Seg05292017

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

André Plácido

André Plácido

André Arruda Plácido nasceu em Pirajuí (SP) e é cidadão português. Reside em Londrina (PR) onde graduou-se em Relações Públicas e Teologia. Em Bauru (SP) concluiu o curso de Jornalismo. Fez especialização em Comunicação e Liderança em Missões Mundiais pelo Haggai Institute em Cingapura. É professor de comunicação, poeta, radialista, cronista e fotógrafo.

Não sou contra o ser humano pecador que Cristo amou, morreu e, ao terceiro dia, por ele ressuscitou a fim de proporcionar perdão e salvação. Claro que isso é para aqueles que crêem em Jesus Cristo e na Bíblia. Eu creio!

Sexta, 08 Abril 2011 15:01

O Mal Que Se Esconde

Nada justifica a atitude psicótica e selvagem de Wellington. Nada. Mas nos leva - ou ao menos deveria levar - a refletir sobre os dias atuais. São dias maus. São dias frios. São dias de desesperos individuais personificados em atitudes desesperadas que refletem no coletivo social do Brasil do século 21.

Quarta, 25 Março 2009 21:00

O Diabo Está Nos Detalhes

Mas são apenas detalhes. Ideologias que “do ponto de vista político e do ponto de vista sociológico, do ponto de vista da racionalidade humana” perduram desde o século 20.

Lula-lá, em Nova York, sobre o fim do embargo dos EUA a Cuba: “Não existe mais, do ponto de vista político e do ponto de vista sociológico, do ponto de vista da racionalidade humana, nada mais que impeça o restabelecimento das relações entre Estados Unidos e Cuba. Não é possível que a gente continue fazendo no século 21 políticas com o olhar do que aconteceu no século 20. Vamos fazer política pensando no século 22”. Concordo! Mas... Só isso?! Detalhe: a maldita revolução cubana retirou do poder um ditador com aval capitalista para colocar outro com aval comunista. São 50 anos sem eleições, partidos políticos, sindicatos, democracia, direitos humanos, liberdade de imprensa, milhares de presos políticos, internet proibida e mais supérfluos de que o povo cubano, queira Deus, conheça lá pelo século 22.

 

Já no Brasil do século 21, o PT faz discípulos: a Polícia Rodoviária Federal deteve um chinês que transportava mais de R$ 300 mil escondidos na cueca, meias e sapatos. E o projeto de construção de uma rodovia na Bolívia que será feito pela OAS com dinheiro do BNDES, avalizado por Lula, é investigado pela Controladoria-Geral do país do companheiro Evo Morales após quatro avaliações levantarem suspeitas de favorecimento e superfaturamento. A construtora brasileira foi a única que participou da licitação. Detalhe: o empréstimo da obra que está sendo negociado diretamente entre Lula e Evo é de US$ 415 milhões; 80% com verba do BNDES.

 

E o PSDB não se contenta em ficar atrás e distribuiu às crianças da 6ª série do ensino público paulista milhares de livros didáticos novinhos! Detalhe: Bolívia e Paraguai formam um só país. São dois Paraguais. E um deles é banhado pelo oceano.

 

Delúbio Soares levou carta ao Diretório Nacional do PT pedindo refiliação. Se negado, “Nosso” Delúbio já pediu apoio de petistas para se filiar a um partido aliado. Já conversou com o PMDB de Goiás. Detalhe: o suposto tesoureiro do mensalão quer ser eleito deputado federal em 2010. É a “política do século 22” em andamento.

 

Depois te ter emprestado o celular do Senado - que não possui limite de gastos - para sua filha usar numa viagem de 15 dias ao México, o senador Tião Viana (PT-AC) avisou que pagou a conta! Detalhe: isso depois de ter sido descoberto. Tião não revela o valor da fatura nem daqui a 15 séculos.

