Dom12082019

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

25 Jul 2018

COMO A RIQUEZA É CRIADA - E POR QUE GANHAR BILHÕES NO LIVRE MERCADO NÃO EMPOBRECE NINGUÉM

Escrito por 

 

 

 

A falácia da “riqueza fixa” nunca deixa de nos atormentar.

 

Por WALTER WILLIAMS

Em seu excelente livro Income and Wealth (Renda e Riqueza), de 2006, o autor Alan Reynolds escreve o seguinte:

Os dois jovens fundadores da Google, Larry Page e Sergey Brin, rapidamente ganharam algo em torno de US$ 12 bilhões cada um. Como conseguiram essa façanha? Criando um mecanismo de busca que facilita nossa informação, aumenta nossa educação e cultura, e melhora nossa eficiência em termos de compras.

Por que alguém deveria se importar com quanto dinheiro ganham os fundadores da Google, da Apple ou da Microsoft? Há aqueles que reclamam e que dizem que tais pessoas se apossaram de uma "fatia maior que a necessária" da renda. Consequentemente, ao se apropriarem de um "pedaço maior da renda disponível", todos nós ficamos mais pobres. Faz sentido?

Para começar, como é possível dizer que a renda de tais pessoas faz parte de uma fatia fixa, que pertence a todos nós?

Mais: a Google é uma criação totalmente nova. Sem a Google, seria impossível esses dois criadores auferirem uma receita com a Google. Os fundadores da Google têm a renda deles e você tem a sua. O quanto eles ganham não afeta o tanto que você pode ganhar — exceto pelo fato de que a invenção deles pode sim ajudar você a aumentar a sua renda (pessoalmente, sinto que devo a estes dois uma grande soma de dinheiro).

De fato.

As pessoas estão cada vez mais obcecadas com as diferenças nas rendas monetárias. Pior ainda é o salto lógico que elas fazem: ao verem que há grandes diferenças entre as rendas monetárias de cada indivíduo, elas imediatamente concluem que há algo de errado e que isso requer uma "correção", sendo que essa correção sempre envolve conceder a um pequeno número de políticos e funcionários públicos uma fatia enormemente desigual de poderes coercitivos sobre todo o resto da humanidade.

Tais pessoas tipicamente operam sob a suposição de que a quantidade total de riqueza material no mundo é fixa e já está dada, devendo apenas ser redistribuída "de maneira mais justa". Tal raciocínio demonstra um claro desconhecimento de como ocorre todo o processo de criação de riqueza, de crescimento econômico e, consequente, do aumento do bem-estar de todos.

Antes, um pouco de dados

Segundo as estatísticas compiladas pelo economista britânico Angus Maddison, passamos de uma renda per capita mundial de 1.130 dólares por ano em 1820 para uma de 15.600 em 2015. E isso ao mesmo tempo em que a população global aumentou de 1 bilhão de pessoas para 7 bilhões. (Veja o estudo. Confira também este vídeo).

Igualmente, em 1820, aproximadamente 95% da população mundial vivia na pobreza, com uma estimativa de que 85% vivia na pobreza "abjeta". Em 2015, menos de 10% da humanidade continua a viver em tais circunstâncias.

Ou seja, não só o número de habitantes no mundo aumentou 7 vezes, como ainda cada habitante aumentou sua renda em 11 vezes. Isto é uma façanha extraordinária.

Isso, por si só, já basta para mostrar a falácia da "quantidade de riqueza fixa". Se toda a riqueza do mundo já estivesse dada, devendo apenas ser redistribuída, seria impossível que a renda per capita e a população mundial aumentassem simultaneamente. O que ocorreria é que algumas pessoas aumentariam suas rendas à custa de todas as outras, e a renda per capita permaneceria constante — aliás, cairia, por causa do aumento do número de indivíduos.

Que tenhamos conseguido multiplicar por 11 a renda per capita do conjunto de habitantes do planeta (e por 20 em alguns países ocidentais, como os EUA) ilustra claramente que a economia não é um jogo de soma zero. E, principalmente, que desigualdade não é o mesmo que pobreza.

Agora, um pouco de teoria e história.

A desigualdade de renda, por si só, não permite nenhuma constatação

Suponha que Paulo, Pedro e João se reúnam semanalmente para jogar pôquer. E, em 75% das vezes, Paulo vence. Pedro e João vencem, respectivamente, 15% e 10% das vezes.

