Sex04202018

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

18 Mar 2018

ERRO ESTRATÉGICO

Escrito por 

 

 

 

A disparada de Bolsonaro nas pesquisas deixou muitos partidos atônitos. Percebem que existe uma massa de descontentes que encontrou nele a voz que expressa sua indignação. A identificação do candidato com as ideias conservadoras, ocupando a direita no espectro político, também embaralha a estratégia de muitos postulantes ao Planalto.

 

A disparada de Bolsonaro nas pesquisas deixou muitos partidos atônitos. Percebem que existe uma massa de descontentes que encontrou nele a voz que expressa sua indignação. A identificação do candidato com as ideias conservadoras, ocupando a direita no espectro político, também embaralha a estratégia de muitos postulantes ao Planalto.

Ninguém até o momento ousou avançar sobre o eleitorado de Bolsonaro. Assim, a tendência tem sido procurar outros caminhos que levem seus candidatos ao embate do segundo turno. Certos de que o ex-capitão é uma peça fácil de ser batida no próximo round, os partidos tradicionais têm cada vez mais buscado ocupar o espaço do centro como alternativa eleitoral.

O lançamento da pré-candidatura de Rodrigo Maia tem essa característica. O antigo PFL por décadas ocupou a centro-direita, sofrendo enormes perdas durante os anos Lula. Quando finalmente o espectro político se move para sua área de influência, o partido, rebatizado agora de Democratas, busca o caminho do centro. Evita o embate direto com Bolsonaro, porém nega suas origens. Estrategicamente, seria melhor lançar Ronaldo Caiado e dividir os votos da centro-direita. O senador por Goiás cairia como uma luva para uma parcela do eleitorado que busca uma opção que represente uma direita séria e responsável.

O presidente da Câmara, agora pré-candidato ao Planalto pelo centro, vai começar a ombrear com outros postulantes que acreditam ser possível chegar ao segundo turno por esse caminho. O primeiro desafio de Maia será dividir espaço com Alckmin, que vai nadar na mesma raia. Por ali ainda podem passar Meirelles, Álvaro Dias e muitos outros candidatos que pretendem se viabilizar como uma espécie de Macron dos trópicos, prontos para vencer a esquerda ou Bolsonaro no segundo turno.

Falta combinar com o eleitor. No afã de chegar ao segundo turno pelo centro, o pelotão pode se embaralhar e entregar a segunda vaga para a esquerda, tornando-se real a possibilidade de uma disputa entre Bolsonaro e alguém que avance por esse flanco, como Marina, Ciro ou mesmo Haddad, impulsionado pela transferência de votos de Lula. Um erro estratégico que pode mudar os rumos do resultado da eleição.

Caberia ao centro se unir em uma candidatura, e alguém assumir o desafio de ombrear com Bolsonaro os votos da direita. Da maneira como o jogo está posto, o resultado é previsível. Até o momento, a única opção real de unir o centro, dentro de uma ampla aliança, foi pulverizada internamente pelos tucanos, que agora apostam em outro nome. Correr pelo meio pode ser uma opção se as cartas forem jogadas da maneira correta. Do jeito que está posto, as chances dessa via chegar ao segundo turno tornam-se cada vez mais difíceis, rifando uma parte do eleitorado que poderia facilmente entregar a vitória nas mãos de um centro que aos poucos se pulveriza.

 

Fonte: O TEMPO

 

 

 

Márcio Coimbra

Márcio Chalegre Coimbra, é advogado, sócio da Governale - Políticas Públicas e Relações Institucionais (www.governale.com.br). Habilitado em Direito Mercantil pela Unisinos. Professor de Direito Constitucional e Internacional do UniCEUB – Centro Universitário de Brasília. PIL pela Harvard Law School. MBA em Direito Econômico pela Fundação Getúlio Vargas. Especialista em Direito Internacional pela UFRGS. Vice-Presidente do Conil-Conselho Nacional dos Institutos Liberais pelo Distrito Federal. Sócio do IEE - Instituto de Estudos Empresariais. É editor do site Parlata (www.parlata.com.br) articulista semanal do site www.diegocasagrande.com.br e www.direito.com.br. Tem artigos e entrevistas publicadas em diversos sites nacionais e estrangeiros (www.urgente24.tv e www.hacer.org) e jornais brasileiros como Jornal do Brasil, Gazeta Mercantil, Zero Hora, Jornal de Brasília, Correio Braziliense, O Estado do Maranhão, Diário Catarinense, Gazeta do Paraná, O Tempo (MG), Hoje em Dia, Jornal do Tocantins, Correio da Paraíba e A Gazeta do Acre. É autor do livro “A Recuperação da Empresa: Regimes Jurídicos brasileiro e norte-americano”, Ed. Síntese - IOB Thomson (www.sintese.com).

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.