Dom06242018

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

Roberto Romano

Roberto Romano

Roberto Romano da Silva é Professor titular de Filosofia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), professor de Ética, também pela Unicamp. Doutor em Filosofia pela École des Hautes Études en Sciences Sociales de Paris e membro do Instituto de Filosofia e de Ciências Humanas da Unicamp, é autor dos livros "Brasil, Igreja contra Estado", de 1979, "Copo e Cristal, Marx Romântico", de 1985, e "Conservadorismo Romântico", de 1997.

Quarta, 17 Setembro 2008 21:00

Ciência ou Slogan?

A demagogia e a propaganda se fundamentam no palavrório. É difícil pesar os discursos nos comícios que buscam distrair e também engambelar o eleitor com o barulho emitido pelos candidatos.

A inflação das palavras é talvez mais letífera do que o aviltamento das moedas. Montaigne, arguto filósofo, inventou o termo “ensaio” para examinar os vocábulos. A sua idéia, simples como as verdades, se efetivou de maneira metafórica. Com a insipiente inflação das moedas européias, fruto do acúmulo de prata e ouro trazidos pelos ibéricos ao velho continente (roubados dos indígenas sul americanos...) e também produzida pelos moedeiros falsos (que punham em circulação peças sem a liga legalmente certa), o rei da França criou a Casa da Moeda, lugar onde o dinheiro seria pesado, “ensaiado” para definir a sua composição efetiva. Transpondo a providência do monarca para o pensamento (“pensar” e “pesar têm origens comuns, donde ”pesar moedas” e “pesar palavras” são movimentos idênticos de aferir veracidade) Montaigne propõe o Ensaio como estilo. As idéias, enunciados, números, conversas, livros, teorias, deveriam ser pensados e pesados, antes de alguém colocá-los em circulação. Tarefa importante, do mesmo jeito, seria pesar e pensar as idéias já usadas na vida humana, das sarjetas às bibliotecas, destas aos gabinetes do poder. A tarefa de ensaiar não podia ser rápida, devido à composição heteróclita dos elementos fundidos nas moedas. Era preciso saber e paciência.

Já no latim um indivíduo ponderado é dito homo gravis et sapiens, merece fé pública. Nos estultos, cujas bocas desconhecem tramelas, o discurso é leve, imponderável. Em seus lábios as pessoas não encontram algo que inspire confiança. “Eles não encontram a crença, objeto de toda fala. Porque o próprio fim e alvo do discurso é engendrar a crença no ouvinte, mas os boquirrotos são desacreditados mesmo quando dizem a verdade” (Plutarco, Sobre o Falatório).

A demagogia e a propaganda (sobretudo a eleitoral) se fundamentam no palavrório. É difícil pesar (ou pensar) os discursos nos comícios (hoje, nos rádio e televisões)que buscam distrair e também engambelar o eleitor com o barulho emitido pelos candidatos, poderosamente ajudados pelos modernos sofistas, os técnicos do marketing político. Nos últimos tempos, as pesquisas de opinião, ditas “científicas”, servem à propaganda. Os gregos, Platão sobretudo, recusam a opinião (doxa), justo porque ela não é pesada, não é pensamento refletido. A opinião segue rápido do cérebro para a boca (ou para o teclado do computador) e daí para as páginas da imprensa, telas da TV ou microfones do rádio. Todos esses veículos não podem perder tempo com ponderações, análises, pesquisas aprofundadas. O espaço dos jornais e revistas diminuiu, as televisões operam com segundos e minutos, salvo raros programas de debate. O rádio dispõe de tempo maior, mas a sua mensagem também deve ser rápida, para não cansar os ouvidos do público.

Em semelhantes usos do tempo, não resta muito para as igrejas ponderadas (Elias Canetti chama a atenção para as procissões católicas, nunca feitas em correria mas em passo digno e pesado, sério) e para a universidade. O tempo nos laboratórios, arquivos e bibliotecas é uma eternidade, por exigência dos objetos e métodos, se comparado ao das redações. Daí a irritação de jornalistas com os pesquisadores, quando os acadêmicos são intimados a explicar o Big Bang, as descobertas em genética, as teorias sobre Deus em menos de um minuto. O universitário ponderado não aceita o jogo da rapidez, sob pena de cair em descrédito junto aos seus pares e diante dos poderes públicos, até mesmo face à opinião popular...

“Rápido, ligeiro, para não pensar, não perder tempo”. Assim gritava o sargento, quando servi no Tiro de Guerra, nos treinos de ordem unida. Ciência não se faz com ordem unida, às pressas e com garrulice, mas com tempo, paciente inteligência. Salvo, é claro, quando o poder está nas mãos de sofistas, como ocorreu na URSS. Lyssenko fez ciência veloz, seguiu as ordens do Partido onisciente. E ajudou a derrubar o regime devido ao fracasso das colheitas e da economia soviética. Tempo breve é para slogans, nada mais.

Terça, 12 Agosto 2008 21:00

O Anti-Semitismo Brasileiro

Esperemos que a Igreja saiba anular os anti-semitas dissimulados no redil. Afinal, não é muito recordar aos católicos que Jesus, sua mãe e seu pai, são judeus.

