Qua08122020

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

28 Jul 2020

É PRECISO PRESERVAR E PROMOVER A DEMOCRACIA

Escrito por 

POR: EMBAIXADOR ERNESTO ARAUJO                                                                       

De fato, estamos criando as parcerias internacionais que contribuem a mudar a lógica de nosso sistema: saindo de uma economia estatista geradora de corrupção, voltada aos interesses dos políticos, para uma verdadeira economia de mercado, voltada aos interesses dos cidadãos.

Há um ano e meio procuro explicar o novo Brasil ao mundo, nossa luta para desmantelar o sistema de corrupção e atraso, nosso compromisso e fé na liberdade e democracia, nosso projeto de erguer uma nação próspera e soberana alicerçada nos valores e identidade do povo brasileiro.

Nossa política externa tem contribuído não só para explicar mas para realizar esse novo Brasil, mediante novos acordos comerciais fundamentais a uma economia dinâmica integrada ao mundo, pela defesa de nossos valores e pela criação de parcerias com as grandes democracias.

De fato, estamos criando as parcerias internacionais que contribuem a mudar a lógica de nosso sistema: saindo de uma economia estatista geradora de corrupção, voltada aos interesses dos políticos, para uma verdadeira economia de mercado, voltada aos interesses dos cidadãos.

Finalizamos o Acordo de Associação com a União Europeia, criamos aliança inédita com os EUA, preparamos o ingresso na OCDE, lançamos parceria estratégica com a Índia, criamos nova relação com Israel, negociamos com Canadá e Coreia, teremos novos processos c/ Japão e Austrália.

Além de reforçar a economia, trabalhamos para promover a segurança na nossa região e enfrentar o esquema de esquerdismo-narcotráfico-crime organizado-terrorismo que subsiste na América Latina. Com os parceiros regionais queremos integração enraizada na democracia e economia aberta.

O Brasil está empenhado em participar como um dos atores centrais na construção de um mundo pós-Covid baseado não apenas na eficiência econômica mas também na democracia e na liberdade. Não basta falar na “economia do futuro”, há que estabelecer a democracia do futuro.

A liberdade de expressão, em especial na internet e nas redes, é mais fundamental do que nunca.

O mundo não pode mais ser indiferente à democracia. Se pela nossa Constituição todo o poder emana do povo, talvez devamos conceber um mundo onde todo o poder emane dos povos, ou seja, das nações, entidades vivas, que se coordenam em vários formatos para promover a liberdade.

Nosso projeto nacional e nossa atuação internacional, portanto, se complementam e se reforçam mutuamente. Este Brasil que trabalha pela democracia, tanto em casa quanto fora, é o Brasil que o mundo cada vez mais precisa enxergar.

Uma das prioridades de nossa política externa, por tratar-se de um pilar da democracia, é a defesa da liberdade de expressão, princípio garantido em todos os instrumentos internacionais de Direitos Humanos e na nossa Constituição.

A liberdade de expressão, em especial na Internet e nas redes, é mais fundamental do que nunca, pois a Covid acelerou a transição para a sociedade digital, com novas tecnologias e novo ambiente que têm grande potencial libertador, mas também podem prestar-se ao controle social.

A sociedade digital pode ser um sonho ou um pesadelo, dependendo de nossa capacidade de preservar e promover a democracia e, de modo muito especial, a liberdade de expressão.

Nossa política externa continuará trabalhando em favor do projeto democrático de transformação nacional escolhido pelos brasileiros. Trabalhará igualmente para que o Brasil cumpra sua vocação de ser parte determinante numa transformação mundial rumo à liberdade.

O AUTOR É O MINISTRO DAS RELAÇÕES EXTERIORES DO BRASIL

Última modificação em Domingo, 02 Agosto 2020 10:03
  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.