Sex03222019

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

13 Fev 2019

MENTIRAS AMBIENTAIS DE SANTA CATARINA

Escrito por 

Faz algum tempo fiz algo raro para os dias atuais: comprei uma revista na banca. Encadernação luxuosa, a Revista de História Catarina em edição sobre “História Ambiental de SC” me deixou curioso, pois é um tema raramente tratado por historiadores, embora exista uma tradição disto, especialmente no exterior.

 

Faz algum tempo fiz algo raro para os dias atuais: comprei uma revista na banca. Encadernação luxuosa, a Revista de História Catarina em edição sobre “História Ambiental de SC” me deixou curioso, pois é um tema raramente tratado por historiadores, embora exista uma tradição disto, especialmente no exterior.

Como adquiro livros e os deixo em stand by para ler, até anos depois, com esta revista não foi diferente. Havia lido uma matéria sobre o desaparecimento das lagoas catarinenses, processo ligado ao assoreamento em que a urbanização e retilinização dos canais eram apontados como causadores. Mas… Quando fui ler a matéria principal, sobre as secas de 2003-2004, 2007-2008 e 2011-2012 relacionando-as com o fenômeno climático La Niña, que corresponde ao resfriamento das águas do Oceano Pacífico (ao contrário do El Niño) achei que estava lendo um artigo, realmente, científico focado no assunto. Enganei-me…

Nas suas seis páginas lá estavam as descrições generalistas dos danos causados pelas secas e suas causas. Dentre elas, o desmatamento. Até aí, ok, desmatamento leva ao empobrecimento do solo e dependendo da atividade que substitui a cobertura vegetal há um uso mais intenso da água. O desmatamento também pode diminuir a umidade local, que influencia no clima regional produzindo menos chuvas, mas a área reflorestada não é causa disto, até onde sabemos. E o reflorestamento para fins comerciais é necessário para que não se desmate a vegetação superior (florestas) remanescente.

Na metade do artigo, lá pela 4ª página começa a ladainha que aponta as causas das secas “pela introdução contínua de métodos capitalistas de produção”; “não há lastro para expansão de fronteiras agrícolas”; “este panorama produtivo, orientado para uma pecuária artificial sustentada por uma oligocultura para ela dirigida, é altamente insustentável ambientalmente”; “políticas públicas carentes de um planejamento adequado, costumeiramente direcionadas a facilitar a autorreprodução do capital”; “as calamidades resultavam da contraditória relação homem/natureza”; e como se não bastasse essa enxurrada de bordões de esquerda marxista, o autor conclui:

“Os registros de estiagens no Oeste, assim como o registro de outros desastres ambientais, têm crescido em decorrência da ação antrópica, com o aumento da população e a introdução de técnicas e utilizações dos solos, voltadas para a produção capitalista.”

Esta é a súmula e no parágrafo seguinte, como se fosse uma decorrência natural do capitalismo, o autor adiciona:

“Dentre as mudanças na paisagem que contribuem para o recrudescimento das estiagens, há que se destacar a aglomeração de edificações, a impermeabilização do solo e a poluição atmosférica, nos ambientes urbanos; a compactação do solo, o assoreamento dos rios, o desmatamento, e as queimadas, nas áreas rurais.”

Edificações decorrem do aumento populacional, não necessariamente do capitalismo. Ainda assim, pode se ter edifícios com mais áreas verdes intercaladas, o que não deixa de valorizar os imóveis diga-se de passagem, como apreciam os capitalistas (

Anselmo Heidrich

Professor de Geografia no Ensino Médio e Pré-Vestibular em S. Paulo. Formado pela UFRGS em 1987.

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.