Após verificar alguns prismas do anti-semitismo católico na Europa, passemos ao Brasil. Não existe imprensa religiosa sem o controle da Hierarquia. A regra vale para o nosso País em 1934. O Tratado de Latrão e a Concordata de Império fazem da Igreja uma aliada dos regimes liderados por Mussolini e Hitler. A Concordata com o governo nazista surge em 1933. Os religiosos brasileiros liderados pela Hierarquia, no esquema da Ação Católica, em 1934 ostentam atitude simpática diante do poder totalitário. A Revista A Ordem (dirigida por leigos mas sob a tutela e censura dos bispos) escreve no Editorial do número 47 (janeiro de 1934, página 77) contra os judeus e em favor de Hitler. No entender do editorialista a perseguição anti-semita não passa de “mistificação” devida a uma “conjura” dos judeus contra Hitler, com o alvo de “impedir que o nacional-socialismo” assegure o poder: “Já se havia dito que o êxodo dos judeus em massa, da Alemanha, obedecia a um plano político organizado contra o partido de Hitler. (...) Malgrados porém esses propósitos, graças ao patriotismo do povo alemão, os judeus vão desistindo da sua conjura, e retornam às antigas atividades que exerciam (...) submissos às leis do país”. A citação do Editorial, cujo título é Os horizontes clareiam, a encontro em Cândido Moreira Rodrigues, no livro A Ordem, uma revista de intelectuais católicos, 1934-1945” (São Paulo, Autêntica - Fapesp, 2005, p. 148).

O anti-semitismo segue, em articulistas da revista, o elogio da ditadura. “A nossa hora é a Hora da Força. Os governos, ou são discricionários e absolutos, como na Rússia, na Itália, na Alemanha e nas infinitas ditaduras secundárias (...) ou tendem para a ditadura, como nos Estados Unidos; ou vivem em crises intermináveis, e são liberais, como na França e na Inglaterra” (Oliveira, J. Lourenço: “A Hora inquieta que vivemos”, A Ordem, junho 1934). Alguns, como Perillo Gomes, criticam a violência nazista e o racismo, mas apoiam o uso da força para combater os movimentos subversivos (“A Limpeza feita na Alemanha”, A Ordem, 1934). Outros, como Julio Sá, criticam o racismo mas afirma que “no fundo do fascismo, como do nazismo” existe o sinal do retorno do homem ao seu “verdadeiro destino”.

A partir de 1938 o Estado totalitário mostra a face contrária à religião. Em Roma e no Brasil a Igreja ensaia um passo atrás na concórdia diplomática e política anterior. No artigo “As vitórias de Hitler”, Perillo Gomes condena os nazistas. “Haja porém o que houver, de uma coisa estamos seguros: só a Igreja tem por si a promessa de perdurar até a consumação dos séculos. Átila ou Hitler, todos passam”. Alceu Amoroso Lima em “O nacionalismo cristão” (A Ordem, outubro de 1938) condena o racismo e cita o füher. “Assim se exprime o próprio Hitler, tomando como exemplo a nossa América: ‘A experiência histórica mostra com precisão assustadora que toda mistura de Arianos com povos inferiores traz como consequência o fim do povo portador de cultura (...) A América Central ou do Sul, na qual os conquistadores românicos se misturam com os indígenas (...) o resultado (...) é assim : a) abaixamento do nível da raça superior e b) decadência física e mental e com isso o início de uma enfermidade crescente!- Mein Kampf)”. Todas as citações de A Ordem, as retiro de Moreira Rodrigues, no livro excelente citado acima.

De 1934 a 1938, a posição mudou? Como a revista dirigida de fato pela Hierarquia publica artigos sobre “conjuras judaicas” contra o bom Hitler e quatro anos depois enxerga o diabo no Terceiro Reich? Merleau Ponty, em artigo intitulado “Fé e Boa Fé” sugere que os católicos sempre se dizem “culpados pelo pretérito, infalíveis no presente e inocentes quando se trata do futuro”. No anti-semitismo eclesiástico esta lógica é a efetiva. Esperemos que a Igreja saiba anular os anti-semitas dissimulados no redil. Afinal, não é muito recordar aos católicos que Jesus, sua mãe e seu pai, são judeus.

Quinta, 10 Julho 2008 21:00

Fontes do Anti-Semitismo

O anti-semitismo tem múltiplas causas. Sua marca pode ser vista desde o Império romano.

“É preciso repetir mil vezes a sentença de Joseph de Maistre: ‘Não basta matar os monstros; o mais difícil é remover-lhes os cadáveres’. O totalitarismo é um cadáver muito difícil de remover.” (Tristão de Athayde, em 1945). A verdade não é ferida por surgir de lábios conservadores. Ditaduras que prometiam “mil anos” foram destroçadas na Segunda Guerra. Mas seus fragmentos continuam vivos no Gulag, nos países “libertados” pela URSS, em Cuba, no Camboja, em todos os campos da desgraça. O dito vale para o anti-semitismo, irmão gêmeo da sanha totalitária de potência. Varridos as grupos que uniram milhões na tarefa de extermínio, o racismo hediondo se manifesta em lugares inesperados: universidades, igrejas, movimentos sociais que pretensamente lutam contra as desigualdades.

O anti-semitismo tem múltiplas causas. Sua marca pode ser vista desde o Império romano. Alguns autores minimizam tal prisma e buscam indícios da loucura que gerou o Holocausto na luta entre os irmãos totalitários, o nazismo e o comunismo soviético. Semelhante via é seguida por Ernst Nolte, autor polêmico acusado de absolver a culpa dos alemães e do nazismo no genocídio. As obras desse escritor acabam de receber edição especial na França (Fascisme & Totalitarisme, organizado por Stéphane Courtois, Paris, Laffont, 2008). Em artigos futuros discutirei os escritos de Nolte. Gostaria de assumir o caminho não seguido por ele, verificar no útero do cristianismo as sementes do ódio anti-semita.