 

Nos EUA a AIG pagou bônus milionários a seus executivos depois de embolsar US$ 170 bilhões de ajuda do governo Obama-lá. O presidente da seguradora, Edward Liddy, afirmou que por conta de “força contratual” não pôde deixar de socializar a fortuna. Detalhe: Liddy jurou de pés juntos que desde novembro de 2008 o Banco Central americano sabia dos bônus, e que o secretário do Tesouro, Timothy Geithner, também havia sido informado há duas semanas. Outro detalhe: Obama defendeu o companheiro Geithner dizendo que os contratos não foram assinados por ele, e que “ninguém do governo tem obrigação de fiscalizar a seguradora”. Não?! Os bilhões não são do povo?!

 

Pra não ficar apenas na marolinha e de fora das fortes emoções do mercado internacional, o Brasil é o quarto maior detentor de títulos da dívida estadunidense. Mais de 60% de nossas reservas são em títulos americanos. Damos sobrevida à economia do Império. Detalhe: se o grande líder democrata socialista bolivariano, Hugo Chávez, e seus amiguinhos presidentes por usucapião de Cuba, Fidel e Raúl Castro, destruírem o Império...

 

Mas são apenas detalhes. Ideologias que “do ponto de vista político e do ponto de vista sociológico, do ponto de vista da racionalidade humana” perduram desde o século 20.

Sábado, 07 Fevereiro 2009 22:00

O Olho

“Nesse país”, quem possui apenas um olho, percebe todo, completo, total sentido.

Estive no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba. O “Olho de Niemeyer”. É que o salão principal possui o formato de um olho gigante fitando a capital.

Com 35 mil m² o MON abriga mais de 2.100 peças. No Olho estão 145 obras. Iberê Camargo, Di Cavalcanti, Poty, Josué Demarche, Niobe Xandó, Yolanda Mohalyi, Otto Moderson, Fritz Overback, e a surpresa do ano: Andy Warhol! Uau! O gênio da Pop Art na tela The Shadow, coberta com pó de diamante. Andrew Warhola, o Andy Warhol! Andy Warhol! Colírio.

Grosso modo, a semiótica Greimasiana - Semântica Estrutural, Greimas -, partindo da dicotomia de Saussure - significante versus significado -, estabelece quatro pontos para explicar a estrutura de qualquer texto, seja ele uma crônica, tela, escultura. Qual seria a finalidade de um texto? Comunicar, registrar, informar e difundir conceitos. São três dimensões: o “fazer saber” do texto, aquilo que ele informa; o “fazer crer” em uma verdade, e o “fazer agir”. Todo texto quer convencer alguém de algo, uma verdade; ou melhor, uma veridicção, aquilo que o texto diz ser verdade. É o que se chama de intentio auctoris (intenção do autor) e intentio operis (intenção do texto). São dois eixos: o da manifestação (enunciado, explícito), a materialidade do texto, palavras, tintas na tela, bronze da escultura, e o da imanência (essência, implícito), as entrelinhas.

Quando o diabo, a serpente - no texto bíblico o animal “mais sagaz” -, foi tentar Eva no Éden a fim de que desobedecesse a Deus e comesse o fruto proibido - não se fala em maçã -, perguntou: “É assim que Deus disse: não comereis de toda árvore do jardim?” Eva rebate: “Do fruto das árvores do jardim podemos comer, mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: dele não comereis, nem tocareis nele, para que não morrais”. O chifrudo retruca: “É certo que não morrereis porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se vos abrirão os olhos e, como Deus, sereis conhecedores do bem e do mal”. Deus não se mete na conversa e o resultado já sabemos. Livre-arbítrio.

O mesmo ocorre na imanência do texto dos ministros Tarso Genro (Justiça) e Luis Dulci (Secretaria Geral), comparando o caso do ex-terrorista de extrema-esquerda das Forças Armadas pelo Comunismo (PAC), Cesare Battisti, condenado pela Justiça italiana à prisão perpétua por quatro assassinatos, com o do ex-banqueiro Salvatore Cacciola: confusão, veridicção. À época, a Itália alegou “ausência de acordo de reciprocidade em processos de extradição”. O Brasil não extradita fugitivos da Justiça de outros países. A Itália não extraditou Cacciola por ser cidadão italiano.