Simplesmente conhecer estes resultados dos jogos não nos permite dizer absolutamente nada sobre se houve ou não justiça e sensatez nos jogos. As desproporcionais vitórias de Paulo podem ser o resultado de ele ser um jogador astuto ou de ser um vigarista esperto.

Para determinar se houve justiça nos jogos é necessário perguntar sobre o processo do jogo. Houve desobediência às regras neutras do jogo? Havia cartas marcadas? Houve trapaça no embaralhamento das cartas? Houve algum jogador que foi coagido a jogar?

Se as respostas forem negativas, então houve justiça nos resultados, independentemente de qual tenha sido os resultados. O fato de Paulo ter vencido 75% das vezes é um fato que tem de ser aceito. 

Assim como no exemplo acima, qualquer discussão inteligente sobre justiça social e igualdade econômica tem de reconhecer que os resultados observados de um processo não servem para determinar se houve ou não justiça e sensatez.

Saber que a renda anual de uma pessoa é de $5.000.000 e que a renda de outra pessoa é de $12.000 é algo que não nos diz absolutamente nada sobre justiça econômica e social. Para determinar se realmente houve injustiça econômica e social é necessário fazer perguntas sobre o processo de enriquecimento.

A maioria das pessoas que faz pontificações altivas sobre desigualdade econômica — inclusive economistas, para vergonha geral — simplesmente não reconhece, ou não deixa explícito, que a renda de uma pessoa é resultado de algo que ela fez. Sendo assim, apenas observar um determinado resultado não pode ser utilizado para determinar se houve justiça, isonomia e sensatez.

Para determinar se houve justiça, isonomia e sensatez é necessário ir além dos resultados e examinar o processo econômico como um todo.

Comecemos pelo básico.

A criatividade, a engenhosidade e a inteligência

Em primeiro lugar, é necessário entender o que cria a riqueza.

Por que as pessoas do século XIX não se comunicavam por meio de telefones celulares? Por que elas não utilizavam computadores? Ou mesmo, por que as guerras da antiguidade não utilizavam mísseis teleguiados?

Todos os recursos físicos necessários para fazer mísseis, celulares e computadores já existiam naquela época. Aliás, esses recursos físicos já existiam desde a época do homem das cavernas. Por que o homem das cavernas não tinha um computador portátil para interagir com seus semelhantes via Facebook? Por que não usavam Skype, WhatsApp ou Instagram?

A resposta é que, embora os recursos físicos já existissem, a mente humana ainda não era engenhosa e criativa o bastante para saber como transformá-los em celulares, mísseis, computadores, smartphones e internet.

Ou seja, ainda não tínhamos o conhecimento.

A diferença entre nós e um homem das cavernas é que nós, hoje, temos mais conhecimento do que eles. Biologicamente, somos os mesmos. Os neurônios em nossos cérebros são os mesmos. O mundo físico à nossa volta é o mesmo (todos os recursos físicos necessários para se fazer celulares, tablets, computadores, carros e aviões já existiam naquela época).

Mas a nossa vida hoje é infinitamente melhor e mais confortável por causa do conhecimento.

E esse conhecimento é o que aumenta nossa riqueza e nosso bem-estar.

E nem é necessário voltar à era do homem das cavernas para provar esse ponto. Escolha qualquer época e você comprovará sempre o mesmo fenômeno: um novo conhecimento — a luz elétrica, a penicilina, o automóvel, o iPhone, um novo algoritmo que gera melhores ferramentas de busca na internet — sempre surge como uma surpresa. Nada é previsto antecipadamente.

Obviamente, esses produtos não realmente vieram do nada; eles surgiram da síntese de todo um conhecimento acumulado, o qual levou a essas inovações. O surgimento de uma criação sempre leva ou a aprimoramentos ou a novas criações. A inovação — novo conhecimento — gera não apenas novos produtos, mas também novas empresas e várias novas indústrias. E a inovação cria riqueza; riqueza essa que, em última instância, será distribuída por toda a economia.

Assim, criatividade, engenhosidade e inteligência são as características que transformam recursos brutos em recursos valorosos e geradores de riqueza.

O que é riqueza?