Vejamos a Polônia, pátria de João Paulo II e tradicional sociedade católica. Em 1939, a luta contra os judeus era aberta. Eles eram acusados de tudo, como no transcorrer da Idade Média e da modernidade. Acusação predileta: eles “roubariam” postos de trabalho dos bons cristãos. A imprensa católica incentivou de modo frenético a caça aos judeus. O primeiro passo foi recusar a igualdade jurídica entre judeus e poloneses. “Não podem existir dois senhores (gospodarze) na terra polonesa, especialmente depois que a comunidade judaica contribuiu para desmoralizar os poloneses, tomou empregos e recursos dos poloneses, e quis destruir a cultura nacional”. O trecho de jornal católico é citado por Saul Friedländer (The Years of Extermination, Nazi Germany and the Jews, 1939-1945, New York, HarperCollins, 2007).

Não existe imprensa católica sem direção episcopal, ou imprensa comunista sem donos do Partido. A fonte da retórica anti-semita é a hierarquia. Durante a guerra entre Polônia e URRS de 1920, um grupo de antístetes se pronuncia sobre os judeus: “A raça que lidera o bolchevismo outrora subjugou todo o mundo com ouro dos bancos e agora, dirigida pela eterna ganância que flui em suas veias, busca subjugar finalmente as nações sob a férula de seu domínio”. Em Carta Pastoral (29/02/1936), a mais elevada autoridade eclesiástica da polônia, cardeal Augusto Hlond, tenta diminuir o imenso ódio. Mas os próprios termos da Pastoral são embebidos de anti-semitismo. “É um fato que os judeus guerreiam a Igreja Católica, que eles são ligados ao livre pensamento e constituem a vanguarda do ateísmo, do movimento bolchevista e da atividade revolucionária. É fato que os judeus têm uma influência corruptora sobre a moral e suas editoras espalham a pornografia. É verdade que os judeus cometem fraude, praticam a usura, negociam com a prostituição. (...) Mas sejamos justos. Nem todos os judeus... Podemos ficar longe da terrível influência dos judeus, fugir de sua cultura anticristã e especialmente boicotar a imprensa judaica, desmoralizando suas publicações. Mas é proibido atacar, bater, injuriar, caluniar os judeus” (ainda Friedländer). Depois de injuriar, caluniar e atacar os judeus, Sua Eminência diz que é proibido fazer o que ele mesmo diz ser “fato”, ser “verdadeiro”. Quanta caridade! Indicarei outras falas, da Europa e Brasil, que implicam altas patentes católicas na guerra de extermínio cujo ápice foi o Holocausto. A fala de Amoroso Lima foi extraída de C. M. Rodrigues no livro A Ordem, uma revista de intelectuais católicos, 1934-1945. 

Terça, 24 Junho 2008 21:00

O Anti-Semitismo e Suas Faces

Lutar contra o racismo é lutar contra todos os racismos. E disto, boa parte dos intelectuais empenhados está muito longe.

O Estado de Israel agrega sete milhões e duzentos mil habitantes, dos quais cinco milhões e trezentos são judeus, um milhão e quatrocentos árabes, quatrocentos de outras origens. A maioria dos judeus seguiu para a região após perseguições e massacres que chegaram ao genocídio de seis milhões dos seus irmãos. Após 60 anos de existência, o país sofre violências mascaradas de anti-sionismo, quando na verdade trata-se de virulento anti-semitismo. Cérebros sem prudência tentam por todos os meios impedir que os filhos de Abraão tenham uma pátria e possam lutar para evitar um novo Holocausto. O imaginário ideológico está cheio de muitas desculpas dos que vivem o mesmo ódio racista que nutriu, já antes do totalitarismo, as elites ocidentais e orientais.

Como hoje as cotas em favor dos negros está na ordem do dia, recordo que os Estados Unidos da América, fonte de inspiração das citadas cotas, as instituiu para os judeus por volta de 1920. Só que em vez de serem chaves para a inclusão acadêmica, elas eram negativas. Existiam cotas com números máximos para o ingresso de judeus na Universidade de Yale, o alvo era diminuir o número de judeus no campus. Mesmo em outras universidades norte americanas imperou tal política de exclusão. (Oren, D.A. Joining the Club: a History of Jews at Yale, New Haven, Yale Univ. Press, 1985).

Não se trata de um setor “pouco esclarecido”, para usar o jargão dos conservadores de todos os matizes. Temos naquela prática a posição de mestres renomados no mundo acadêmico, em especial nos estudos clássicos. Se a vida nas universidades, como enuncia Hegel na Fenomenologia do Espírito, é o reino animal onde os indivíduos são nutridos com a carne do “colega”, se ali as manadas têm suas lideranças que ensinam aos do rebanho quem deve ser estraçalhado ou acarinhado, não surpreende encontrar o racismo anti semita nos departamentos escolares.

