Sex08182017

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

Ubiratan Iorio

Ubiratan Iorio

UBIRATAN IORIO, Doutor em Economia EPGE/Fundação Getulio Vargas, 1984), Economista (UFRJ, 1969).Vice-Presidente do Centro Interdisciplinar de Ética e Economia Personalista (CIEEP), Diretor da Faculdade de Ciências Econômicas da UERJ(2000/2003), Vice-Diretor da FCE/UERJ (1996/1999), Professor Adjunto do Departamento de Análise Econômica da FCE/UERJ, Professor do Mestrado da Faculdade de Economia e Finanças do IBMEC, Professor dos Cursos Especiais (MBA) da Fundação Getulio Vargas e da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Coordenador da Faculdade de Economia e Finanças do IBMEC (1995/1998), Pesquisador do IBMEC (1982/1994), Economista do IBRE/FGV (1973/1982), funcionário do Banco Central do Brasil (1966/1973). Livros publicados: "Economia e Liberdade: a Escola Austríaca e a Economia Brasileira" (Forense Universitária, Rio de Janeiro, 1997, 2ª ed.); "Uma Análise Econômica do Problema do Cheque sem Fundos no Brasil" (Banco Central/IBMEC, Brasília, 1985); "Macroeconomia e Política Macroeconômica" (IBMEC, Rio de Janeiro, 1984). Articulista de Economia do Jornal do Brasil (desde 2003), do jornal O DIA (1998/2001), cerca de duzentos artigos publicados em jornais e revistas. Consultor de diversas instituições.

Sexta, 06 Novembro 2015 08:28

SPEZZARE LE CATENE DELLO STATALISMO

Una società libera esige meno Stato e meno vincoli e più opportunità per le forze vive e imprenditoriali.

Esse registro sinistro do novo ministro é só um indicativo de como é importante lutarmos pelas boas ideias, porque somente elas poderão nos livrar dessa verdadeira escravidão imposta aos cidadãos pelos políticos.

Os exterminadores não destruíram apenas os fundamentos, eles eliminaram as esperanças da nossa geração e das dos nossos filhos e netos. É revoltante. Hasta la vista desarrollo!

L’economia di mercato e la globalizzazione consentono di godere di più beni e servizi a prezzi più bassi e di svolgere il lavoro più consono al proprio talento.

Segunda, 06 Julho 2015 09:51

O PARADOXO DE GARSHAGEN E O UBER

Em seu excelente livro Pare de Acreditar no Governo – Por Que os Brasileiros Não Confiam nos Políticos e Amam o Estado (Record, 2015), o cientista político Bruno Garshagen, membro do Conselho Editorial da revista acadêmica Mises: Revista Intercisciplinar de Filosofia, Direito e Economia, destrincha em 320 páginas muito bem escritas o paradoxo sugerido pelo feliz título da obra.

Os padrões da teoria econômica e política que vêm sendo ensinados nas universidades e papagueados sem qualquern reflexão pela mídia precisam mudar com urgência. O fracasso da mainstream economics é, a esta altura, claramente patente. É tempo de se estudar nas universidades e é nosso dever procurar popularizar em linguagem acessível os ensinamentos da Escola Austríaca e da Escola da Escolha Pública.

Segunda, 18 Maio 2015 08:25

LE RAGIONI DI UMA FIDUCIA BEN RIPOSTA

Un paragrafo de "L'Azione Umana", una pagina de "La Via della Schiavitù", um semplice ragionamento di “Concorrenza e Imprenditorialità”, per esempio, valgono molto di più in termini di comprensione del mondo reale, di tonnellate di manuali di macroeconomia e microeconomia che gli studenti sono tenuti a leggere.

O direito à vida, neste país doente, não passa de uma expressão, uma figura de retórica sem o menor significado prático, uma vez que não é respeitado. No Brasil, o crime compensa.

Quarta, 04 Março 2015 17:48

NÃO FOI POR FALTA DE AVISO...

Escrevo essas linhas com tristeza, com grande tristeza, mas não posso deixar de exprimir que não foi por falta de aviso.

É consensual – salvo entre economistas de esquerda, que acreditam que gastos públicos possuem o pretenso poder mágico de melhorar as vidas das pessoas – a necessidade de um forte ajustamento nas contas do Estado, para corrigir os descalabros praticados pela equipe econômica do governo desde 2010 (a rigor, desde 2008).

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.