Seg11202017

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

20 Out 2016

VÃO PRENDER O LULA!!!???

Escrito por 

Pelo que a mídia tem informado, é de se supor que não é só o Seu Luís que tem passado as noites em claro, olhando pela fresta da janela.

 

Meus amigos, eu era criança e me lembro com muita nitidez que, entre os seis e dez anos talvez (esse detalhe é irrelevante), todos os anos, no dia do meu aniversário, eu ficava ansioso na hora em que estavam para chegar os convidados (com os presentes) para a festa.

Particularmente, esperava pela chegada de meus padrinhos de batismo, porque, sem erro, o melhor presente que eu receberia seria deles. Então, eu me postava na sacada do edifício, de onde podia enxergar a aproximação de qualquer um desde a esquina anterior. Como a distância era razoável, a tendência era de que eu quisesse ver, em cada nova pessoa que se aproximava, um deles. Eu gritava: “Chegaraaaam!”. Naturalmente, na maior parte das vezes era rebate falso, o que gerava frustração, por alguns minutos.

Por que a reminiscência? É que fico imaginando que o Seu Luís Inácio deve estar vivendo uma ansiedade semelhante nesses últimos tempos.

Evidentemente, as motivações são diferentes e as consequências também, mas me parece que a sensação deve ser a mesma. Da janela, observando os arredores na expectativa indesejada (para ele, claro) de que algum veículo da Polícia Federal se aproxime.

Fico imaginando que, residindo em rua de grande movimento, não se deva descartar a possibilidade de que por ali circulem veículos policiais, o que deverá produzir descargas de adrenalina de tempos em tempos. “Hiiii! Chegaram!” “Uf! Ainda não, dessa vez.”

Claro que, pelo que se ouviu em algumas gravações de conversas de integrantes da família do Seu Luís, as expressões e interjeições devem ser diferentes, mas o sentido deve ser o mesmo.

Interessante que essa ansiedade não é só do Seu Luís. Minha impressão é de que é de todo o país, por razões distintas, claro, em cada um. De expectativa de alegria da maioria dos brasileiros, por assistirem se dar seguimento ao curso do processo de busca por justiça.

De desespero de outros, por temerem as consequências do que está por vir.

Nesses últimos dias, tomamos conhecimento, via internet, de que o Seu Luís seria preso. Engraçado que, ao que parece, quem deflagrou o processo foi gente próxima a ele. Houve até quem se reunisse nas proximidades do que “parece ser uma de suas residências”, para protestar e manifestar solidariedade aquele que, se supunha, possivelmente seria preso.

Que vergonha! Que constrangimento! O que a ganância, a soberba, a falta de humildade pode gerar.

“Quanto mais alto, maior o tombo”, diz o ditado popular.

Ou ainda: “Quem tudo quer, tudo perde”.

Pelo que a mídia tem informado, é de se supor que não é só o Seu Luís que tem passado as noites em claro, olhando pela fresta da janela.

Mario de Oliveira Seixas

Mario de Oliveira Seixas é General-de-Brigada, na reserva do Exército brasileiro. Realizou todos os cursos militares, nos níveis de graduação, mestrado e doutorado, assim como o Curso de Política, Estratégia e Alta Administração do Exército, o de mais elevado nível da carreira. É engenheiro de telecomunicações formado pelo Instituto Militar de Engenharia. No exterior, cursou o British Army Staff College (curso de Comando e Estado-Maior do Exército Britânico) e a Defence School of Language (curso da língua inglesa). Na PUC-Rio, especializou-se em Educação à Distância. Na FAAP, em São Paulo, realizou o Curso de MBA em Excelência Gerencial, com Ênfase na Gestão Pública. De 2005 à 2009 foi o Secretário Municipal de Cooperação nos Assuntos de Segurança Pública da Cidade de Campinas - SP.

Website.: www.rplib.com.br/

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.