Dom07232017

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

Mario Guerreiro

Mario Guerreiro

Mario Antonio de Lacerda Guerreiro nasceu no Rio de Janeiro em 1944. Doutorou-se em Filosofia pela UFRJ em 1983. É Professor Adjunto IV do Depto. de Filosofia da UFRJ. Ex-Pesquisador do CNPq. Ex-Membro do ILTC [Instituto de Lógica, Filosofia e Teoria da Ciência], da SBEC [Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos].Membro Fundador da Sociedade Brasileira de Análise Filosófica. Membro Fundador da Sociedade de Economia Personalista. Membro do Instituto Liberal do Rio de Janeiro e da Sociedade de Estudos Filosóficos e Interdisciplinares da Universidade. Autor de Problemas de Filosofia da Linguagem (EDUFF, Niterói, 1985); O Dizível e O Indizível (Papirus, Campinas, 1989); Ética Mínima Para Homens Práticos (Instituto Liberal, Rio de Janeiro, 1995). O Problema da Ficção na Filosofia Analítica (Editora UEL, Londrina, 1999). Ceticismo ou Senso Comum? (EDIPUCRS, Porto Alegre, 1999). Deus Existe? Uma Investigação Filosófica. (Editora UEL, Londrina, 2000). Liberdade ou Igualdade (Porto Alegre, EDIOUCRS, 2002).

O objetivo nada mais é do que fragmentar a opinião pública, de tal modo que nenhuma facção desta mesma prevaleça sobre as demais. A divisão da opinião pública estilhaça a  mesma em pequenos grupos e nenhum deles terá representatividade política de peso.

Segunda, 13 Março 2017 14:53

O DECÁLOGO DE LÊNIN E O PETISMO - PARTE I

 

 

 

Por volta década de 20 do século passado, não sei dizer precisamente em que ano, Lenin escreveu 10 mandamentos para os comunistas, de modo a orientarem sua ação política. Vamos citá-los, juntamente com um comentário para cada um deles.

Segunda, 23 Janeiro 2017 13:33

A VOLTA DE QUEM NÃO FOI

Você consegue imaginar o que resultaria da cruza de um chinês com uma gaúcha? A da de um japonês com uma cearense? Não? E a de um americano com uma baiana?

Quarta, 14 Dezembro 2016 10:10

OS CRIMES NAZISTAS E A BANALIDADE DO MAL

Praticado em larga escala, nas suas mais variadas formas, presente na vida cotidiana como coisa corriqueira, o mal acaba se tornando coisa habitual e ninguém concede a ele as devidas atenção e preocupação.

Sexta, 11 Novembro 2016 14:36

DEU ZEBRA NAS ELEIÇÕES AMERICANAS

 

 

 

Como eu disse em um artigo anterior a este, os eleitores americanos estavam diante de um dilema destrutivo em que era difícil apontar qual das duas opções era a pior: votar na Hilária ou no Pândego. Caindo no popular: Se ficar o bicho come, se correr o bicho pega!

Quinta, 22 Setembro 2016 18:26

O QUE HÁ DE ERRADO COM OS IMIGRANTES?

Além disso, se são imigrantes ilegais, toda nação soberana goza do direito de deportá-los, embora algumas dessas nações, por questão de tibieza e/ou excesso de tolerância, tenham mostrado não desejar exercer esse legítimo direito.

 

 

 

Os parlamentares não são obrigados a se basear em normas legais, tal como juízes. Mas, de modo diverso, seu julgamento se assemelha ao de um tribunal do júri. Espera-se deles que enunciem seus veredictos com base na sua “íntima convicção”, ou seja: na sua consciência moral.

Terça, 02 Agosto 2016 08:47

AS OLIMPÍADAS DO RIO SERÃO UM DESASTRE?

Somente pessimistas de plantão andam dizendo por aí que as Olimpíadas no Rio serão um fracasso colossal. Que despautério! E ainda ficam fazendo ilações despropositadas.

Sexta, 22 Julho 2016 14:19

EM DEFESA DE JAIR BOLSONARO

 

 

 

Como sabemos, o Poder Judiciário não tem a atribuição constitucional de acusar ninguém, mas sim de julgar quem é acusado. “O dono da ação” é o Ministério Público e é ele quem tem a obrigação de acusar todo e qualquer descumprimento da lei afetando a sociedade e suas instituições, o que não é o caso de Bolsonaro

Segunda, 04 Abril 2016 13:55

UM PARLAMENTARISMO DE FACTO?

Desse modo, foi instaurado no Brasil um parlamentarismo de facto, com Temer desempenhando o papel de Primeiro-Ministro e Dilma o de Rainha de Copas. Será que este parlamentarismo de facto vai durar mais do que o breve parlamentarismo de jure?

Pagina 1 de 26
  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.