Qui10222020

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

18 Out 2020

MACROM, O LÍDER DA FRANÇA, A MAIOR PROSTITUTA ENTRE AS NAÇÕES, AGORA TEME O SEPARATISMO ISLÂMICO

Escrito por 

POR: FELIX SOIBELMAN                                                                                                                            

No berço erosivo da França é que os braços frankfurtianos mais se estenderam.

 

Bom para que os franceses aprendam a não prostituir sua democracia.

Agora eles terão uma Palestina francesa. A renúncia perante o multiculturalismo e o relativismo cultural sempre redunda na derrocada dos estatutos republicanos.

Vamos ver se Macron ainda arruma tempo para hipocritamente fingir que está preocupado com a Amazônia.

Como esquecer que mal tinham os americanos tirado Hitler de cima do traseiro dos franceses um forte movimento intelectual antiamericano formava-se, e não foram poucos os atritos de De Gaulle com Roosevelt. Petain entregou um país sem lutar. Nenhum desses pruridos de independência recuperada pelas vidas de soldados americanos poupou os argelinos das piores crueldades por parte dos franceses.

No berço erosivo da França é que os braços frankfurtianos mais se estenderam. Porém, a esquerda francesa, comandada por Sartre, apenas ativou um velho sentimento de desprezo francês pelos americanos que vinha desde tempos da independência americana e seu constitucionalismo. Notadamente impregnados de um sentimento de superioridade, a besta quadrada francesa sempre quis desprezar o liberalismo americano e sempre sentiu-se como a fina flor das ideias libertárias. Com a guerra era fria a prostituta francesa fez suas vezes de ativismo antiamericano.

Conta-se que de certa vez o ingrato De Gaulle perguntara quando todas as tropas americanas sairiam da França e lhe indagaram se era para tirar os soldados enterrados também, o que produziu um silêncio carregado da mais profunda vergonha.

Lá foi a terra do pai dos revisionistas do Holocausto, Faurrison, que ainda teve o prefácio de seu livro feito pelo judeu traidor e canalha Chomsky, terra do maoísta Foucault, dos Athussers e de todo lixo progressita como Sartre e Simone Beauvoir (ambos que viveram perfeitamente sob a ocupação alemã) , que foram render homenagem ao sociopata assassino Guevara e fazer, junto com uma miríade de outros intelectuais, romaria para o exilado Khomeini, que viria a ser o pai do radicalismo islâmico mundial como projeto possível.

Essa grande prostituta entre as nações, que subverteu as liberdades para o cavalo de Troia islâmico, agora se vê às voltas com a formação de um Estado islâmico dentro de si. É o preço dos idiotas que pensam que democracia é algo irrestrito e repetem como ignorantes que ela não pode ter restrições, como as têm nossas cláusulas pétreas, e tudo aquilo que foi preestabelecido no contrato social que antecede o texto constitucional.

O maior número de judeus têm deixado a França e o canalha Macrom, que ainda chegou a determinar a formação de um conselho para vigiar o dinheiro dos judeus que fariam a migração para Israel.

Na guerra do Golfo, bem como relativamente ao acordo com o regime criminoso dos ayatolás feito por aquela outra besta quadrada, Barack Obama, a primeira coisa que a França fez foi tentar salvar seus interesses comerciais, do mesmo modo que seu presidente hipócrita inventou preocupação com a Amazônia para frustrar o acordo Mercosul/Europa porque ameaçaria sua agricultura subsidiada.

Agora eles que durmam com o monstro que como idiotas da democracia irrestrita criaram, permitindo que o islamismo usasse a própria democracia para criar guetos onde um judeu nem pode caminhar. É o preço do multiculturalismo e do relativismo cultural com que alienaram a sua democracia à destruição do Ocidente.

 

FONTE: COM A BOCA NO TROMBONE - FACEBOOK

Última modificação em Domingo, 18 Outubro 2020 09:25
  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.