Sex11172017

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

Rodrigo Constantino

Rodrigo Constantino

Rodrigo Constantino é economista formado pela PUC-RJ, com MBA de Finanças pelo IBMEC. Trabalha desde 1997 no mercado financeiro, como analista de empresas e administrador de portfolio. É autor do livro "Prisioneiros da Liberdade", da editora Soler.

O praticante de esporte bem treinado e educado aprende a respeitar as regras, ser disciplinado, o que não é um mal como alega a esquerda, mas uma virtude. A cooperação também é estimulada nas aulas de educação física tradicionais.

Não caiam nessa, senadores! Ainda há tempo de mostrar quem manda, de proteger nosso estado dessa invasão bolivariana, de resguardar a democracia representativa. Traiam Dilma, mas não traiam o Brasil, senadores! Fachin, não!

Sexta, 15 Maio 2015 15:51

O BRASIL CANSA

Os EUA são a potência que são graças ao livre mercado, à mentalidade que enaltece o lucro e o individualismo dentro de certos limites éticos.

Ninguém mais aguenta o cinismo do PT e de Lula, as mentiras de Dilma, as propagandas do marqueteiro que também é investigado pela Polícia Federal (que atração forte entre PT e crime!).

Terça, 14 Abril 2015 16:17

A PATRULHA DOS DOUTRINADORES MARXISTAS

São, em português bem claro, pulhas. Mas são esses pulhas que, infelizmente, dominam o ensino no Brasil há décadas. Poderia ter um resultado diferente?

Amém! Que os brasileiros decentes ocupem as ruas domingo para quebrar a cara do Planalto, mostrando que o público do dia 15 de março foi apenas um aquecimento para o que vem por aí. Não podemos dispersar. Não podemos relaxar. Se cochilar, o cachimbo cai. É hora de aproveitar o momento de indignação e maior consciência política para lutar por mudanças efetivas que fortaleçam nossas instituições republicanas.

O petismo perdeu o bonde. Também perdeu a rua, como ficará claro, de novo!, no dia 12 de abril. O petismo já morreu. Tornou-se vítima de sua própria concepção de mundo.

O rombo bilionário no Postalis, o fundo de pensão dos Correios, será pago pelos próprios trabalhadores. Investimentos suspeitos feitos pelo Postalis sob o comando do PT e do PMDB levaram a perdas gigantescas. O conselho deliberativo do Postalis resolveu impor aos funcionários o fardo, por meio da redução dos salários. O corte pode chegar a quase 30% dos ganhos. O governo dos “trabalhadores” acabou usando os Correios para agir ilegalmente como um braço partidário do PT nas eleições, e ainda usou os recursos de aposentadoria de seus funcionários para ajudar camaradas fora do Brasil, jogando a fatura para os empregados.

A simbiose entre sindicalistas e governantes de esquerda foi mortal para os trabalhadores, e só ajudou mesmo aqueles no topo da hierarquia do poder. A infiltração partidária na estatal só atende aos interesses dos corruptos e poderosos, sempre à custa do povo, do pagador de impostos e dos trabalhadores. Mas nem todos os funcionários da estatal são cegos. É o caso de Gil Diniz, o “carteiro reaça”, que vem condenando a politização da estatal há tempo. Ele escreveu em sua página do Facebook:

Já venho denunciando nas redes sociais o aparelhamento dos Correios pelo Partido dos Trabalhadores. Já publiquei denúncias de investimentos indevidos do nosso fundo de pensão, alertei amigos e colegas sobre o rombo nas contas do Postal Prev e tentei alertar ainda mais na eleição sobre o risco que era eleger esse partido de bandidos novamente.

Muitos zombaram de mim, outros exclamaram: “Com Aécio vai ser pior”, “Vão privatizar a empresa”, “pai Lula, Dilmãe”.

A conta está chegando e vem pesada, os mesmos que tripudiaram de mim, estão tensos, sem saber o que fazer, calculando quanto será o desconto em folha para ajudar a pagar o prejuízo em nosso fundo de pensão.

Não vou rir, esse problema também é meu e de cada brasileiro. O uso de dinheiro público para beneficiar partidos, a ingerência de militantes partidários em cargos técnicos é uma constante e está na hora de começarmos a discutir isso.

A bomba hoje explodiu nos funcionários dos Correios, amanhã será nos do Banco do Brasil e consequentemente na Caixa, Petrobras, etc.

Os gafanhotos petistas e seus pelegos sindicais estão ai roubando e destruindo o que tentamos construir.

Precisamos urgentemente de um Correios Sem Partido!

Quanta lucidez! Compare o ponto de vista do carteiro com o dos “intelectuais” que defendem as estatais, transformadas em vacas leiteiras com tetas que alimentam apenas políticos corruptos e sindicalistas oportunistas. Que diferença! Às vezes o “intelectual” tem um Ph.D. e tudo, mas não adianta: o preconceito ideológico o impede de enxergar o óbvio. Em nome de sua utopia, defende um modelo que concentra mais poder no estado, como se este fosse um bom empresário, tivesse um mecanismo de incentivos adequados.

Aí dá nisso: uma quadrilha se apropria das estatais, dos fundos de pensão, e usa e abusa desses instrumentos para desviar recursos, para fazer populismo, para comprar votos e se perpetuar no poder. É lamentável. É triste para os funcionários. Mas que aprendam de uma vez por todas a lição e parem de ser inocentes úteis dos oportunistas de plantão. Quem trabalha duro não tem porque temer a privatização. Deveria temer é a politização das estatais, que destrói as empresas enquanto enche os cofres dos bandidos.

PS: Sinto pena de gente como o Gil Diniz e tantos outros que trabalham de verdade para sustentar os demais, mas não sinto pena alguma dos carteiros que aceitaram de bom grado atuar como militantes petistas durante as eleições, distribuindo propaganda do PT e segurando o material do oponente Aécio Neves. Esses merecem pagar o preço de sua cumplicidade!

Quarta, 18 Março 2015 14:05

PRESIDENTE SITIADA

O PT perdeu o controle das ruas, não tem mais o monopólio da mobilização das massas.

Segunda, 16 Março 2015 14:23

HAJA ELITE!

Do nordeste aos Estados Unidos: todos contra Dilma e o PT.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.