Reis, escreveu, em 1982, no prefácio do seu livro A Amazônia e a Cobiça Internacional, baseado em fatos: “A Amazônia continua a ser uma reserva para o futuro. E nesse futuro é que está o grande perigo. Um dia, a continuar a ausência criminosa do poder público, poderemos acordar com o extremo Norte sob o domínio de estranhos”.

Portanto, o Brasil precisa preparar-se. A opinião pública nacional tem de ser persuadida. A pressão demográfica sobre a fronteira agrícola é inexorável e não pode ser contida, simplesmente, por repressão, cuja consequência inevitável é o aumento da favelização rural. A soberania nacional não pode ser alienada por medo, boa vontade ou bônus ambientais. A Amazônia anseia por desenvolvimento, que só pode ser alcançado mediante integração, povoamento e investimento na formação de um mercado interno. O enfrentamento da crise requer ação efetiva combinada com diplomacia, mais do que discurso, bravata ou apaziguamento.

Última modificação em Domingo, 20 Dezembro 2020 21:01
Maynard Marques de Santa Rosa

 General-de-Exército reformado. Nasceu em Canudos (município de Anadia-AL), em 1944. Formado pela AMAN, turma de 1967. Graduou-se nos demais cursos de formação militar e no curso de Política e Estratégia do US Army War College. Serviu em 24 organizações militares. Foi Comandante Militar do Nordeste, Secretário de Política, Estratégia e Assuntos Internacionais do Ministério da Defesa, professor de pós-graduação da Fundação Armando Álvares Penteado-FAAP (S. Paulo) e Secretário Especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República

 

Mais recentes de Maynard Marques de Santa Rosa