Imprimir esta página
09 Set 2019

A ERA DA CIBERPIRATARIA

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

 

 

 

Entretanto, tudo que é humano pode ser usado para o bem ou para o mal. Assim sendo, a intensificação da tecnologia pode ser empregada também para reduzir ou acabar com nossa liberdade e produzir um apavorante totalitarismo no qual o livre arbítrio chegará a zero. Algo a lembrar a obra “1984” de George Orwell.

 

A tecnologia vem avançando rapidamente e nos proporciona uma impressionante gama de comodidades. Não dá para retroceder deste processo e os países evoluídos em tecnologia vão se tornando detentores de poder econômico, político e social nunca visto, desde que a criatura conseguiu ficar de pé, perdeu o rabo, usou as mãos e teve o cérebro aumentado com relação aos outros animais.

Cito como exemplo a China com sua espantosa aceleração tecnológica, perto da qual estamos na fase do arco e flecha. Como decorrência desse fenômeno a expansão tecnológica passa a marcar a diferença entre países ricos e pobres ou como se dizia antigamente, entre os desenvolvidos e subdesenvolvidos. E não serão riquezas naturais, força bélica, dimensão territorial que passarão a determinar o poderio de um país, mas o progresso de sua tecnologia no espaço real interligado ao ciberespaço.

Nesse admirável mundo novo tudo já está sendo modificado em termos de trabalho, profissão, meios de transporte, de comunicação, de duração da vida e muito mais. Inclusive, a Educação de que tanto se fala no Brasil deveria começar a dar às crianças e aos jovens não apenas bons conhecimentos das matérias básicas, mas também instruir as novas gerações nos domínios da Internet, nos programas avançados da computação, na robótica.

Entretanto, tudo que é humano pode ser usado para o bem ou para o mal. Assim sendo, a intensificação da tecnologia pode ser empregada também para reduzir ou acabar com nossa liberdade e produzir um apavorante totalitarismo no qual o livre arbítrio chegará a zero. Algo a lembrar a obra “1984” de George Orwell.

A sociedade vigiada já está em curso e outro exemplo disso são hackers que chamo de ciberpiratas. Lembremos que no passado piratas eram bandidos que cruzavam os mares com o fito de assaltar e roubar o que havia em outras embarcações. Agora os ciberpiratas são bandidos que roubam dinheiro de contas bancárias, intimidades, documentos secretos o que coloca em risco a segurança de países e tudo mais que desejem tais gatunos, incluindo a honra e a dignidade alheias. Eles são peritos em chantagem, extorsão, distorção, deturpação e ninguém está imune a seus roubos. Portanto, são facínoras de pior espécie, criaturas da Darkweb e não existe hacker bonzinho, pois navegam nas águas da ilegalidade e da imoralidade.

No momento estamos presenciando o sórdido ataque do jornalista Glenn Greewald, que se abriga no site The IntercePT Brasil. Ele vem mostrando aos poucos pequenos trechos de supostas conversas particulares entre o então juiz Sérgio Moro e o procurador Deltan Dallagnol. Executa sua ação ignóbil a conta-gotas para manter o escândalo e vai destilando veneno contra o agora ministro da Justiça e da Segurança Púbica, homem raro da lei que levou à cabo a maior ação de nossa história contra corrupção.

Glenn alega que obteve tais conversas de dois anos atrás por intermédio de um hacker. Portanto, de modo ilegal. Seria o próprio jornalista o hacker ou ciberpirata? Não dá para acreditar em nada que ele invente e o jornalista devia no mínimo já estar preso e posteriormente ser deportado para seu país, os Estados Unidos, onde sabem perfeitamente como lidar com bandidos dessa espécie. Numa inversão de valores o ministro Moro foi ao Senado onde por quase 10 horas teve que responder a ataques de certos senadores em cujas costas pensam vários processos.

A pergunta que não quer calar é: a quem interessa a ação do hacker ou jornalista Glenn? A quem Glenn Greewald serve? Fácil resposta: a desmoralização de Moro é ao mesmo tempo um ataque à Lava Jato e consequentemente leva à soltura do presidiário Lula a Silva e de mais centenas de condenados da Lava Jato.

Dia 25, a Segunda Turma do Supremo se reuniu depois de muitos volteios sobre a conveniência ou não da data de tal reunião. Ao final de muito palavrório sobre soltar ou não o presidiário através de habeas corpus, com base na suspeição do então Juiz Moro no caso tríplex, o quinteto resolveu adiar seu pronunciamento sobre a matéria para depois do recesso de julho. Sinal de que não sabem o que fazer.

Dia 30, enquanto iam surgindo evidências das adulterações das tais conversas pinçadas pelo hacker e erros cometidos pela equipe jornalística do IntercePT relativos a nomes, lugares e datas, impressionantes multidões foram às ruas de todo país em defesa do ministro Sérgio Moro e da Lava Jato.

Aguardemos se depois do recesso os guardiães da Constituição, ou seja, os ministros do Supremo irão a favor ou contra a Lava Jato, a corrupção, a bandidagem e a violação do artigo 154 do Código penal brasileiro. O resultado mostrará se somos minimamente civilizados ou se continuamos a viver na barbárie onde leis inexistem e os íntegros e cumpridores de seus deveres são punidos.

 

 

 

Fonte: UCHO.INFO

 

 

 

Maria Lúcia V. Barbosa

Graduada em Sociologia e Política e Administração Pública pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e especialista em Ciência Política pela UnB. É professora da Universidade Estadual de Londrina/PR. Articulista de vários jornais e sites brasileiros. É membro da Academia de Ciências, Artes e Letras de Londrina e premiada na área acadêmica com trabalhos como "Breve Ensaio sobre o Poder" e "A Favor de Nicolau Maquiavel Florentino".
E-mail: mlucia@sercomtel.com.br

Mais recentes de Maria Lúcia V. Barbosa