Seg12102018

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

26 Dez 2017

NADICA DE NADA

Escrito por 

 

 

 

 

Enfim, se você acha que nós, brasileiros, nos superamos nesse anus que se finda, aguarde para ver o que teremos para o anal que vem. Quem viver, verá e, ao ver, ria, porque chorar e ranger os dentes não resolverá nada. Nadica de nada.

 

LULU SANTOS TWITTOU, NÃO FAZ MUITO, que a música brasileira, atualmente, estaria regredindo à fase anal.

Isso mesmo! Disse Lulu: “Caramba! É tanta bunda, polpa, bumbum granada e tabaca que a impressão que dá é que a MPB regrediu pra fase anal. Eu, hein?”

Pois é. O homem, devido a essa declaração, foi tão azucrinado que, no frigir dos ovos, retirou o que disse e deixou o dito pelo não dito. Em resumo, foi mais ou menos assim o entrevero.

Bem, mas Lulu errou. Ele errou.

Primeiro, em ter retirado o dito. Ora, suas lacônicas palavras literalmente captaram o espírito suíno que se encostou na alma nacional. Encosto esse que, pelo visto, veio pra ficar.

E ele errou, outra vez, ao dizer que estamos regredindo à uma fase anal. Não. Não estamos não. Na real, estamos avançando para tal, tamanha a massa fecal midiática que é despejada sobre todos nós diariamente.

Enfim, se você acha que nós, brasileiros, nos superamos nesse anus que se finda, aguarde para ver o que teremos para o anal que vem.

Quem viver, verá e, ao ver, ria, porque chorar e ranger os dentes não resolverá nada. Nadica de nada.

 

 

 

 

Dartagnan Zanela

Professor e ensaísta. Autor dos livros Sofia Perennis, O Ponto Arquimédico, A Boa Luta, In Foro Conscientiae e Nas Mãos de Cronos – ensaios sociológicos.

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.