Texto do ministro italiano para Assuntos Europeus, Andrea Ronchi: “é intolerável que o assassino de quatro cidadãos italianos possa ficar em liberdade e viver tranqüilo no Brasil. Estamos drasticamente indignados. É um escândalo moral, uma vergonha que ainda se justifiquem os assassinatos”. É ministro, a ideologia esquerdista das cavernas impera pela América Latina. São os “iguais” da ministra Dilma Roussef. Livre-arbítrio.

Sem pestanejar Oscar Niemeyer participou do abaixoassinado que apoia a concessão de status de refugiado ao condenado Battisti. Mas a tela do MON que salta aos olhos nesses tempos ideológico-proletários é “Idiotas”, de Iberê Camargo. “Nesse país”, quem possui apenas um olho, percebe todo, completo, total sentido.

A vida imita a arte, companheiros...

Terça, 16 Setembro 2008 21:00

Universo Paralelo

Tenho pena do brasileiro. Cisca uma TV, um MP3, um DVD no "universo paralelo" e vota na Dona Benta que lhe dá o farelo da riqueza nacional.

Lula-lá inaugurou a plataforma P-34 da Petrobras e recolheu amostra de óleo. Com as mãos sujas, sorriu. A companheira da Casa Civil, Dilma Roussef, lembrou Monteiro Lobato e seu livro O poço do Visconde, para expressar o momento lúdico pelo qual atravessa "este país": "Voltamos ao Sítio do Pica-Pau Amarelo. O sítio é o Brasil e a Petrobras achou petróleo atrás do galinheiro". Depois dessa FHC pediu para que o país deixe de lado as "calças curtas". Até tucano canta de galo nesse terreiro! Có-có-déco!

Não há dúvidas de que vivemos no Sítio. O instituto Ipsos entrevistou mil brasileiros em 70 cidades de nove regiões metropolitanas. Ao apontar o Brasil no mapa-múndi metade acertou. Os outros 50% nem sequer sabem onde fica o próprio galinheiro. Pior: para 2% que cacarejou, o Sítio fica na Argentina! Pibe, diz que fica no inferno, mas não diz Argentina! Outros apontaram o Brasil na África; mas a dúvida é cruel: estaria na República Democrática do Congo ou Chade? Outros 29% desistiram da resposta. É o resultado da pesquisa Pulso Brasil. Quem nunca confundiu Amapá com Canadá que atire o primeiro Visconde de Sabugosa! "Marmelada de banana, bananada de goiaba, goiabada de marmelo. Sítio do pica-pau amarelo."

E a Cuca da ignorância assusta sem dó: dos frangotes que já passaram por uma faculdade, 10% nem imaginam que a terra de Lobato está localizada na América do Sul. Já no ensino médio são 30% dos galetos. Isso porque devem estudar geografia por seis anos! E os pintinhos que ainda nem saíram da casca do ensino fundamental preocupam o futuro da granja: 50% não dão um pio sobre o assunto. "Boneca de pano é gente, sabugo de milho é gente. O sol nascente é tão belo! Sítio do pica-pau amarelo".

Se o próprio galinheiro é terra desconhecida aos brasileiros, imagine atrás dele: só 3% reconhecem a França e 84% ignoram de que o país de Maradona faz fronteira com o país de Pelé. "O estudante que não decifra o mapa-múndi não reconhece o mundo concreto que o cerca. É simples assim", sentenciou a secretária de Educação de São Paulo, Maria Helena Guimarães de Castro. Alô PSDB! "Rios de prata, pirata, vôo sideral na mata, universo paralelo. Sítio do pica-pau amarelo".

