Ter08202019

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

Alberto Oliva

Alberto Oliva

Filósofo, escritor e professor da UFRJ. Mestre em Comunicação e Doutor em Filosofia pela UFRJ. Professor-palestrante da EGN (Escola de Guerra Naval) e da ECEME (Escola de Comando e Estado-maior). Pesquisador 1-A do CNPq. É articulista do Jornal de Tarde desde 1993. Possui sigficativas publicações como "Liberdade e Conhecimento", "Ciência e Sociedade. Do Consenso à Revolução", "A Solidão da Cidadania", "Entre o Dogmatismo Arrogante e o Desespero Cético" e "Ciência e Ideologia".
Sábado, 22 Janeiro 2005 21:00

O Neo-Socialismo e o Catastrofismo Social

As massas se deixam mais facilmente seduzir por retóricas radicais quando estão desesperadas. A maciça doutrinação ideológica cumpre papel apenas secundário.

Sexta, 14 Janeiro 2005 21:00

É Possível Ser Melhor

A todos deve ser assegurado o direito de matricular seus filhos em escolas de qualidade.

É irônico comprovar que na sociedade em que a violência só faz aumentar, em que atrocidades se banalizam, os presidiários impõem códigos de conduta draconianos.

Quinta, 16 Dezembro 2004 21:00

O Passado e o Futuro de Um Engano

Este tipo de simpatia pelo uso da força revela a falta de convicção democrática e o equivoco de supor que sacrificando a liberdade se ganha em eficiência administrativa.

Sábado, 04 Dezembro 2004 21:00

Estado Ineficiente

A condescendência para com o ''confiscalismo'' governamental talvez explique em parte por que as idéias socialistas tanto prosperam por aqui.

Quinta, 02 Dezembro 2004 21:00

PT Está Se Transformando no PTSDB?

A impressão que fica é a de que Lula pode estar chegando à conclusão de que, para se reeleger, precisa superar o dualismo entre a ideologização de alguns ministérios e a eficiência gerencial de outros.

Quinta, 18 Novembro 2004 21:00

Chega de Saudade?

Em termos de ideologia, pouco mudou, mas o nível baixou e não foi pouco.

O insucesso quase nunca é programado. Costuma ser fruto de uma seqüência histórica de erros na vida das pessoas e das sociedades.

Quinta, 09 Setembro 2004 21:00

A Economia Política À Luz do Espiritismo

O triste é constatar que no Brasil se dissimula a fome de totalitarismo com o ideal da perfeita igualdade. Para as ideologias que não conseguem conferir cientificidade às suas teses, a sugestão é que discutam economia com boas pitadas do bom senso do espiritismo.


O Brasil gosta de dar vida nova a modelos de pensamento que no Primeiro Mundo já se encontram em adiantado estado de decomposição. O positivismo comteano, como sistema filosófico fechado, foi praticamente varrido da França e do mundo. No Brasil, pelo menos no Rio de Janeiro e em Porto Alegre, tem até Igreja Positivista. O marxismo depois da queda do Muro de Berlim penetrou ainda mais fundo no universo mental das classes letradas e semiletradas de nossa Terra de Santa Cruz. Poucos patrícios operam com a categoria de caducidade intelectual. O universo mental brasileiro é generoso: aplaude – até pede bis - idéias que ficaram com pouca audiência nas sociedades mais avançadas.

Não cabe submeter as crenças religiosas a um critério de obsolescência rigoroso como o que vale para a ciência e frouxo como o que se aplica à filosofia. Mas não deixa de ser curioso o fato de que na pátria de Alan Kardec é diminuto o número de seus seguidores, enquanto que por aqui é expressivo o numero de adeptos do espiritismo. Mais desconcertante que a entusiástica defesa de idéias com prazo de validade vencido, é o baile de máscaras no qual as pessoas disfarçam a matriz das idéias que professam.

