Seg10232017

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

03 Ago 2017

A "POLÍTICA RADICAL" DE LULA

Escrito por 

 O fascínio do PT pela experiência venezuelana torna difícil imaginar que Lula esteja disposto a mudar seu discurso populista.

Por O Estado de S.Paulo

Lula da Silva chegou à conclusão de que o Brasil precisa de um programa “radical no sentido político”. Defendeu a ideia na segunda-feira, em São Paulo, durante reunião convocada para “debater” o programa do partido a ser apresentado na campanha presidencial do ano que vem. Não entrou em detalhes sobre o que entende por um programa político “radical”. Há, entretanto, fortes indícios de que está convencido de que só um governo forte, autoritário, será capaz de “salvar” o País. Dias antes, falando em nome do PT – portanto, em nome de Lula – no Foro de São Paulo realizado em Manágua, capital da Nicarágua, a presidente do partido, senadora Gleisi Hoffmann (PR), manifestou apoio e solidariedade “ao governo da Venezuela e ao presidente Nicolás Maduro”, bem como a esperança de que a eleição de uma Constituinte, que se realizaria no domingo passado, “possa contribuir para uma consolidação cada vez maior da revolução bolivariana”.

O regime venezuelano consolida-se como ditadura, após o golpe de Nicolás Maduro com essa Assembleia Constituinte, cujo verdadeiro objetivo é anular o poder da Assembleia Nacional de maioria oposicionista. Com a economia destroçada, uma inflação de cerca de 800% ao ano e a falta crônica de bens essenciais como comida e medicamentos, os venezuelanos emigram em massa, enquanto a repressão violenta às manifestações de protesto deixou mais de uma centena de mortes. Tudo isso define a tragédia do regime chavista. Mas Lula e o PT permanecem firmemente solidários ao governo de Caracas. É o seu espelho e modelo. Não é de estranhar, portanto, que estejam dispostos a mergulhar na campanha eleitoral de 2018 defendendo um programa político “radical”.

Uma análise retrospectiva dos 13 anos do lulopetismo na Presidência da República fornece abundantes demonstrações de desapreço pelos fundamentos da democracia e da liberdade. Lastreado pelos ensinamentos de sua prática sindicalista, que implica uma visão superada e obtusa da “luta de classes”, mas de excelente efeito nos palanques, Lula tentou sempre incutir no coração dos brasileiros o sentimento maniqueísta do “nós” contra “eles”. Um sentimento que sugere confronto e exclusão – na verdade, o ódio – negando a racionalidade dos fundamentos democráticos do diálogo e da conciliação, imprescindíveis num regime de liberdade.

Se radicalizar a política significa persistir no “nós” contra “eles”, Lula estará desconsiderando o resultado de pesquisa realizada pela instituição cuja finalidade é promover estudos e pesquisas destinados a subsidiar os programas políticos do PT, a Fundação Perseu Abramo. Em abril deste ano a fundação divulgou o resultado de pesquisa realizada com um grupo de eleitores pobres da periferia de São Paulo que deixaram de votar no PT depois de 2010. Os entrevistados não se consideram vítimas de exploração pelos patrões num contexto de luta de classes. Entendem que pobres e ricos são vítimas de um inimigo comum: o Estado burocrático que só pensa em cobrar impostos e não presta os serviços pelos quais a população paga.

Segundo a fundação, os antigos eleitores de Lula têm uma visão política conflitante com o discurso do PT. Revela o estudo que os eleitores entrevistados “têm a igualdade de oportunidades como ponto de partida e a defesa do mérito como linha de chegada. Tratam o mercado como instituição mais crível que o Estado”. Diante disso, conclui o estudo que “o campo democrático-popular precisa produzir narrativas contra-hegemônicas mais consistentes e menos maniqueístas sobre noções de indivíduo, família, religião e segurança”.

O lulopetismo caiu pelos próprios erros e Lula deveria saber que, repetindo-os, não voltará ao poder. Mas o fascínio do PT pela experiência venezuelana torna difícil imaginar que Lula esteja disposto a mudar seu discurso populista. A simples tentativa de implantar aqui um regime bolivariano golpeará fortemente a democracia. É aí que reside, para o País, o perigo do programa “radical no sentido político” que o ex-presidente defende.

 

 

 

Última modificação em Segunda, 21 Agosto 2017 14:26

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.