Uma carta foi encontrada em 1980, na gaveta do professor Harry Caplan, de Cornell, durante muito tempo o único professor judeu com a tenure (estabilidade) nos estudos clássicos da famosa Ivy League. Ele ensinou de 1924 a 1980. Entre seus trabalhos, é relevante a tradução da ciceroniana Rethorica ad Herenium (Loeb Classical Series). Em 1919 o docente se candidatou ao lugar de professor na Universidade. Recebeu uma carta, que traduzo literalmente: “Meu caro Caplan: quero apoiar a opinião do professor Bristol e lhe aconselhar vivamente a seguir rumo ao ensino secundário. As oportunidades para os cargos na faculdade, nunca suficientes, agora são poucas e provavelmente diminuirão. Não posso encorajar ninguém na busca de assegurar um emprego na faculdade. Existe, além disso, um preconceito muito real contra o judeu. Não partilho pessoalmente tal atitude, estou certo que o mesmo é verdadeiro em se tratando de todo o pessoal daqui. Mas vimos tantos judeus bem preparados falhar na busca de empregos que semelhante fato nos forçou a tanto. Lembro Alfred Gudeman, E.A. Loew - brilhantes acadêmicos de reputação internacional, e mesmo assim incapazes de obter um cargo na faculdade. Sinto que é errado encorajar qualquer um a se devotar a longos estudos, caminhos escarpados cuja pista é barrada por um inegável preconceito racial. Nesse assunto, unem-se a mim todos os meus colegas dos Estudos Clássicos que me autorizaram a colocar suas assinaturas, com a minha, nesta carta. Assinado: Charles E. Bennet, C.L. Durham, George S. Bristol, E. P. Andrews. 27/3/1919, Ithaca”. O documento foi publicado no Cornell Alumni News (número 84, 9/Julho 1981, página 7). O documento é reproduzido por Martin Bernal, num texto que deveria ser lido por todos os que afirmam lutar contra o racismo, mas que na defesa dos movimentos negros não hesitam um instante em usar teses racistas contra os judeus, sempre com o disfarce da crítica ao sionismo. Eu me refiro ao livro Black Athena, the Afroasiatic Roots of Classical Civilization (New Jersey, Rutgers University Press, 1987).

Lutar contra o racismo é lutar contra todos os racismos. E disto, boa parte dos intelectuais empenhados está muito longe.

Sexta, 23 Maio 2008 21:00

As Cotas Raciais na Universidade

Tudo serve para acender a lenha da “contrição alheia”, inclusive inverdades sobre as práticas acadêmicas.

No Partido Comunista existiu a prática da “autocrítica” ... dos outros. Explico a sandice. As técnicas da crítica e da autocrítica serviriam para aprimorar a moral dos militantes. Líderes e subordinados aceitariam o exame para testar a “firmeza ideológica”. Ocorrida uma transgressão das normas coletivas, eram praticadas a crítica e a autocrítica. Aqueles ritos garantiam a disciplina partidária e a dominação dos dirigentes sobre os dirigidos.

Como diz Agildo Barata, no Partido Comunista o certo é “assimilar o pensamento da direção (...) não se discute, pedem-se esclarecimentos. ‘Você é o único que discorda’, ou: ‘quer o camarada enxergar mais e melhor que a direção?’, e o audacioso indagador chega a conformar-se: se sou só eu quem discorda, quem deve estar errado sou eu”. (A Vida de um Revolucionário, Ed. Alfa Ômega, 1978). As “auto” críticas dos indivíduos ou grupos lhes vêm de cima (e de fora). Como a autocrítica, o pressuposto da confissão religiosa deveria ser a liberdade do indivíduo. Mas o aparelho burocrático religioso trocou o Evangelho pelas verdades da Cúria, dos gabinetes políticos, da ganância econômica (no caso dos judeus, a rapina dos piedosos cristãos determinou assassinatos legais, abençoados por inquisidores).

Existem padres católicos, em nossos dias, acostumados à prática inquisitorial de impor aos outros a atrição e a contrição. Gostam de corrigir erros alheios, silenciam os próprios. Reverendos lideram grupos para exigir cotas na universidade. Tentam culpar os campi pela situação injusta na qual se encontram os descendentes de africanos escravizados em nosso País. E lançam impropérios aos pensamentos corporificados nos laboratórios, bibliotecas, salas de aula. Mas nada dizem sobre a culpa da Igreja Católica com a escravidão no Brasil. É o conhecido “façam o que eu mando, mas não façam o que eu faço (ou fiz)”.

A escravidão beneficiou “a classe social da qual o clero se originava, a classe social que fazia doações à igreja, e, de quebra, a escravidão garantia o fluxo contínuo de ‘almas a serem salvas’.” Vozes dissidentes existiram. Vejamos a carta do governador da Bahia ao secretário português para assuntos de além-mar. Escrita em 1794, nela “o autor relata as atitudes de um monge italiano que viveu no Brasil 14 anos, e que depois de algum tempo tornou pública sua opinião contra todos os tipos de escravidão, sem levar em conta que a igreja acreditava que há ‘escravidão justa’ (...) o governador conta que tal monge foi deportado, por ordem do arcebispo, e que o capitão do navio tinha ordens de não deixá-lo desembarcar sem permissão do governador. (...)”. É preciso “salientar que as próprias ordens religiosas no Brasil não só exploravam o trabalho escravo dentro dos conventos, seminários e igrejas, mas também os vendiam e leiloavam como se fossem objetos ou animais”. (Eva Paulino Bueno: O padre Antonio Vieira e a escravidão negra no Brasil, Revista Espaço Acadêmico, 36, 2004). A autora cita J. Conrad (Children of God´s Fire - A documentary of black slavery in Brazil, 1984), com documentos sobre revoltas de escravos em casas religiosas. “O que estas revoltas revelam é que, para os escravos, a vida sob o mando dos padres e freiras não era melhor nem mais fácil que a vida debaixo do chicote leigo.

“Esquecidos” desses pecadilhos pregressos, os padres mencionados agora investem contra a universidade pública paulista. Não contentes em calar as culpas próprias, reverendíssimos que lideram movimentos negros (“humildes”, se identificam enquanto meros “assessores”) hoje exigem atos de contrição e de reparação alheia. No processo neo-inquisitorial, acusações descabidas são endereçadas aos campi de São Paulo. Tudo serve para acender a lenha da “contrição alheia”, inclusive inverdades sobre as práticas acadêmicas. Em debate na Rádio CBN, sobre o problema das cotas, debate mantido com um dos novos inquisidores, recolhi farto material que mostra o viés autoritário e pouco veraz de suas retóricas. Será o tema do próximo artigo.