Mas aqui no Sítio nosso hobby é criticar os americanos. Enquanto só 18% dos brasileiros sabem onde ficam os EUA, 86% dos estadunidenses reconhecem seu terreiro no mapa; 81% sabem que o país de Emiliano Zapata faz fronteira com o país de Luther King e 54% reconhecem a França. O diabo é que 47% sabem onde está a Argentina!

Tenho pena do brasileiro. Cisca uma TV, um MP3, um DVD no "universo paralelo" e vota na Dona Benta que lhe dá o farelo da riqueza nacional. Abriu o bico: não tem saúde, educação, alimentação, habitação, segurança, respeito, justiça; enfim, democracia plena. Mesmo com a raposa dos impostos abocanhando R$ 700 bilhões até o momento.

Já a ministra Dilma é uma granjeira rendida à elite neoliberal capitalista que manda no Brasil há 500 anos, estudou com os riquinhos da USP e conhece Monteiro Lobato. Viu só, também sei fazer retórica petista "pogreçista"! Nunca na história deste Sítio uma trilha sonora está tão cotada a hino nacional: "No país da fantasia, num estado de euforia, cidade polichinelo. Sítio do pica-pau amarelo". Có-có-có-déco!

Quinta, 07 Agosto 2008 21:00

Adeus Soljenítsin

Enquanto lutava na Segunda Guerra pela falecida, Soljenítsin escreveu uma carta criticando Stalin e o exército vermelho.

“De bunda eu entendo”, afirma a dançarina na tevê. Harvard? Yale? USP? Qual universidade estaria ofertando doutorado em bunda? Mudei o canal e um sertanejo me torturou os ouvidos: “A gente somos um casal”. Lembrei de que a gente também “somos inútil”. Outro canal o pior: morre o escritor russo Alexander Soljenítsin, Nobel em 1970, homem de carne e osso que sofreu as atrocidades do regime comunista de Joseph Stalin (1924-1953), o Homem de Ferro. Segundo o autor tudo se inicia com a implantação do Estado soviético em 1918, massacrando milhões por meio de julgamentos sumários, perseguição ideológica, prisões, tortura e assassinatos até 1956!

Enquanto lutava na Segunda Guerra pela falecida - que Lênin a tenha! - União Soviética, Soljenítsin escreveu uma carta criticando Stalin e o exército vermelho. Acusado de ser “inimigo do povo(?)” foi calado pela mão do Estado: 11 anos de prisão na imensa rede de campos de trabalho forçado administrados pela Gulag (Direção Geral dos Campos de Trabalho Coletivo). Ali padeceram 66 milhões de seres humanos. Depois ainda viveu a opressão de Kruchev e o golpe de Brejnev. Como se escreve “ninguém merece” em russo?

Em Arquipélago Gulag (1973) relata: “A detenção tradicional é, ainda, depois de terem levado o pobre detido, a ocupação do apartamento por longas horas por uma força estranha, rígida, esmagadora. É o arrombar, abrir, tirar e arrancar das paredes, lançar dos armários e das mesas para o solo, sacudir, rasgar, espalhar montes de coisas pelo chão e pisá-las (...) encontrava-se no quarto um corpo de uma criança que acabara de morrer. Os “juristas” tiraram o corpo da criança e o revistaram também. Eles dão safanões nos doentes de cama e tiram as ligaduras que lhes cobrem as feridas. A detenção noturna é a preferida. Todos habitante ficam encolhidos pelo terror, desde a primeira pancada na porta. O preso é arrancado ao calor da cama, todo ele é reduzido à impotência do sono, com a mente confusa. Os agentes têm superioridade de forças: vários homens armados contra um que não chegou sequer a abotoar as calças.

O dissidente também escreveu Um dia na vida de Ivan Denisovich (1962), O primeiro círculo e Pavilhão dos cancerosos (1968) e Agosto 1914. Em 1974 teve suas obras proibidas, foi expulso do país e morou na Alemanha Ocidental, EUA e Suíça.

