Qui10182018

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

11 Out 2018

ELEITOR EM FÚRIA

Escrito por 

O resultado eleitoral deste domingo deixou um recado muito claro para os políticos: o eleitor cansou. Isto tem íntima relação com o momento que estamos vivendo, de reorganização do tecido político com o fim da Nova República. As velhas práticas e estratégias não funcionam mais, assim como os nomes tradicionais e antigas alianças.

 

O resultado eleitoral deste domingo deixou um recado muito claro para os políticos: o eleitor cansou. Isto tem íntima relação com o momento que estamos vivendo, de reorganização do tecido político com o fim da Nova República. As velhas práticas e estratégias não funcionam mais, assim como os nomes tradicionais e antigas alianças.

O recado começou a ser dado nas manifestações de 2013 e foi crescendo na medida que os políticos testavam a paciência do eleitor. Veio o impeachment e logo depois as eleições municipais e um grande recado. A população queria administradores novos aos invés de políticos tarimbados. Dois fenômenos explicaram isso: a ascensão de João Doria em São Paulo e especialmente a escolha de Alexandre Kalil para governar Belo Horizonte.

Aqueles que não entenderam o recado das ruas, sucumbiram na noite deste domingo. A renovação profunda do Senado deixa evidente a vontade de mudança do eleitor. Nomes da política tradicional foram abatidos por novatos e outros que não possuem sequer tradição neste meio. Houve uma mudança profunda nos protagonistas e os reflexos serão sentidos em breve.

A votação expressiva obtida por Bolsonaro está intimamente ligada ao movimento do eleitor. Existe um movimento sólido e organizado de direita no Brasil, um grupo que busca voz e participação. O deputado apenas serviu de porta-voz da soma de insatisfações de uma parcela significativa da sociedade, somada ao sentimento geral de indignação com a classe política.

A velha política se apresentou para o jogo e o resultado foi pífio. Geraldo Alckmin teve o desempenho mais fraco de um tucano concorrendo ao Planalto. A aglutinação de forças do establishment em torno de sua candidatura mostrou uma tentativa de reação da classe política, que acabou sucumbindo diante da vontade de renovação do eleitor.

Se o antipetismo tivesse se concentrado em Bolsonaro, provavelmente a fatura seria liquidada no primeiro turno. A divisão de forças jogou o embate para o final de outubro. A tendência é que seja muito disputada e aberta, apesar do petismo ter sido fortemente abatido no primeiro turno nas eleições proporcionais e para os estados.

A fúria do eleitor teve este resultado expresso nas urnas. Em três semanas saberemos se será ampliada do Congresso para o Planalto. A conferir.

 

Fonte: “O Tempo”, 08/10/2018

Márcio Coimbra

Márcio Chalegre Coimbra, é advogado, sócio da Governale - Políticas Públicas e Relações Institucionais (www.governale.com.br). Habilitado em Direito Mercantil pela Unisinos. Professor de Direito Constitucional e Internacional do UniCEUB – Centro Universitário de Brasília. PIL pela Harvard Law School. MBA em Direito Econômico pela Fundação Getúlio Vargas. Especialista em Direito Internacional pela UFRGS. Vice-Presidente do Conil-Conselho Nacional dos Institutos Liberais pelo Distrito Federal. Sócio do IEE - Instituto de Estudos Empresariais. É editor do site Parlata (www.parlata.com.br) articulista semanal do site www.diegocasagrande.com.br e www.direito.com.br. Tem artigos e entrevistas publicadas em diversos sites nacionais e estrangeiros (www.urgente24.tv e www.hacer.org) e jornais brasileiros como Jornal do Brasil, Gazeta Mercantil, Zero Hora, Jornal de Brasília, Correio Braziliense, O Estado do Maranhão, Diário Catarinense, Gazeta do Paraná, O Tempo (MG), Hoje em Dia, Jornal do Tocantins, Correio da Paraíba e A Gazeta do Acre. É autor do livro “A Recuperação da Empresa: Regimes Jurídicos brasileiro e norte-americano”, Ed. Síntese - IOB Thomson (www.sintese.com).

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.