Sex04162021

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

05 Set 2005

E Se Legalizarmos a Corrupção?

Escrito por 

Hipócrita, para mim, é o raciocínio segundo o qual a oficialização do delito, ou da esbórnia, transforma o erro em virtude e, obviamente, os virtuosos em tolos.

Não, leitor, não se espante. No Brasil é assim. Quer ver? Cometem-se, dizem, alguns milhões de abortos por ano. Solução para a chacina? Encarregar o governo de executá-la. Falta dinheiro para o futebol,  para o esporte olímpico, para os hospitais. Solução? O governo cria um joguinho e toma dinheiro dos trouxas. Feito isso, transformado o país numa sinecura em que se institucionalizaram as mais criativas maneiras de ganhar dinheiro com a esperança dos miseráveis, por um triz não se legaliza toda a jogatina. Não é fantástico? Reputa-se "hipócrita" tanto a legislação que penaliza o aborto (porque ninguém a faz cumprir) quanto a que discrimina certas modalidades de jogo (porque se aposta em outras). Ora, ora, Diógenes de Oliveira, digo, Delúbio Soares também pensava assim a respeito do Caixa 2. Hipócrita, para mim, é o raciocínio segundo o qual a oficialização do delito, ou da esbórnia, transforma o erro em virtude e, obviamente, os virtuosos em tolos.

O Estatuto da Criança e do Adolescente define como crime "fornecer, vender, ou dar para transportar, ainda que inadvertidamente", bebida alcoólica à menores. Malgrado a lei, a mais desatenta passagem por algum dos "points" da madrugada porto-alegrense, freqüentados por jovens cada vez mais jovens, evidenciará, no teor alcoólico que dimana das calçadas, o descumprimento da legislação. Quem já tentou  acionar as autoridades se deparou com um jogo de empurra entre o Juizado de Menores, as polícias e os Conselhos Tutelares. Quem sabe a solução esteja, também, em atribuir ao governo a venda de bebidas alcoólicas às crianças?

É o que pretendem, em número crescente, os defensores da legalização das drogas e de seu comércio. Adotam como argumento principal "a inutilidade da repressão ao tráfico", que só tem servido para "enriquecer o submundo do crime". Por idênticos motivos sugiro, então, a esses iluminados legisladores de grêmio estudantil, a "regulamentação dos seqüestros". Com ela, o Estado assumiria a custódia dos seqüestrados e os seqüestradores passariam a pagar impostos, obtendo-se inegáveis ganhos tributários e de segurança. E, por oportuno, tendo em vista a tranqüilidade geral da nação, legalizamos a corrupção. Os mercados dormirão em paz e, com os tributos estabelecidos na formalização, em vez de perdermos cem por cento do que nos levam conseguiremos recuperar pelo menos uma boa terça parte.

São tolices que me fazem lembrar Tito Lívio, sobre a Roma de seu tempo: "Chegamos a um ponto em que já não podemos suportar nossos vícios nem os remédios que os poderiam curar".

Última modificação em Domingo, 01 Setembro 2013 13:31
Percival Puggina

O Prof. Percival Puggina formou-se em arquitetura pela UFRGS em 1968 e atuou durante 17 anos como técnico e coordenador de projetos do grupo Montreal Engenharia e da Internacional de Engenharia AS. Em 1985 começou a se dedicar a atividades políticas. Preocupado com questões doutrinárias, criou e preside, desde 1996, a Fundação Tarso Dutra de Estudos Políticos e Administração Pública, órgão do PP/RS. Faz parte do diretório metropolitano do partido, de cuja executiva é 1º Vice-presidente, e é membro do diretório e da executiva estadual do PP e integra o diretório nacional.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.