Quinta, 10 Abril 2008 21:00

O Poder Sicofanta

Um regime policial está sendo gerado no país. A sua mão-de-obra foi bem treinada, e seu número é imenso, pois emprega os cérebros lavados nas máquinas totalitárias.

A vida dos outros (2006), filme sem sucesso no Brasil, ajuda o exame do escândalo causado pela Casa Civil, novamente a dois passos do Sr. Da Silva. A película narra o caso de um diretor teatral, contrário ao regime apodrecido e violento do Partido Comunista, na Alemanha “democrática”. O regime emprega policiais que espiam com meios ignóbeis. No apartamento de certo amigo do diretor espionado são instaladas escutas, sem o seu conhecimento. As conversas do círculo teatral passam aos ouvidos dos camaradas. Começam as metamorfoses na vida das pessoas. A primeira ocorre com o policial encarregado de bisbilhotar o teatrólogo. Ele percebe o horror do regime e de sua posição nele. Com gestos tímidos, o espião resgata sua humanidade, arruina o plano de corroer a vida íntima e pública do teatrólogo. No fim, o policial surge como cidadão comum, merecedor de respeito. Por enfrentar a máquina repressiva, o sicofanta vira gente. A segunda mudança ocorre na mulher do teatrólogo. Artista presa aos aplausos, ao ser pega por ajudar nas denúncias sobre os abusos do poder, delata o marido para continuar no palco. Valores éticos, artísticos, políticos são por ela abandonados em proveito da carreira. Mas ela morre na sarjeta, vitimada por uma correria, numa batida policial efetiva no apartamento do marido.

Existem filmes que enfocam as aporias de indivíduos e os dramas coletivos. Mefisto é um deles. Em A vida dos outros temos a mentira do regime, o qual funciona com dedo-durismo e espionagem. A cultura totalitária reúne os dois elementos. Os camaradas ou companheiros estalinistas e nazistas (e os congêneres liderados por Franco, Salazar, Mussolini, Vargas, Peron, ditadores militares da América do Sul e da Grécia no século 20) respiram com a vida dos outros. Para subir no partido e no Estado (os dois são o mesmo sob o tacão totalitário) o indivíduo sem escrúpulos (nas Escolas do Partido, nos movimentos da juventude, ele aprendeu que escrúpulos são preconceitos burgueses) espia adversários reais ou supostos do poder, camaradas e concorrentes, famílias alheias e a própria, disposto a prestar serviços “gloriosos” aos dirigentes, com o dedo apontado em riste. Para montar fichas alheias é preciso espionar com método.

Os processos de Moscou e a covardia de quem não resistiu ao nazi-fascismo, resultam da educação militante, cujo preceito é aniquilar valores “ultrapassados”, como o respeito pela vida alheia. O militante totalitário sabe que os outros não têm direito à vida própria, pois todas as vidas pertencem ao Partido, condutor da massa rumo ao Futuro, quando a comunidade será comandada por uma só idéia e vontade, impostas pelos dirigentes infalíveis. Na pedagogia totalitária, não basta moldar almas e mentes dos militantes segundo o modelo do Partido. O alvo é impor à sociedade inteira, se possível ao mundo, a forma e o conteúdo das doutrinas salvadoras. Pessoas devem ser tidas como páginas em branco, onde são aplicadas as imagens dos líderes. Ou então, devem ser vistas como página borrada de erros, a ser embranquecida pela tortura, exílio, perseguição, calúnia, injúria. Os informados sobre a Alemanha nazista e congêneres; a URSS e satélites; os partidos comunistas vários (leia-se o libelo Camaradas, de William Waack, nunca desmentido, que relata as vilanias internas do PC) sabem que “militante”, na maioria dos casos, é sinônimo de espião, policial, juiz, carrasco a serviço do Estado em potência (Partido), ou em ato.

Muitos petistas hoje no poder foram educados naquela escola. Quando na oposição, espionavam (com apoio logístico de sindicalistas) os adversários e associados a “jornalistas” em redações estratégicas, forçavam escândalos, caluniavam e injuriavam, mas vestiam a máscara da ética. Nos palácios usam a mesma espionagem, os mesmos jornalistas amigos, idênticas maneiras de atacar a vida alheia, para disfarçar o seu controle social e político. A consciência que montou o dossiê contra Serra, recebeu afagos do presidente, que a batizou de “aloprada”, opera no escândalo atual. Mentiras distraem a opinião pública. Assim, a tese do Planalto é que existe dossiê, mas que ele não seria usado contra opositores. A lógica é desobedecida, na pseudologia palaciana.

Um regime policial está sendo gerado no país. A sua mão-de-obra foi bem treinada, e seu número é imenso, pois emprega os cérebros lavados nas máquinas totalitárias e os oportunistas, cuja espinha se curva diante das ditaduras tendo em vista sua carreira pessoal ou interesses de grupo. Os sinais do Estado sicofanta são evidentes, só não os enxergam os cegos de alma e os cúmplices dos espiões militantes. Estamos no alvorecer do Estado sicofanta, a República dos alcagüetes.

Sexta, 28 Março 2008 21:00

As Feras do Mundo Político

Acredito terem boas razões os estruturalistas, para afirmar que os movidos pela ideologia ou pelas paixões subjetivas, não pensam, são pensados.

“Duas coisas a burguesia nos legou, e delas não podemos abrir mão: bom gosto e boas maneiras” (Vladimir Ulianov, conhecido como Lenine). Nos anos 60 do século XX, nas ciências humanas produzidas na França, surgiu o modelo estrutural de pesquisa. Conduzindo ao paradoxo teses como as de E. Durkheim, era dito que o sujeito nada mais é do que ilusão pré-cientifica. Jogados na ideologia inconsciente, os humanos não cogitariam algo original. Em vez de pensarem, seriam pensados pelas estruturas sociais. Em L. Althusser, quando não fala a ciência, o locutor real é a ideologia que deve ser suprimida. O alvo do ataque era, já se percebe, Sartre e demais escritores nos quais existe o privilégio da consciência e da subjetividade como fontes da ação livre.

