Seg12102018

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

28 Mar 2018

APEGO AO PODER

Escrito por 

Com a ridícula e ilegal  CARAVANA ,  LULA e seus correligionários tentam ,  mais uma vez,  voltar ao Poder.  Alcança-lo, parece hoje ser o salvo-conduto  para livra-los  da espada da justiça. E pasmem; com o beneplácito da mais alta corte da justiça do país. Pobre Forças Armadas, obrigadas a participar de um “faz- de- conta”, com as mãos atadas , sem o Poder e as condições  necessárias  para solucionar esse complexo problema.

 

Por Gen CARLOS AUGUSTO FERNANDES DOS SANTOS

“ O Poder corrompe; e o poder absoluto corrompe absolutamente” . Lord J Acton

O mundo tem assistido  a decisões políticas facilitando  a permanência de dirigentes políticos por longo tempo no poder. Os últimos exemplos assistimos na RÚSSIA de PUTIN e na CHINA de XI JINPING. Os dois oriundos e simpatizantes do anacrônico regime comunista.  O mesmo ocorre em Cuba, Venezuela, Nicarágua e Bolívia. O grande  negócio ,  chama-se PODER.

Essa  tendência e o gosto aguçado por ele , no BRASIL, teve início com a aprovação do malfadado INSTITUTO DA REELEIÇÃO. A  ideia e o infeliz projeto foram obra de FHC, hoje, ícone do socialismo fabianista , que frequenta e coleciona títulos honoríficos de  Universidades estrangeiras , fórmula prática de massagear seu ego  e sua incomensurável vaidade. Embora não pareça, continua arrastando a pesada âncora  que o encantou na  trajetória de jovem adepto socialista-marxista; agora, perfumada   com odores da badalada  e parisiense SORBONNE.

Se nosso país sempre foi refém , desde os tempos coloniais, do nepotismo, da impunidade e da corrupção, com  a aprovação do mencionado  Instituto , poucos anos depois, com a ascensão de LULA – cuja eleição contou com velada simpatia do “príncipe dos sociólogos brasileiros”- essas mazelas potencializaram-se. Os dois, em mais de vinte anos,  fizeram o que puderam  para retirar poderes dos segmentos militares ( Forças Armadas e Polícias Militares). Orçamentos e salários aviltados colaboraram para o desprestígio e o encanto das carreiras.

Como o  PODER não admite vácuos ,  os marginais da droga e as milícias chefiadas  pela banda podre das corporações  estaduais foram se fortalecendo e dominando territórios protegidos por uma geografia favorável. O poder foi sendo transferido, no Rio de Janeiro, para os senhores das  drogas e a população ordeira passou a ser refém deles. Aproveitando-se da fragilidade das Forças Legais e da falta da presença do Estado impuseram suas regras.

Escrevo esse desabafo dias depois de assistir à lastimável decisão dos  Senhores Ministros do STF que concederam  benefícios ao ex-presidente LULA ,  impedindo-o de ser  preso após o  julgamento dos embargos de declaração do TRF/4 , no próximo 26 de março . Suas excelências, contrariaram o senso comum, a jurisprudência,  e desconheceram os tremendos esforços despendidos por jovens promotores e  juízes que, com coragem e determinação ,  há poucos anos e em sucessivas instâncias , decidiram dar um basta à impunidade dos poderosos que descaradamente assaltaram os cofres públicos.

Claro está que a infeliz decisão contou com a simpatia de inúmeros criminosos e  sinalizou para os corruptos - envolvidos,  presos ou aguardando julgamentos- a esperança de tratamento idêntico.  Os figurões encarcerados  e tantos outros que não tiveram sentenças definitivas e transitadas em julgado, terão o mesmo direito? Que confusão jurídica!!

Com a ridícula e ilegal  CARAVANA ,  LULA e seus correligionários tentam ,  mais uma vez,  voltar ao Poder.  Alcança-lo, parece hoje ser o salvo-conduto  para livra-los  da espada da justiça. E pasmem; com o beneplácito da mais alta corte da justiça do país.

Pobre Forças Armadas, obrigadas a participar de um “faz- de- conta”, com as mãos atadas , sem o Poder e as condições  necessárias  para solucionar esse complexo problema.

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.