Riqueza é tudo aquilo que nos permite auferir uma fonte de renda presente e futura.

Não é a riqueza que dá valor à renda, mas sim a renda que dá valor à riqueza. O valor de um terreno não depende do terreno em si mesmo, mas sim do valor de todos os serviços que ele permite. Um pedaço de terra em uma cidade inglesa tem mais valor que um pedaço de terra no Zimbábue porque suas possíveis utilizações na Inglaterra (residenciais, industriais, comerciais etc.) são mais úteis para o conjunto da sociedade do que no Zimbábue.

Por outro lado, se a Inglaterra for devastada por uma guerra e Zimbábue se tornar um centro internacional de negócios, as terras do Zimbábue passarão a ser muito mais valiosas que as da Inglaterra, ainda que, fisicamente, não tenha havido nenhuma alteração na composição destas terras.

É por isso que o preço do metro quadrado hoje em Hong Kong ou Cingapura é infinitamente superior ao valor de 50 anos atrás. As terras são as mesmas, mas a utilidade da terra melhorou (aliás, a qualidade da terra em si pode até ter se degradado), pois o valor que subjetivamente se atribui às utilizações que o terreno proporciona se multiplicou.

Em uma sociedade formada por bilhões de pessoas, onde os recursos físicos possuem variados usos alternativos, a imensa maioria das rendas não advém automaticamente dos recursos materiais, mas sim do uso que se faz destes recursos materiais. Isso significa que a capacidade de geração de renda depende muito mais da organização inteligente destes recursos do que da disponibilidade dos mesmos.

É exatamente por isso que a Google (e tantas outras empresas) conseguiu crescer e enriquecer seus fundadores mesmo tendo sido criada em uma garagem e utilizando apenas recursos próprios; e também é exatamente por isso que os governos — mesmo tendo à sua disposição muitos mais recursos (confiscados) do que qualquer empresa — não conseguem gerar nada de proveitoso.

Um poço de petróleo hoje é o mesmo poço que já existia há 100 anos. No entanto, seu dono hoje será incomparavelmente mais rico do que o dono de 100 anos atrás, pois o petróleo hoje é utilizado em processos produtivos que geram muito mais renda do que gerava há 100 anos.

O que se pode dizer com certeza é que, em ordens sociais livres e complexas, a maior parte da riqueza de uma sociedade estará na forma de sistemas organizacionais geradores de bens e serviços (renda), isto é, de empresas que produzam bens e serviços valiosos para os consumidores; e continuará nesta forma apenas enquanto estes sistemas empresariais seguirem gerando valor para o consumidor.

Sendo assim, por que as pessoas que enriquecem desta forma estariam cometendo alguma injustiça social?

Por outro lado, são famosos os casos de megaempresas que se tornaram totalmente descapitalizadas em decorrência do simples fato de que seus bens e serviços deixaram de ter valor para o consumidor (os recentes ocasos da Kodak, da Nokia, da Blockbuster e da Toys 'R' Us estão entre os mais famosos). Ninguém irá derramar lágrimas por seus executivos?

O real causador das desigualdades segue sendo visto como o salvador

Um debate que desconsidere coisas simples como o que realmente é riqueza, como ela é gerada, como ela é distribuída, e o que define uma distribuição injusta é um debate meramente emotivo, e não racional.

Por outro lado, é fato que há várias pessoas que enriqueceram em decorrência de fartos subsídios governamentais, de tarifas protecionistas e de onerosas regulamentações que impediram o surgimento de concorrência e garantiram uma renda exclusiva para esses plutocratas.

É também fato que a maneira como funciona o atual sistema monetário e bancário é propícia a uma distribuição desigual de riqueza.

Sendo assim, é irônico notar que, quando a distribuição de renda é realmente injusta, isso ocorre por causa das interferências, das regulamentações e dos gastos governamentais. 

No entanto, o que os defensores da redistribuição de renda sugerem para corrigir essa injustiça gerada pelas intervenções do governo é exatamente mais interferências, mais gastos e mais regulamentações governamentais.

Conclui-se que essas pessoas simplesmente não entendem nem como a riqueza é criada, nem como ela é justa e injustamente distribuída, e nem como ela é destruída.

 

* O autor é professor honorário de economia da George Mason University.

Fonte: INSTITUTO MISES D BRASIL

 

 

 

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.