Quem pensa nos indivíduos? As classes sociais, a sociedade no seu todo, o partido... O doente de ideologia não fala, é falado. Sartre distingue entre o ideólogo e o filósofo. O primeiro repete jargões. O segundo abre vias novas na língua ou nos estilos. O ideólogo cede seu nome ao Partido, Igreja ou seita. O filósofo recusa o chicote disciplinar dos coletivos indicados. Daí o ódio dirigido contra ele pelos partidos, cujas diatribes são repetidas, empobrecidas e pioradas, por energúmenos.

Na semana passada experimentei o quanto é correta a tese sobre os militantes educados por ideólogos (na Grécia, os “sofistas”) que não pensam, repetem vitupérios para “testemunhar a verdade”, monopólio de sua facção. Convidado pela revista Época para debater com o ministro Jorge Hage sobre se melhorou o combate à corrupção no Brasil, tive a temeridade de assumir a resposta negativa. Conheço o Dr. Hage, o admiro e respeito. Mas apesar das convergências entre nós, temos diferentes juízos sobre a ordem política.

Apresentei a idéia de que o centralismo das políticas públicas gera corrupção. Desci a minúcias sobre o elo entre municípios e Brasília. Na réplica, o Dr. Hage escreveu: “Debater com o Professor Roberto Romano é um prazer e uma honra. É, acima de tudo, uma garantia de debate limpo, sério e de alto nível. Nesta réplica, na verdade, não tenho o que contestar na excelente análise da formação histórica da nossa “federação”, sobretudo da fragilidade dos nossos municípios”. Critiquei a excessiva partidarização do problema na escrita do responsável pela CGU. O ministro diz, nas considerações finais: “Quero também dirigir meus cumprimentos ao Professor Roberto Romano pela sua postura sempre elegante ao travar este debate de maneira franca, séria e leal. Comungo, como já tive oportunidade de afirmar, de várias das opiniões reveladas pelo Professor Romano. Essencialmente, divirjo apenas da sua insistência em não reconhecer os avanços ocorridos no Brasil nos últimos anos nessa área”. Palavras polidas. Mas repetidores de xingamentos rompem a cerca do decorum e tentam transformar um debate em assassinato moral. Dou um exemplo, entre dezenas: “(...) Queria aproveitar a oportunidade e Parabenizar ao SR. Ministro Jorge Hage, pelo texto muito bem escrito e com muita ética! E queria comuniar a equipe da ÉPOCA, que substituisem o prof°Roberto Romano, e colocassem alguém com mais competênci e ética para debater,alguém com mais argumente e que tenha mínima noção de política. Pois eu na verdade tenho dúvidas se melhorou, entretanto o Prof° Roberto não sabe o que escreve, motivo esse que atrapalha quem está em dúvida! Estude e leia mais, por gentileza, Roberto Romano! Debora Garcia Lopes de Aparecida | São Paulo” (Deixei intactos os erros de digitação, pois todos podem cometer tais deslizes, eu inclusive).

Acredito terem boas razões os estruturalistas, para afirmar que os movidos pela ideologia ou pelas paixões subjetivas, não pensam, são pensados... O bom do final é que, apesar de não possuir a maioria das opiniões, os que defendem o governo federal e os oposicionistas, salvo as exceções mencionadas, redigiram textos racionais. O que traz esperanças de que no Brasil ainda existam pessoas inteligentes e capazes de conviver com as diferenças. Com bom gosto e boas maneiras.

Quinta, 24 Janeiro 2008 22:00

Bandidos de Estado

Idêntica operação fazem os que apresentam os narcotraficantes das Farc como “insurgentes”, “libertadores idealistas”. Na tarefa comungam militantes brasileiros, partícipes de movimentos sociais, setores da oposição de esquerda e last but not least, grupos diminutos de clérigos.

Em discurso nas Nações Unidas (22/9/1997) Bill Clinton usou o termo rogue state para indicar os países que desobedecem leis internacionais. O termo tem origem provável no latim rogare: pedir, implorar. Em inglês ele torna-se usual no século 16 devido às enclosures. Camponeses em massa são expulsos das terras abertas ao cultivo comum, jogados nas periferias urbanas. De mendigos, muitos se transformam em bandoleiros cujo fim era assaltar e seqüestrar os cidadãos. Correta leitura do tema encontra-se em F. Aydelote (Elizabethan Rogues and Vagabonds, Oxford, 1969, 1 ed. 1913). O romantismo deu encanto heróico aos velhos bandidos. Basta citar a peça de Schiller, Die Räuber(1780). De sem terra à condição de fora-da-lei, o rogue é valorizado quando escritores e poetas entoam hinos à sua “honra”, pretensa bondade para com os desvalidos, vingança contra os ricos e poderosos. A mistificação de bandidos não se limitou aos românticos. Já no século 16 cantores exaltavam assaltantes de estradas. Um deles teve ampla presença na mitologia política e social: Robin Hood, o justiceiro.