Muitos de nossos religiosos, alguns desfrutando de enorme prestígio, nada mais são que materialistas enrustidos. Escondem a verdadeira identidade filosófica recorrendo à religião para ocultar o casamento que seus discursos promovem entre socialismo e fé. Em nome de Deus pregam o ódio e a luta de classes. Sua visão da história nada tem de religioso. Não distinguem, à maneira do grande Santo Agostinho, a Civitas dei da Civitas hominis, o amor dei do amor sui. Confundem o que é de Deus com o que é de César. Fingem acreditar em Deus apenas para tentar substituí-lo no coração dos sofredores e desvalidos, apresentando-se como demiurgos em condições de refazer o mundo do zero por meio do poder político absoluto. Sempre invocando utopias, terras prometidas, justiças perfeitas que, no fim do processo, geram um mundo ainda pior que aquele que ferozmente criticam.

O que, no fundo, fazem é despudoradamente instrumentalizar a fé em nome da consecução de inconfessáveis projetos totalitários. Criam formas sutis de dar vazão à inveja e ao ressentimento defendendo conceitos de justiça que apregoam ser correto tirar de quem tem o que tem independentemente dos ingentes sacrifícios que tenha tido de fazer para ter o que tem.
Os falsos religiosos não têm coragem de destilar seu materialismo às claras. Manipulam a fé e a desesperança para transformar o desespero em ação política violenta. Recorrem a figuras de estilo, manipulam metáforas como as que se fazem presentes nos Evangelhos, com o fito de apregoar que os sofrimentos materiais, todo o mal do mundo, decorrem apenas de uma desigual distribuição da riqueza. No país em que a Teologia da Libertação não ousa assumir sua verdadeira identidade, a de braço religioso do materialismo histórico de Marx, vale a pena ler O Evangelho segundo o Espiritismo de Alan Kardec visto que lá não há lugar para simplificações e maniqueísmos. Indaga Kardec: “Por que não são igualmente ricos todos os homens?” E responde: “não o são por uma razão muito simples: por não serem igualmente inteligentes, ativos e laboriosos para adquirir, nem sóbrios e previdentes para conservar.

É, aliás, ponto matematicamente demonstrado que a riqueza repartida com igualdade, a cada um daria uma parcela mínima e insuficiente; que, supondo efetuada essa repartição, o equilíbrio em pouco tempo estaria desfeito, pela diversidade dos caracteres e das aptidões; que, supondo-a possível e durável, tendo cada um somente com que viver, o resultado seria o aniquilamento de todos os grandes trabalhos que concorrem para o progresso e o bem-estar da Humanidade; que, admitido desse a ela a cada um o necessário, já não haveria o aguilhão que impele os homens às grandes descobertas e  aos empreendimentos úteis. Se Deus a concentra em certos pontos, é para que daí se expanda em quantidade suficiente, de acordo com as necessidades”.

Com um espírito de antevisão extraordinário, Hume no século XVIII antecipa, em Enquiry Concerning the Principles of Morals, o que acontecerá sob o socialismo real: “tornem-se as posses iguais e as diferenças de habilidade, diligência e indústria ostentadas pelos homens não demorarão a desfazer a igualdade. Faça-se isso e se reduzirá a sociedade a mais extrema forma de indigência; e em vez de as carências e a mendicância de uns poucos serem extintas, acabarão se tornando inevitáveis para toda a comunidade. Será exigida a mais rigorosa inquisição para se surpreender cada desigualdade na sua primeira aparição, e a mais rigorosa legislação para puni-la e revertê-la. Tanta autoridade acabará rapidamente degenerando em tirania...”
Comparando os textos, fica a impressão de que Kardec se inspirou no filósofo escocês.

O triste é constatar que no Brasil se dissimula a fome de totalitarismo com o ideal da perfeita igualdade. Para as ideologias que não conseguem conferir cientificidade às suas teses, a sugestão é que discutam economia com boas pitadas do bom senso do espiritismo. Ler Kardec é mais instrutivo que estudar teorias econômicas esclerosadas e especiosas teorias teológicas. Quem não tiver paciência para percorrer os intrincados meandros da ciência, pode optar por aprender alguma coisa com o espiritismo.

Quinta, 02 Setembro 2004 21:00

A Mitificação da Ideologia Totalitária

Parece que séculos de filosofia e ciência não foram suficientes para diminuir a força dos mitos. As ideologias totais, como é o caso do marxismo, têm lhes proporcionado uma impressionante sobrevida.

Pagina 3 de 5
  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.