Qua08232017

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

07 Mar 2017

NOVO VAZAMENTO DO WIKILEAKS COMPROMETE A CIA SOB OBAMA: É BIG BROTHER NA VEJA!

Escrito por 

 

 

 

Se continuar a emergir do pântano podres assim, é capaz até de Obama encontrar a tal certidão de nascimento e se mandar para a Quênia, em busca de “asilo político”…

 

O Wikileaks ataca novamente, e dessa vez divulgando mais de 8 mil documentos que comprometem a CIA. Não vou entrar aqui no debate se tais vazamentos são desejáveis ou não para uma democracia, se podem colocar em risco a própria sobrevivência do estado, algo que somente libertários radicais e anarquistas gostariam. Esse é um bom debate, mas fica para outra ocasião.

O fato é que o abuso de poder do estado foi demais da conta, e esses hackers têm exposto a podridão. Dessa vez, uma bem grande, que mostra como o quadro de Big Brother avançou na era Obama. O grau de vigilância foi sem precedentes, criminoso, como mostra esse trecho:

A total of 8,761 documents have been published as part of ‘Year Zero’, the first in a series of leaks the whistleblower organization has dubbed ‘Vault 7.’ WikiLeaks said that ‘Year Zero’ revealed details of the CIA’s “global covert hacking program,” including “weaponized exploits” used against company products including “Apple’s iPhone, Google’s Android and Microsoft’s Windows and even Samsung TVs, which are turned into covert microphones.”

WikiLeaks tweeted the leak, which it claims came from a network inside the CIA’s Center for Cyber Intelligence in Langley, Virginia.

Among the more notable disclosures which, if confirmed, “would rock the technology world“, the CIA had managed to bypass encryption on popular phone and messaging services such as Signal, WhatsApp and Telegram. According to the statement from WikiLeaks, government hackers can penetrate Android phones and collect “audio and message traffic before encryption is applied.”

Flavio Quintela comentou sobre o caso:

O WikiLeaks publicou hoje mais de 8000 páginas de documentos e arquivos da CIA.

Dentro do pacote há documentos que descrevem a criação de softwares para espionagem de cidadãos – programas que tomariam controle parcial do smartphone ou tablet de um determinado indivíduo e usariam o microfone e/ou a câmera desses dispositivos para gravar e transmitir informações que a agência considerasse úteis.

A parte mais importante desse novo vazamento é mostrar como Obama mentiu e enganou os cidadãos americanos. Em janeiro de 2014, o governo Obama se comprometeu a apontar as falhas de segurança que encontrasse em softwares e sistemas operacionais desenvolvidos nos EUA, com o objetivo de tornar o ambiente virtual mais seguro tanto para o governo como para empresas e cidadãos. Em vez disso, aproveitou-se dessas mesmas falhas para desenvolver seus próprios programas de espionagem e controle.

A quantidade de sujeira que está sendo encontrada debaixo dos tapetes da Casa Branca é quase infindável. A vassoura correu solta na era Obama.

A coisa fede cada vez mais para o lado de Obama, que fica mais e mais parecido com um típico líder latino-americano mesmo. Nunca aquela declaração feita a Lula, de que o petista era “o cara”, fez tanto sentido. Lula adoraria ter esse poder todo para espionar cidadãos brasileiros. O governo Obama espionou, pelo visto, Deus e todo mundo (menos Trump, segundo a imprensa).

Se continuar a emergir do pântano podres assim, é capaz até de Obama encontrar a tal certidão de nascimento e se mandar para a Quênia, em busca de “asilo político”…

 

 

 

Rodrigo Constantino

Rodrigo Constantino é economista formado pela PUC-RJ, com MBA de Finanças pelo IBMEC. Trabalha desde 1997 no mercado financeiro, como analista de empresas e administrador de portfolio. É autor do livro "Prisioneiros da Liberdade", da editora Soler.

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.