Trágicos como Michael Kolhaas ou satíricos no modelo de Falstaff, bandidos se instalam na memória como justiceiros que roubam dos ricos e dão aos pobres. Eles são perdoados porque seus intentos consistem em fazer o bem com meios tortos. A saga de criminosos “altivos” é retomada em muitos países como o nosso (Cf. M. I. Pereira de Queiroz Os Cangaceiros: les bandits d´honneur brésilliens, Paris,1968). Com base em tais imaginários pessoas cruéis e covardes, que lideram o crime, assumem atitude “caridosa” diante dos pobres, o que lhes proporciona carapaça eficaz para manter seu comércio nauseante. A operação cosmética opera sempre. Indivíduos como Che Guevara são reverenciados e postos em camisetas fashion sem que se pense um minuto nas mortes covardes (em Cuba ou em outras terras) perpetradas por ele ou sob suas ordens.

Idêntica operação fazem os que apresentam os narcotraficantes das Farc como “insurgentes”, “libertadores idealistas”. Na tarefa comungam militantes brasileiros, partícipes de movimentos sociais, setores da oposição de esquerda e last but not least, grupos diminutos de clérigos. No resto do continente é clara a rejeição aos supostos “idealistas”. Quando o demagogo da Venezuela apresenta bandidos como gente a ser admirada, ele repete, da forma vulgar que lhe habitual, o mito instaurado pelo romantismo.

Longe de se instalarem no anti-estado, como os anarquistas, os narcotraficantes e terroristas das Farc instalaram um micro aparelho estatal. Nele, o pior do totalitarismo une-se à crueza encontrável em pessoas como Fernandinho Beira-Mar. Em A razão terrorista ressalto o fenômeno: os terroristas trazem o Estado totalitário na alma. Cito o livro: “Os monopólios do Estado moderno - força, ordem jurídica, arrecadação de impostos - para se exercitarem em democracia supõem o controle cidadão, múltiplas vontades e pensamentos reunidos de modo transparente e universal. Os três monopólios são exercidos pelo terrorista e por seu grupo banindo-se todos os demais entes humanos e qualquer debate ou transparência. O terrorista, sem receber votos faz-se poder Legislativo e decreta leis que devem ser atendidas por toda e qualquer pessoa, mesmo que esta as desconheça. O terrorista, sem eleição, faz-se poder Executivo de modo ditatorial e arranca bens e recursos vários de qualquer indivíduo ou grupo. O terrorista, sem mando legítimo, faz-se Judiciário e só ele julga com justiça plena o mundo e seus habitantes. Ele também exerce o poder de polícia, de espionagem, chegando a ser, ele também, o carrasco que “verte sangue sem culpa”, atributo dos mais antigos governos. Entre terroristas, a pena de morte é norma, e contra ela não existe apelo nem recurso. Enfim, a opinião pública é manipulada pelo terrorista, sem que seja permitida a réplica e o direito de resposta. Ou o mundo aceita a verdade, que por definição é a dele, ou está imersa na mentira”. Chávez endossa a tese. Logo, ou mentem os milhões de seres humanos que desejam a democracia e abominam ditaduras, ou as Farc e aliado são as piores fábricas de mentira das Américas.

Domingo, 18 Novembro 2007 22:00

Metafísica e Golpe de Estado

Descrição platônica do tirano: lobo que aprendeu o sabor do sangue humano. Sempre teremos entre nós e na cena mundial corações miúdos e cérebros micrológicos para justificar os lobos.

Descrição platônica do tirano: lobo que aprendeu o sabor do sangue humano. Sempre teremos entre nós e na cena mundial corações miúdos e cérebros micrológicos para justificar os lobos. H-J. Syberberg no espantoso Hitler, um filme da Alemanha, põe um monólogo essencial na boca do Füher: sem os juristas alemães, competentes e probos, ele jamais chegaria ao poder. Tal verdade nos faz retroagir à Polaca, redigida por Francisco Campos, imposta no dia 10 de novembro de 1937. Formam legião os juristas que apoiaram a ditadura. Recordemos a ordem acadêmica que impera na Europa e no Brasil ao ser inventada a Carta de 1937. Pouco antes, na república de Weimar, o debate toca o direito que teriam os juízes de afirmar como não constitucional uma norma jurídica. Grande parte dos juristas apóia a intervenção dos magistrados, porque o Legislativo não garante a ordem do país. Outro assunto: os poderes do Chefe de Estado no artigo 48 da Constituição.

Técnicos do Direito ajudam a justificar o Estado de Emergência (Staatsnotstand), “pareceres” acadêmicos pavimentam a via nazista. Afirma Michael Stolleis, professor de Direito público na universidade de Frankfurt, diretor do Max-Planck-Institut für europäische Rechtsgeschichte: “quando no Reichsgesetzblatt, o boletim oficial do Reich, de 1934, publicou finalmente que os assassinatos de Röhm e de seu grupo eram legais em nome da ‘legítima defesa do Estado’, os professores de direito constitucional não tiveram a capacidade, nem a vontade de protestar.” Os professores renunciaram, diz Stolleis, à república, por considerar o Estado de direito como um bem descartável. Eles exaltaram “de maneira quase metafísica o poder executivo.” E o poder executivo, sob Hitler, assassinou judeus aos milhões nos campos de concentração. Quantos juristas se levantaram contra o genocídio?

