Dom10252020

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

10 Fev 2020

GOVERNOS PARALELOS, TRAIDORES, ATEUS, DEVORADORES DO ILÍCITO

Escrito por 

Um Estado forte deve assentar-se sobre bases indestrutíveis, com instituições íntegras sem o vergonhoso comércio das aprovações de projetos

POR: AILEDA DE MATTOS OLIVEIRA
 
Um Estado forte deve assentar-se sobre bases indestrutíveis, com instituições íntegras sem o vergonhoso comércio das aprovações de projetos. Pelo menos, é assim que deveria ser. É assim que deveria ter sido, caso os parlamentares e magistrados brasileiros não mantivessem a cara e a postura de políticos e donos das leis, típicos dos “coronéis” do velho interior, medíocres e de parca educação e cultura. Por isso mesmo, no Brasil, os alicerces são frágeis, amalgamados que foram aos interesses pessoais que se sobrepõem aos interesses da coletividade e da própria Nação.
A voz do Presidente Bolsonaro deveria ecoar no STF e no Congresso como um chamado ao soerguimento do País, destroçado pela quadrilha que usou de maléfica influência para enriquecer a si própria, os amigos, os amigos dos amigos, anos seguidos.
Ao contrário, assistimos a governos paralelos nas duas Casas, unidas para objetivos torpes: manterem o estatuto do roubo da antiga organização criminosa, cujos membros, muitos deles, permanecem nas duas deprimentes instituições, centros de traições da Nação. O chileno Rodrigo Maia, a grande ratazana da Câmara, fez aliança com Alcolumbre e com o que há de mais perverso dos governos anteriores, para ser o idiota útil, manobrado pelas forças opositoras, a fim de boicotar todos os atos de Bolsonaro, em favor do Brasil, o que, absolutamente, não deseja a esquerda maligna. Ciro Gomes fez o serviço de confirmar o que já sabíamos. Não é o chileno o verdadeiro protagonista no cenário da alta corrupção de boicote ao governo Bolsonaro, como ele próprio pensa, mas mero fantoche nas mãos dos mais espertos coiotes da máfia.
Além disso, fazem da Constituição livreco ordinário, cujas leis, interpretadas de formas lenientes, de acordo com os parceiros da malandragem e de forma pomposa contra os adversários, são letras mortas como mortos, moralmente, já estão os membros dessas instituições. É ultrajante ver o governo, cuja gestão está voltada, unicamente, em promover o desenvolvimento do País, coisa nunca vista nessas últimas décadas, ter que vestir a “camisa de força” imposta por um estupor, o insignificante Rodrigo Corrupto ou ficar submetido à suprema incompetência de Toffoli e a seus irresponsáveis atos jurídicos de mera confrontação.
Presidente eleito pela parcela brasileira, de nascimento e de coração, e que sustenta, esses párias, regiamente, por efeito das leis por eles mesmos elaboradas, votadas e aprovadas. São os eleitores que integram essa parte consciente da população que desejam ver a malta do STF sair pela “Porta dos Fundos” do ostracismo, direto para as acomodações penitenciárias. Lamentável é que a Justiça é uma confraria comprometida com ela mesma.
O Brasil é um país onde as instituições estabelecidas para defendê-lo, são, justamente, aquelas em que há maior número de traidores da Pátria, de ateus, de insaciáveis colecionadores de dinheiro ilícito. Apesar dessa terrível constatação, parece que tal realidade não é levada a sério pela população que murchou nas suas participações em prol do País. Onde está a voz da parte boa da sociedade que incomodava os safardanas desses dois centros de desmoralização da República?
São governos paralelos que se estabeleceram nas Casas onde deveriam trabalhar a favor da Nação e não sabotá-la, transformando-a numa reles terra onde imperam as leis da impunidade.
Tramam, abertamente, numa provocação descabida, para que o país permaneça na miséria imposta pelos governantes anteriores que lhes compravam suas adesões. Sem as negociatas de praxe, agem como potentados, soberba e acintosamente, ditando ao governo eleito, anticorrupto, suas normas de engavetamento de projetos, já que não encontram outra saída para pressioná-lo e continuarem a se locupletar.
Isso o que ocorre nessas duas Casas, centros de comércio ilegal, é democracia? Por isso mesmo, não gosto dessa palavra, hoje, impregnada de hipocrisia pelo uso abusivo de que fazem dela, os mais comprometidos roedores parlamentares e os indignos magistrados.
São “Estados dentro do Estado”, parafraseando Sebastião de Carvalho e Melo, o implacável Marquês de Pombal, frase dita, no singular, com toda a força de seu poder como ministro de D. José I, para justificar a expulsão da Companhia de Jesus, de Portugal e do Brasil Colônia, onde, neste último, se transformara numa praga que o infestava, há mais de dois séculos. Tinha olhos de ver o grande Pombal!
STF e Congresso, dois estados querendo impor ao Estado Nacional, a ditadura da cupidez. Duas pústulas que supuram matéria purulenta e que precisam ser retirada com os instrumentos cirúrgicos adequados, mas com tal precisão, que sejam extirpados os elementos infectocontagiosos dessas duas entidades por total incompetência jurídica e por total incompetência política, respectivamente.
Vamos dar asas à imaginação: imaginemos o Presidente Bolsonaro com um Marquês de Pombal ao seu lado. Não ficaria pedra sobre pedra. Toffoli, o “Amigo do Amigo”, Mendes, o “Beiçola de Ouro”, Lewandowski, o “afilhado” da Marisa, e as “energúmenas” magistradas, receberiam um grande e solene chute que os poriam por sobre a arquibancada. Que visão extraordinária! Lá, já os estaria esperando a maior torcida, a mais organizada, para lhes fazer os carinhos merecidos.
Voltando à realidade, é imprescindível que a parcela boa e patriota da Nação se mantenha unida, a fim de impedir a sabotagem acintosa às ações desenvolvimentistas do Presidente por esses sujeitos vis que dominam Congresso e Supremo. É necessário que a população sadia, politicamente, se mantenha atenta para se opor aos doentiamente ambiciosos presidentes da Câmara e do Senado, que só visam ao poder e ao enriquecimento ilícito.
Estas duas decadentes e corruptas instituições, STF e Congresso, são sim, Estados dentro do Estado, portanto, devem ser alvo de nossas redobradas atenções. Acabemos com as arrogâncias desses inúteis; impeçamos quaisquer possibilidades de vencerem eleições; joguemos essas ratazanas no limbo político e esperemos que a Polícia Federal faça o resto.
Sobre o STF, composto de magistrados decadentes, desmoralizados, alvos das charges mais deprimentes, objetos de montagens as mais vergonhosas divulgadas nas redes sociais, são, psicologicamente, molambos humanos, e tudo indica que estão com os seus destinos selados. É só aguardarem!

Dr.ª em Língua Portuguesa. Acadêmica Fundadora da ABD. Membro do CEBRES e Acadêmica da AHIMTB.
 

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.