Em 1984, de George Orwell - que também escreveu A Revolução dos Bichos (1945) satirizando Stalin e o socialismo totalitarista -, está tudo muito claro: “O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar uma revolução; faz uma revolução para estabelecer a ditadura. O objetivo da perseguição é a perseguição. O objetivo da tortura é a tortura. O objetivo do poder é o poder.” O oprimido e cativo povo cubano que o diga. São as ditaduras que metem o pé na bunda da democracia, da liberdade e dos direitos humanos.

Quando chegar ao inferno, Fidel Castro encontrará Stalin. Serão eternamente torturados pelo sertanejo: “A gente somos um casal”. Para o capeta um casal nada inútil...

Terça, 27 Novembro 2007 22:00

Deus Salve o PCC

Na pesquisa do Ibope Opinião, 75% dos brasileiros “admitem ser capazes de cometer irregularidades em cargos públicos”.

“Tenho vergonha dos políticos brasileiros” diz o adesivo nos carros. Mas quem os elege? Melhor culpar o outro. Pensamento simplista e chinfrim que favorece o pilantra. Elegeu o corrupto? Ladrão? Mentiroso? Quadrilheiro? Cadeia! Mas, no máximo, o criminoso ameaça seus desavergonhados companheiros de denunciar seus delitos ou renuncia para se reeleger.

Para aprovar a CPMF na Câmara, imposto que Lula e o PT nunca se envergonharam de negar na era FHC, já foram liberados, por enquanto, R$ 514,3 milhões. Lula - que à época do mensalão via traição no PT, mas que hoje defende a legenda como a mais ética do Brasil! –, além de dar apoio a Renan Calheiros, denunciou a “morte anunciada do transporte aéreo” em 2002. Em 2007, após sete ultimatos com dia e hora marcados para o término do caos aéreo, declarou, sem vergonha, que fora pego de “surpresa” sobre o vergonhoso assunto. Mentiu em 2007 ou em 2002?

Na pesquisa do Ibope Opinião, 75% dos brasileiros “admitem ser capazes de cometer irregularidades em cargos públicos”. Mais: ligação de luz clandestina, suborno ao guarda, pirataria, sonegação e falsificação de documentos são alguns vergonhosos exemplos do dia-a-dia. Resultado: a “força do povo” reelegeu o traído e seus traidores mensaleiros Valdemar Costa Neto, Antônio Palocci, José Genoíno, João Paulo Cunha, Pedro Henry e Paulo Rocha.

Como mudar o Brasil dos 87% de jovens que aceitam a vergonha da corrupção? Entre os 50 anos ou mais, o índice baixa para 60%. Os canalhas também envelhecem. Pior: mais anos na escola, maior a tolerância com a desonra política. Os desavergonhados com nível superior são 85%; os de até a 4ª série são 62%.

Isso mostra que educação, apesar de importantíssima, não é tudo. Caráter acima de tudo! Mas esse caráter é o pregado por 30 anos pelo PT? É o do PSDB mensaleiro? É o que se acaba quando o pobre vê a chance de enriquecer desonestamente? O caráter dos partidos políticos? Sugiro outro partido: Partido do Caráter de Cristo (PCC). Cristo mostrou seu caráter ao não se envergonhar em desafiar e apontar os erros dos políticos, religiosos, falsos profetas, traidores do povo e toda a sorte de pilantras da época. Cristo é a verdade, o bem, o caráter exemplar, advertiu sobre o pecado, rechaçou a hipocrisia, combateu a desumanidade, a corrupção, assistiu aos necessitados e ensinou a vontade do Pai: retidão e amor ao próximo.

Deus salve o PCC!

Sábado, 07 Abril 2007 21:00

IncomPTência e “Mierda”

Foi esse o governo que os brasileiros reelegeram. Quantos mais terão de morrer? Será que vão mudar os dizeres de nossa bandeira? Com a palavra o responsável: Luis “eu não sabia” Inácio “traído” Lula “apunhalado pelas costas” da Silva.

