Sex08172018

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

Rodrigo Constantino

Rodrigo Constantino

Rodrigo Constantino é economista formado pela PUC-RJ, com MBA de Finanças pelo IBMEC. Trabalha desde 1997 no mercado financeiro, como analista de empresas e administrador de portfolio. É autor do livro "Prisioneiros da Liberdade", da editora Soler.

Quinta, 22 Março 2018 14:54

O QUE RESTOU À ESQUERDA

 

 

 

Após mais de 13 anos de poder, a extrema esquerda deixou um rastro de destruição pelo País, e seu líder está prestes a ser preso, como quase toda a cúpula do PT. O fracasso do lulopetismo foi o principal fator por trás do surgimento da tal “onda conservadora”, que causa pânico nos “intelectuais”. Em frangalhos, os radicais de esquerda tentam reunir os cacos e sobreviver politicamente, até porque sem as tetas estatais estão fritos: teriam que trabalhar de verdade.

Sexta, 16 Março 2018 13:46

ELES SE RECUSAM A DESAPARECER

 

 

 

Nossos esquerdistas se recusam a desaparecer. Mas alguém deveria avisá-los de que já estão mortos…

Sexta, 02 Março 2018 14:36

A GUERRA MAIS IMPORTANTE

 

 

 

Seja por oportunismo político, seja por convicção genuína, o fato é que a decisão do governo Temer de apelar para a intervenção federal no Rio suscitou intenso debate sobre a criminalidade no País. E poucas vezes ficou tão clara a divisão: de um lado estão aqueles que mascaram a defesa da impunidade com a preocupação com eventuais abusos dos militares, e do outro estão aqueles que simplesmente não aguentam mais o domínio escancarado dos bandidos.

 

 

 

Eles dão aula aos seus filhos, que os consideram super legais, descolados e “prafrentex”. Eles escrevem as reportagens dos jornais, como “formadores de opinião” imparciais. Eles fazem filmes e novelas, influenciando milhões. E você ainda acha que o perigo real é um bando de barbudo sujo com pistolas nas mãos?

Terça, 12 Dezembro 2017 12:29

A HORA DO LIBERALISMO

 

 

 

Discursos não bastam, e o Brasil precisa de um choque radical de liberalismo, pois estamos mais distantes dele do que Plutão da Terra!

 

 

 

Um grupo de engenheiros formados pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) lançou uma carta que nada tem a ver com a construção de aeronaves. Intitulado “Manifesto pelo Brasil”, o texto expõe preocupação com os rumos do país, “nestes tempos de instabilidade política, corrupção, desemprego e violência”, e se dispõe a pensar em novas saídas para a crise nacional. É a primeira vez que ex-estudantes da instituição se posicionam sobre assuntos dessa natureza.

 

 

Os privilegiados do setor público estão por trás dos protestos contra as reformas estruturais de que o país precisa, e ainda querem aumentos de salário. Configura-se um quadro de parasitas demais para poucos hospedeiros, quando a crise derruba a atividade econômica como derrubou. A conta não fecha. Não é possível se iludir eternamente.

Sexta, 14 Julho 2017 15:29

A POLÍTICA DA NOSTALGIA

A nostalgia pode ser uma poderosa arma política. Pode ser um motivador ainda mais poderoso do que a esperança, explorada pelos revolucionários. A esperança pode trazer decepção, mas a nostalgia é irrefutável. Ela adota um pensamento mágico para a História, e o sofredor da modernidade encontra refúgio nessa magia, na ilusão de que existiu um Éden e que é possível resgatá-lo.

Essa foi a pergunta que Joaquim Barbosa fez aos artistas em encontro recente, segundo Mônica Bergamo. Já comentei aqui sobre essa tão sonhada chapa dos artistas e “intelectuais”, com Marina Silva e Joaquim Barbosa.

 

 

 

É um espanto! Mas é a típica mentalidade feminista, sinônimo de socialista. Atacar terroristas islâmicos não pega muito bem nesse mundo politicamente correto. Por isso é melhor atacar a “censura do mercado”, ou seja, a falta de desejo dos consumidores em ler histórias em quadrinhos repletas de mensagens políticas chatas, quando querem apenas boas histórias de heroísmo e, talvez, amor.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.