Sáb10202018

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

23 Jul 2018

SABADÃO, LITRÃO E ESCRIVINHAÇÃO

Escrito por 

 

 

 

Se seu amigo gritar em seu ouvido, te dando um pito, porque você supostamente está, segundo ele, com um tal de discurso de ódio, não se enerve não. Mantenha a calma. Sim, é chato, sei disso, mas fricote politicamente correto é assim mesmo, um trem que dá e passa bem rapidinho com o advento da maturidade.

 

[1] Se seu amigo gritar em seu ouvido, te dando um pito, porque você supostamente está, segundo ele, com um tal de discurso de ódio, não se enerve não. Mantenha a calma. Sim, é chato, sei disso, mas fricote politicamente correto é assim mesmo, um trem que dá e passa bem rapidinho com o advento da maturidade.

[2] Todo mundo tem lá o seu dia de chato, mas a tigrada politicamente correta consegue a façanha de ser chata todos os dias, o tempo todo.

[3] Tempo, meu caro Watson, de fato é uma questão de gosto, como dizem os populares, porque sempre acabamos organizando-o a partir das prioridades que elegemos para nossa vida. E é aí que reside toda a merda.

[4] Fechar os olhos, como fazem as criancinhas, não faz com que as encrencas de nossa vida sumam. Enfrenta-los também não. Mas fazer isso, assumir os desafios que nos são impostos é o que, por definição, nos torna adultos. Se não encaramos a vida de frente, acabamos por sucumbir, caindo na condição dum reles canalha infantil.

[5] Se você quer saber se um caipora é ou não uma pessoa madura, veja se ele é capaz de se expor às consequências de seus atos e de reconhecer-se como o total responsável por elas.

Sim, sei que fazendo essa perguntinha bocó, mais do que depressa acabamos percebendo que a maioria das pessoas adultas - inclusive e principalmente muitíssimas de nossas “otoridades” - não passam de alminhas infantis. Tão infantis quanto aquele moleque que quebrou a vidraça do vizinho e jura, com os pezinhos juntos, que não foi ele.

Enfim, qualquer um que procure sempre uma forma de aliviar o seu lado - independente da posição social que ocupe ou na bandeira que defenda - não passa dum moleque [crescido] pra lá de salafrário.

Se for o seu caso, não se preocupe, porque tem remédio e não precisa de receita médica não. Basta criar um pouquinho da tal da vergonha na cara que, em curtíssimo prazo, você tomará jeito e irá virar gente.

Se for o seu caso, experimente. Não dói nada. Caso não, passe pra frente para, quem sabe, um dia termos um Brasil diferente.

 

 

 

Dartagnan Zanela

Professor e ensaísta. Autor dos livros Sofia Perennis, O Ponto Arquimédico, A Boa Luta, In Foro Conscientiae e Nas Mãos de Cronos – ensaios sociológicos.

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.