O caos aéreo que se instalou há seis meses é algo sem precedentes “desde que Cabral pôs os pés aqui”. A última das seis paralisações afetou 67 aeroportos administrados pela Infraero resultando em cerca de 18 mil reféns. A crise começou com a morte de 154 cidadãos na queda do avião da Gol em 29 de setembro de 2006.

Uma auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) em dezembro passado classificou como “caótica” a questão do setor aéreo “neste País”. E concluiu que a desordem é produto da negligência do governo petista que foi acusado de inerte, de não ter planejamento e de ser o responsável pelo agravamento do caos; além do corte “irresponsável” de verbas que deveriam ser usadas na contratação e treinamento de pessoal e na compra de equipamentos mais modernos para uso no controle do tráfego aéreo.

Documentos revelam que o governo tinha conhecimento dos problemas desde o início do reinado de Lula. Em 2003, o então ministro da Defesa, José Viegas Filho, já reclamava do “contingenciamento sistemático” e afirmava que o corte de verbas feito pelo Ministério da Fazenda vinha “produzindo dificuldades no Comando da Aeronáutica”, prevendo o problema com quatro anos de antecedência: “A diminuição dos recursos aplicados nessa atividade produz reflexos na própria segurança dos vôos, podendo acarretar a degradação do sistema”. O aviso entrou por um ouvido do governo e saiu pelo outro. Cerca de R$ 1,3 bilhão foi retirado do Fundo Aeronáutico.

Já no ano de 2007 da Era Proletária, o Aeroporto Internacional de Cumbica chegou a ficar quase um mês sem um dos instrumentos que ajudam os pilotos a aterrissarem com neblina.

Sobre o “acordo” que Lula mandou o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, fazer e depois desfazer, o cientista político e especialista em assuntos militares Eliezer de Oliveira afirma: “Há, sim, uma crise militar, embora não estejam ameaçadas nem as instituições nem a autoridade do presidente da República. Três fatos distintos caracterizam essa crise, surgida com a rebelião dos sargentos na sexta-feira. Primeiro, a quebra de hierarquia, quando eles se recusaram a cumprir ordens superiores. Segundo, a decisão dos oficiais de se recusar a continuar comandando os insurretos. Terceiro, a atitude do governo de escalar um ministro civil para negociar diretamente com os rebeldes e tomar decisões que desprezam os procedimentos militares”. Para que isso não se repita, Eliezer dá uma dica ao maior líder da “história deste País”: “É o presidente da República parar de atuar sindicalmente e agir como chefe de Estado”. “E isso começa por não deixar que se cortem verbas, como se a defesa nacional fosse negociável.”

Vale lembrar: apenas depois que o Brigadeiro Sérgio Ferolla, ex-presidente do Superior Tribunal Militar, defendeu a abertura de inquérito, “pois quem for conivente com o crime criminoso é”, que Bernardo voltou atrás no “acordo”. Lula morre de medo dos militares.

Muitos dos brasileiros presos nos aeroportos riam da própria desgraça. Um rapaz até ria para o repórter enquanto fazia uma “cama de casal” de papelão no chão. Já os estrangeiros desacostumados com tanta incomptência esbravejavam de ódio pelo caos.

Enquanto Lula-lá já havia voado para os EUA no Air Force 51 e a diretora da ANAC, Denise Abreu fumava charuto em um casamento em Salvador, uma turista estrangeira furiosa ironizava o “ordem e progresso” de nossa bandeira: “Donde está el progreso? Donde? Mierda!”

Foi esse o governo que os brasileiros reelegeram. Quantos mais terão de morrer? Será que vão mudar os dizeres de nossa bandeira? Com a palavra o responsável: Luis “eu não sabia” Inácio “traído” Lula “apunhalado pelas costas” da Silva.

Quinta, 15 Fevereiro 2007 22:00

Os Cães do Socialismo Pavloviano

Eis a América Latina. Populações há anos abandonadas como cães sem dono por maus políticos. Estão sendo alimentadas com a ração ideológica dos neoditadores e aprisionadas no canil revolucionário neolítico.