Stolleis cita H. Kelsen: “É evidente nos círculos dos professores de direito constitucional e dos sociólogos (…) que eles só falam com desprezo da democracia. Parece moderno louvar a ditadura, direta ou indiretamente, como a aurora de uma nova era. Esta mudança da atitude ‘científica’ segue um deslocamento filosófico: todos fogem da clareza, doravante desacreditada como superficialidade, do racionalismo empírico e crítico, este espaço vital do espírito democrático, para retornar à obscuridade da metafísica, tomada ilusoriamente como profunda no culto do irracional nebuloso, atmosfera específica na qual, desde sempre, as diferentes formas de autocracia se espalharam mais livremente. Eis o slogan de nossos dias”. Estas linhas são de 1932. Finaliza Stolleis: “O balanço final (do Direito antes do nazismo,RR) foi deprimente. Não mais existia uma ciência do direito que pudesse merecer este nome como disciplina científica. Para falar a verdade, sua agonia começara na hora em que a justificação jurídica dos assassinatos de Röhm e de seu grupo tinha sido aceita em silêncio. Aliás, é no mesmo instante que a União alemã dos Professores de Direito Público encerrou suas atividades. Hitler não estimava os professores. Esta descoberta amarga - que a sua existência era dispensável - só foi tardiamente, ou nunca, aceita pela maioria dos juristas”. (Michael Stolleis, Dans le ventre du Léviathan. La science du droit constitutionnel sous le national-socialisme, Astérion, N. 4, abril 2006, in http://asterion.revues.org/document636.html)

Resistências irrelantes existiram. O mesmo ocorreu sob Vargas e no regime de 1964. Quantos Hermes Lima, Sobral Pinto, Evandro Lins e Silva tivemos para compensar servis juristas que sacramentaram as torturas de Filinto Müller, a Operação Bandeirantes e outros instumentos de poder tirânico? Hoje volta a ser moda depreciar o Estado de direito, “burguês” segundo a esquerda, “pouco eficaz” para a direita travestida de liberal. Quantos juristas estão na trincheira da liberdade, quantos se preparam para fundamentar cientificamente ardis ditatoriais como o “terceiro mandato”, ou mandato vitalício para o presidente? As lágrimas do futuro responderão esta pergunta, para vergonha nossa e desgraça das novas gerações.

Segunda, 15 Outubro 2007 22:00

O Senado Fascista

Os senadores de todos os partidos que aceitam a crescente onda fascista levada pelo presidente do Senado são cúmplices da covardia e da intimidação.

Costumo pesar as palavras quando critico instituições relevantes. No caso do Congresso, algumas vezes uso termos duros, devido à falta de respeito pelo Legislativo demonstrada pelos seus integrantes. Tempos atrás a imprensa noticiou a prática de prostituição com patrocínio de parlamentares e ajuda de seus assessores, tendo em vista agradar prefeitos e políticos das regiões onde se localizam os currais eleitoreiros dos “representantes do povo”. Com a nova ainda candente, vem o informe jornalístico de que a Câmara providencia a nomeação de novos assessores, sem justicação funcional alguma. Interrogado pela TV Record, o presidente da Câmara, Inocêncio de Oliveira, diz nada saber sobre as referidas nomeações. E durante a entrevista, o deputado ri à escâncara. Após a sua fala, Oliveira vira as costas e a entrevistadora exibe, para o país inteiro, o documento assinado por ele, com as ditas nomeações. Ou seja: dissimulação, segredo, uso de recursos públicos sem justificativa, caçoada dirigida contra os idiotas pagadores de impostos.

Na mesma semana, o deputado Roberto Cardoso Alves pronuncia discurso na tribuna e ataca o autor da reportagem sobre o lenocínio na Câmara. As invectivas são dirigidas ao pai do jornalista, já falecido, que parlamentar conhecido e sobre o qual existem rumores de embriaguez. Nada é poupado ao jornalista, nos ataques à sua honra familiar. Cardoso Alves é o inventor da frase sacrílega do “é dando que se recebe”, franciscanismo pervertido e diabólico que insulta a crença de milhões de cristãos brasileiros. Publico o artigo O prostíbulo risonho, que me vale um processo de Cardoso Alves, bem como ataques desonestos de seus apoiadores. Sou absolvido, não sem antes notar o poderio do deputado nos três poderes da República.

Hoje o Senado (apenas um novo palco, pois o pastelão circense é o mesmo) é palco de nova investida “franciscana”. O Senador Wellington Salgado, da tropa de choque que defende o sr. Renan Calheiros, para explicar a chantagem explícita contra o poder Executivo na criação de uma nova pasta ministerial, a ser concedida ao filósofo Unger, diz que os senadores do baixo clero desejam “um chinelinho, não um sapato de cromo alemão”: cargos e verbas liliputianos como a sua estatura ética e política. A fala de Salgado, que dias antes afirma ignorar quem é o povo brasileiro (algo explicável porque, como suplente, nenhum integrante do povo nele votou) dá uma bofetada a mais na face da cidadania honesta.

No mesmo passo em que o deboche acima descrito se efetiva, o presidente do Senado segue para o quinto processo por falta do basilar decoro, manipula funcionários do serviço jurídico da casa, é também acusado de usar seu assessor para espionagem contra os pares, tendo em vista aterrorizá-los para obter sua “absolvição”. No dia em que o plenário o inocenta de algumas acusações, num procedimento tíbio para dizer o mínimo, Calheiros joga os jagunços de sua segurança (deveria ser a segurança do Senado) contra os parlamentares que, autorizados pelo STF, querem assistir o procedimento de cassação.

Ontem à tarde um grupo de jovens militantes do PPS, pacificamente, fez uma demonstração nos corredores senatoriais. Eles vestiam as sandálias mencionadas por Wellington Salgado, e usam ironia fina contra o “franciscanismo” calhorda dos senadores liliputianos. É o que basta para que os Tonton Macoute de Calheiros os amedrontem com ataques físicos, machucaduras, prisão ilegal.

Os senadores de todos os partidos que aceitam a crescente onda fascista levada pelo presidente do Senado são cúmplices da covardia e da intimidação. O PT, que até agora assegura a prática do cangaço na mesa do Senado, quando esta é dirigida por Calheiros, tem sua palavra a dizer. Assume a parceria com o Papa Doc das Alagoas, ou rompe com ele, e vota incontinente pela sua higiênica e urgente cassação.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.