Dom12082019

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

08 Mai 2004

Que Dizem Agora

Escrito por 

Como ficam as coisas, agora, quando o moderno cavaleiro da esperança faz o que faz das promessas que fez?

É, eu gostaria de falar pessoalmente com cada um deles. Que dizem agora, perante o estadista que o Brasil revela ao mundo? Ele trouxe ao Palácio da Alvorada, da dura vida de sindicalista, aquela moderação de costumes que o santo de Assis foi buscar entre os pássaros; ele aprendeu nas ruas o que Rui Barbosa precisou escrutinar nos corredores das bibliotecas; ele enrijeceu o pulso de comando nos tornos da Villares. E hoje está aí, exercendo o poder com segurança, surpreendendo os incrédulos, proporcionando esse espetáculo de crescimento com justiça social, gerando milhões de empregos e conduzindo sua pátria à posição de conselheira das nações, império da palavra empenhada, primeiro tigre a rugir ao sul do Equador.

Que dizem agora seus opositores? Eles, durante todo o ano de 2002, com a campanha eleitoral em marcha, gastaram litros de saliva e toneladas de papel e tinta para insinuar seu medo contra a esperança de tantos.

Descriam da capacidade de Lula para conduzir o Brasil num cenário interno e externo complicado. No avesso da maioria e do sentimento do mundo culto no além mar, eles perdiam o sono, preocupavam-se. Não reconheciam a esplêndida coerência do maior partido político nacional nem o valor do candidato que o partido forjara nas responsáveis lides da oposição. Desconsideravam sua imensa retaguarda intelectual que há muito vinha apontando soluções para os problemas brasileiros. Lula compreendera o Brasil em intermináveis caravanas pelo país. Conhecera bem os problemas do mundo em proveitosas e estafantes viagens ao exterior. Trabalhara como um condenado, almoçando e jantando do pão que o diabo ia amassando. Que dizem agora? Quem ainda tem medo, neste país onde todos os meses são verdes como a esperança?

Turbinado por invencível vontade política, tendo-se erguido - ele e os seus - a uma estatura moral tão elevada que podiam alcançar a utopia com as mãos, haveria de congregar ao seu redor, com um simples estalar de dedos, os melhores cérebros do mundo acadêmico nacional. E lhe bastaria apontar com o indicador a porta da rua para que os picaretas, os parasitas do Erário, fossem expiar suas culpas longe do poder, nos despenhadeiros do desprezo popular.

Curaria os enfermos do SUS, reduziria a zero a fome dos famintos, zelaria pelos idosos, apascentaria o rebanho do MST, juntaria os bons, dispersaria os maus. Os descrentes, em sua malícia, não o levavam a sério nem mesmo quando ele, com a sinceridade de quem punha em cada palavra uma fatia do próprio coração e um palmo e meio daquela alma sem jaça, garantia que qualquer outro poderia deixar de cumprir um a um os compromissos que assumia, mas ele não tinha esse direito. Como ficam as coisas, agora, quando o moderno cavaleiro da esperança faz o que faz das promessas que fez?

Última modificação em Quarta, 30 Outubro 2013 20:30
Percival Puggina

O Prof. Percival Puggina formou-se em arquitetura pela UFRGS em 1968 e atuou durante 17 anos como técnico e coordenador de projetos do grupo Montreal Engenharia e da Internacional de Engenharia AS. Em 1985 começou a se dedicar a atividades políticas. Preocupado com questões doutrinárias, criou e preside, desde 1996, a Fundação Tarso Dutra de Estudos Políticos e Administração Pública, órgão do PP/RS. Faz parte do diretório metropolitano do partido, de cuja executiva é 1º Vice-presidente, e é membro do diretório e da executiva estadual do PP e integra o diretório nacional.

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.