O fisiologista russo Ivan P. Pavlov pesquisou as atribuições do condicionamento na psicologia do comportamento. Na década de 1920 estudava a salivação em cães expostos a diversos tipos de estímulos palatares. Percebeu que a salivação passava, com o tempo, a ocorrer por meio de estímulos e situações que até então nunca a haviam causado. Nascia a teoria do condicionamento clássico: respostas comportamentais são reflexos condicionados por situações agradáveis ou não. Repetindo-se tais situações pode-se criar ou remover respostas psicológicas em seres humanos ou animais.

George Philips, professor da London School of Economics e especialista em política latino-americana, falou a respeito da região em entrevista ao Estadão. Sobre os revolucionários das cavernas afirmou: “Apesar de Castro e Chávez pensarem diferentemente, a Guerra Fria acabou. A importância política de alguém como ele [Chávez] no mundo seria muito maior se ainda houvesse um governo socialista na União Soviética. Mas, como os grandes poderes abandonaram o socialismo, o fato de que alguns párias querem estatizar tudo não importa muito em termos mundiais.

Philips concorda que há “um pequeno ditador” em Chávez. Compara o coronel aos líderes latinos mais conhecidos dos últimos 100 anos como Fidel Castro, Juan Perón e Getúlio Vargas. “Nenhum deles era um liberal democrata. Nenhum”. Sobre globalização, considerou que os anos 1980 foram um “desastre” e que na década de 1990 o desenvolvimento foi baixo, mas a inflação foi controlada disciplinando os países. Ressaltou nosso maior entrave: “O problema persiste sendo o capital humano na América Latina, onde a educação não é levada a sério como o é na Ásia. A relação do Estado com o setor privado não é eficiente, há corrupção. O serviço público - até um pouco mais meritocrático no Brasil - é paternalista e corrupto.

Sobre a sedução que o ideário socialista ainda exerce nos latinos disse que para transformar a Venezuela em um país rico esse “não é o caminho”. Mas “infelizmente é o que os venezuelanos querem”. Pior são os países andinos “onde os conflitos sociais ainda não estão resolvidos a ponto de poder-se implantar uma democracia liberal”. Questionado se o problema seria racial afirmou: “O problema não é racial. O que ocorreu é que liberalismo e capitalismo se identificaram com a elite branca e aqueles que não gostam da elite culpam liberalismo e capitalismo pelos problemas de seus países.” Alguma semelhança com o Brasil bi-Lula pós-mensalão?

Pior: o revolucionário Chávez - que chamou Fidel Castro de César; ué, o imperialismo não está ao norte? – utilizou da via democrática para conquistar poderes ameaçadores à democracia e ao Estado de Direito. Sua Câmara de socialistas encoleirados aprovou projeto de lei que permite ao militar governar por decreto durante 18 meses. Outro que caminha nas botas de Chávez e Fidel, além, é claro, do colombiano Evo Morales, é o presidente do Equador Rafael Corrêa: quer a convocação de uma nova Constituinte.

Sobre a Venezuela, Philips afirmou: “parte das pessoas se sentiam abandonadas pelo sistema. O que fazia era redirecionar mais dinheiro para a elite. O que ele fez foi mais ou menos como encontrar um cachorro de rua faminto e alimentá-lo. Ele fica seu amigo para o resto da vida. Chávez alimentou os venezuelanos que tinham fome, agora eles são agradecidos”.

Eis a América Latina. Populações há anos abandonadas como cães sem dono por maus políticos. Estão sendo alimentadas com a ração ideológica dos neoditadores e aprisionadas no canil revolucionário neolítico. Os cães do socialismo pavloviano estão com seus rabos entre as pernas há décadas em Cuba. Venezuela, Colômbia e Equador abanam seus rabinhos às coleiras da retórica populista e antidemocrática.

Que os brasileiros parem de baixar as orelhas e comecem a mostrar os dentes...

