Sex11222019

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

20 Fev 2005

Tal Como no Samba

Escrito por 

Nenhum jornalista capaz de farejar uma rebelião que somou 300 votos. Só no Brasil, mesmo.

"A essa altura o cabaré em polvorosa já tinha um cheiro de cadáver se espalhando" (Miguel Gustavo e Moreira da Silva, em "O rei do gatilho").


Nesse clássico da música brasileira é contada a história de Kid Morengueira, herói de Wichita, em seu duelo com o bandido que infelicitava a vida da amiga Mary. Canta Morengueira que foram dados tantos tiros no saloon que até hoje ninguém sabe quem morreu: "Eu garanto que foi ele; ele garante que fui eu".

Pois na recente eleição da Mesa da Câmara de Deputados aconteceu coisa parecida. Armou-se confusão tão grande que até hoje ninguém sabe quem perdeu. Luiz Eduardo Greenhalgh garante que foi o governo. O governo garante que foi o PT. E o PT garante que foi Greenhalgh. Fechou-se o círculo. Vamos acabar convencidos de que ninguém perdeu, de que não há cheiro de cadáver se espalhando e de que nós é que entendemos tudo errado.

Afinal, para quem foi o telegrama da Mary? Eu acho que foi para o Severino. Leva mais jeito. Greenhalgh tem pose e sobrenome de arcebispo primaz da Igreja Anglicana, do tipo que só estende a mão se for para oferecer o anel ao beijo dos fiéis. Virgílio Guimarães era a tentativa petista de levar dois candidatos do partido ao segundo turno. No fundo, produto da mesma presunção que impôs o candidato oficial, imaginando que o saloon da Câmara seja povoado por um bando de tolos incapazes de perceber a manobra.

Contados os cartuchos vazios, as vozes petistas passaram a denunciar uma coligação da direita com o corporativismo. Como se o PT fosse manifestação desse mesmo fenômeno.  Não instalou ele o governo com 35 ministérios para atender as demandas da base por cargos? Não criou mais de três mil postos de confiança com o mesmo intuito? Não usa nem abusa de mordomias e nepotismos? A despeito disso, o governo Lula se exibe como a mais alta expressão do desapego por qualquer vantagem material e, seus candidatos, como representantes dos interesses dos pobres e oprimidos. Enquanto isso, o tosco Severino, pernambucano dos grotões, que passa a disputar com o conterrâneo presidente o torneio das agressões ao vernáculo, tornou-se, para efeitos externos, porta-voz da direita.

Querem me enlouquecer. Alto clero alinhado com a esquerda. Baixo clero perfilado com a direita. Nenhum jornalista capaz de farejar uma rebelião que somou 300 votos. Só no Brasil, mesmo. E o Lula, perguntarão os leitores? Ora, deixem-no fora disso. Ele garante que o médico o aconselhou a não meter em encrenca o recém operado nariz. Tal como no samba, isso "tem um final, mas é impróprio e eu não digo".

Última modificação em Domingo, 22 Setembro 2013 17:20
Percival Puggina

O Prof. Percival Puggina formou-se em arquitetura pela UFRGS em 1968 e atuou durante 17 anos como técnico e coordenador de projetos do grupo Montreal Engenharia e da Internacional de Engenharia AS. Em 1985 começou a se dedicar a atividades políticas. Preocupado com questões doutrinárias, criou e preside, desde 1996, a Fundação Tarso Dutra de Estudos Políticos e Administração Pública, órgão do PP/RS. Faz parte do diretório metropolitano do partido, de cuja executiva é 1º Vice-presidente, e é membro do diretório e da executiva estadual do PP e integra o diretório nacional.

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.