Seg12102018

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

17 Nov 2018

COM HERÓIS SE CONSTRÓI UMA NAÇÃO

Escrito por 

 

 

 

Onde está o Stan Lee? Sempre que eu e meus filhos assistíamos um e outro filme da Marvel essa era a pergunta de ouro. Onde estaria o velhinho? De certa forma competíamos para ver quem iria ser o primeiro a identifica-lo na película. Pois é, mas essa fase acabou. Acabou acabado, como dizem os infantes.

 

Onde está o Stan Lee? Sempre que eu e meus filhos assistíamos um e outro filme da Marvel essa era a pergunta de ouro. Onde estaria o velhinho? De certa forma competíamos para ver quem iria ser o primeiro a identifica-lo na película. Pois é, mas essa fase acabou. Acabou acabado, como dizem os infantes.

Sim, terminou, mas um baita legado ficou. Não sou um especialista em cultura pop, mas sou um entre muitos que muito deve aos heróis da Marvel – e bem como aos da DC – pelo que aprendi com eles, com seus dramas humanos e, principalmente, com os valores que essas personagens representam no imaginário moderno.

Aliás, figuras como ele, Stan Lee, foram e são muito mais significativas para a educação do que figurões como Paulo Freire, Piaget e tutti quanti.

Não digo isso por maldade ou por alguma espécie de ranço. Não é nada disso. O “x” da questão é que as aventuras dos heróis criados por Stan Lee nos ensinam valores perenes que literalmente deixaram de ser ensinados pelas instituições de ensino e, pasmem, pelas famílias. Existem exceções. Sim, mas são isso. Exceções.

Podemos dizer, sem pestanejar, que as aventuras dos super-heróis da Marvel são uma verdadeira trincheira de resistência da “democracia dos mortos” descrita e defendida por G. K. Chesterton.

Valores perenes como auto sacrifício, senso de dever, amor ao próximo, destemor diante da morte, temperança, autodomínio, perseverança, altivez, magnanimidade, perdão, honra, justiça, liberdade, enfim, se formos listar e comentar cada um dos valores que nos foram e nos são ensinados pelas aventuras da Marvel poderíamos com tranquilidade e folga escrevinhar um baita livro, mas, como vocês sabem, não é esse o nosso intento como essa breve missiva.

O que queremos é simplesmente lembrar que as histórias em quadrinhos, junto com a grande literatura, com o cinema e tutti quanti, apresentam, para aos seus apreciadores, possibilidades de realização humana que passam a ser desejadas por nós, amadas por muitos, alimentando a nossa imaginação, modulando e inspirando as nossas ações, sejam elas grandes ou pequeninas.

Ora, qualquer um que tenha lido, assistido aos desenhos animados ou aos filmes do Homem-Aranha jamais se esquecerá do conselho dado pelo tio Ben Parker ao Peter: “com grandes poderes vem grandes responsabilidades”. Esse, na verdade, é um apotegma de Thomas Jefferson.  Independente disso, todo o drama vivido pelo Parker versa sobre isso, sobre o tal do senso de dever, do compromisso com a comunidade e com a família.

Parêntese. Sim, os engraçadinhos irão dizer que não há possibilidade de tornarmo-nos como ele, um herói lançador de teias e blábláblá. Se o caboclo ao ler uma história em quadrinhos e apenas pensar nisso é porque, de fato, é um tapado. Só isso. Fecha parêntese.

Ora, as aventuras do Homem-Aranha e de qualquer super-herói não tem nada que ver com os poderes em si, mas sim, com os dramas humanos vividos por eles que, ao seu modo, são análogos a muitos dramas que cada um de nós viveu, vive e, quem sabe, um dia pode acabar vivendo.

Dramas humanos similares a muitos que nós vivemos, porém, com respostas distintas daquelas que frequentemente encontramos; aliás, as respostas apresentadas por eles é muitíssimo mais aquilatada que aquelas que nós geralmente damos aos nossos problemas e, por isso mesmo, nos educam, nos mostram o quão mesquinhos somos e como podemos, e devemos, nos tornarmos melhor.

Respostas essas que passam a habitar o nosso imaginário como uma nova possibilidade humana. Possibilidade essa muito maior, mais digna e boa que a mesquinhes, que a mediocridade que polui a sociedade e que se faz presente no coração de cada um de nós.

Um exemplo digno de menção sobre isso que estou procurando chamar a atenção é a história dum incêndio que o correu na periferia de Joinville a mais ou menos uns dez anos atrás. Nele, todos os casebres estavam sendo consumidos pelas chamas e, num deles, havia ficado preso uma criancinha que, devido a intensidade do fogo e a fragilidade dos barracos, acabou impossibilitando que os bombeiros ou qualquer pessoa ousa-se resgatar o infante que, naquela altura, estava condenado a uma morte cruel.

Lá pelas tantas, eis que aparece um garotinho de nove anos de idade que intrepidamente adentra o barraco pela janela e resgata a criancinha. O garotinho em questão estava vestido com uma camiseta do Homem-Aranha e usando uma máscara do mesmo.

A mãe, sem saber o que dizer e o que fazer, ofereceu ao garotinho uma recompensa pelo feito. Cinquentão. O pequeno, sem pestanejar, disse: “O Homem-Aranha não faz isso por dinheiro”. Ponto.

Vejam só como são as coisas. Esse pequeno fez algo que nenhum adulto imaginava possível, ou desejável, mas ele o fez. E o fez porque aprendeu com o Stan Lee que aquilo não apenas era possível e desejável. Mais do que isso! Fazer aquilo era algo que deviria ser feito.

Ele não queria dinheiro, nem fama, nem likes, nem seguidores, nem mudar o mundo. Ele apenas sabia que devia fazer o que era certo, como o seu amigo de todas as horas, o Homem-Aranha, sempre procurava fazer.

É. Quantas pessoas tiveram suas vidas salvas por pessoas inspiradas pelas personagens de Stan Lee? Quantas pessoas fizeram a diferença na vida de outras pessoas devido ao que aprenderam com esse velhinho? É difícil estimar, mas instigante pensar no assunto. Ah! Se é.

O próprio Stan Lee foi inspirado por outros para se tornar quem ele se tornou.

Segundo ele, o seu herói preferido era o Batman. Isso mesmo. Ele gostava tanto dele que sempre dizia que gostaria de tê-lo criado. Pois é, talvez por isso ele tenha criado tantos heróis. Mas a sua maior fonte de inspiração era Nosso Senhor Jesus Cristo e, bem provavelmente, ele deve estar agora com Ele na Pátria Celeste junto ao trono dos justos.

Enfim, descanse em paz Stan Lee e, se um dia for permitido a esse indigno escrevinhador, gostaria de estar aí contigo, com muitos e com Ele, Nosso Senhor, ouvindo seus causos e tomando muitas xícaras de café.

 

 

 

Dartagnan Zanela

Professor e ensaísta. Autor dos livros Sofia Perennis, O Ponto Arquimédico, A Boa Luta, In Foro Conscientiae e Nas Mãos de Cronos – ensaios sociológicos.

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.