Sábado, 20 Janeiro 2007 22:00

Renascer e Reformar em Cristo

Na “seita-cheque” até doações em débito automático são aceitas! É o “tilintar da moeda” do século XXI.

Sou protestante. Evangélico é semântica da pós-modernidade. Ao estudar teologia aprendi que o erro deve ser denunciado a fim de ser reparado. Assim foi a Reforma Protestante deflagrada pelo monge Lutero e seguida por Calvino, Hus, Wyclif, Knox. Na contramão da Igreja Católica, que havia criado a salvação por meio de vários rituais além de Jesus - intercessão de santos, penitências, pagamento de indulgências que comprariam um pedaço do céu etc. -, a Reforma devolveu ao indivíduo o poder de reconciliação com Deus, obtenção de perdão e salvação; o homem volta a ser salvo pela fé, e não pelas obras. Segundo Lutero a Igreja havia se distanciado das Escrituras, como a justificação pela fé: a salvação é benefício dado apenas por Deus, por Sua Graça, por meio de Jesus Cristo e recebido apenas pela fé; sola fide.

Ainda não expulso da Igreja, professor, pregador e confessor da capela de Santa Maria, Lutero viu a venda de indulgências - perdão ao católico das penas temporais devidas a Deus pelos pecados cometidos na vida terrena - aos fiéis fregueses. Eram vendidas até para salvar um parente já morto que estivesse no Purgatório, originando o jingle “assim que a moeda no cofre tilintar, a alma do purgatório irá saltar”. Por essas e outras que pregou suas 95 teses na porta da igreja do Castelo de Wittenberg em outubro de 1517, culminando na cisão entre católicos romanos e protestantes.

Em 2007 a.D. a mídia denunciou que os ditos evangélicos “apóstolo” Estevam e “bispa” Sônia Hernandes, fundadores da Renascer em Cristo, presos ao tentarem entrar nos EUA com US$ 56 mil não-declarados e escondidos até na Bíblia(!), já respondem por várias acusações e processos na justiça. O promotor Arthur Lemos faz o sinal-da-cruz aos fariseus: “Verificamos que os líderes religiosos constituíram uma verdadeira organização criminosa.” E o Ministério Público joga água benta nos falsos profetas por estelionato, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica: “Um clã familiar que amealhou verdadeiras fortunas explorando a fé religiosa alheia”.
Luiz Flávio D’Urso, advogado dos sepulcros caiados, contestou: “O valor que a família transportava está dentro do permitido pela legislação americana. Sete pessoas poderiam ingressar nos Estados Unidos com até U$ 70 mil”. Esqueceram de confessar o pecado da ganância: declararam apenas U$10 mil. “O amor do dinheiro é a raiz de todos os males”, já ensinava o apóstolo... Paulo, é claro.

Na “seita-cheque” até doações em débito automático são aceitas! É o “tilintar da moeda” do século XXI. Os donos da igreja de Zaqueu precisam renascer e reformar a si mesmos em Cristo! Mas juntar evangélicos fashion e protestantes históricos no mesmo caldeirão, querer cozinhá-los em banho-maria do preconceito religioso, na fogueira da Santa Inquisição moral petista dos dias de hoje é feitiçaria! Afirmar que todos os pastores são como estes salteadores é o mesmo que dizer que todo padre é pedófilo e homossexual! Devagar com o andor porque o santo é de barro! É no mínimo ignorância, e no máximo, falta de caráter! Há pastores e padres pilantras, mas há também uma imensa maioria séria e comprometida com o Reino de Deus na Terra.

Pior: um dos jornais que mostraram a trapaça disse que antes de responder à justiça divina, o casal prestará contas à Justiça dos homens. Qual? A mesma de Marcos Valério, Palocci, Delúbio Soares etc., ou a dos sanguessugas e mensaleiros absolvidos pela Câmara e reeleitos com a “força do povo”? Ou a americana. Ah tá , então tá bão...

Pagina 1 de 5
  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.