Sáb09232017

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

20 Out 2016

DIÁRIO DE BORDO: DATA ESTRELAR INCERTA - 009

Escrito por 

Pois é. Dessa e doutras formas Deus, o supremo pedagogo, sutilmente mostra-nos o quão tola é a nossa maneira soberba de ser. O quão pequeno e débil somos diante de toda a criação.

 

PARA DISSOLVER AS BASES DUMA SOCIEDADE – Todo grande livro é similar a um grande e majestoso espelho. Sempre e sem pestanejar, esse, com suas letras e entre suas sinuosas linhas, nos apresenta um reflexo de nossa alma, como se fosse um espelho.

Por essas e outras que é impossível a um jerico ao colocar-se diante dum espelho livresco ver um sábio. Não tem jeito mesmo.

Entretanto, tamanha é a estultice que hoje impera nessas plagas que, quando um douto ignorante deita suas vistas nas páginas dum livro ele invariavelmente vê um bocó e nele, no tonto, reconhece uma suposta e, ao mesmo tempo, inconteste genialidade sapiencial.

Pois é. Pois é. Pois é. E é nesse trote que temos a (de)formação da mentalidade criticamente crítica de nossa gente bem pensante.

MORINGA PUTREFAZ – Um dos grandes vícios cognitivos de nossa época, vício esse especialmente praticado pelas pessoas ditas esclarecidas e devidamente diplomadas, é confundir a realidade que se apresenta diante de nossos olhos com as ideias e pensamentos que são confabuladas em nossas moringas. Eita confusão miserável essa!

E MAIS OU MENOS ASSIM - Que o fato seja dito em português bem claro e à luz do dia: não existe esse negócio de ocupação de Escola pública. O que há é invasão. Repito: invasão de Colégios Públicos Estatais por menores de idade instigados por pessoas bem crescidinhas.

E tem outra: todo aquele que instiga, de maneira velada ou escancarada, os alunos a invadirem uma instituição de ensino, com o perdão da palavra, dificilmente são professores. Dificilmente o são.

Ao pé da letra esses tipos seriam tão somente manipuladores, doutrinadores que, sem medir a (in)consequência de seus atos, instrumentalizam a gurizada para realização de fins que pouco ou nada tem que ver com a tal da educação.

Por fim, que o Brasil e seus tentáculos estatais deixam muitíssimo a desejar no quesito educação, isso é fato. Ninguém nega isso. Ponto. Agora, instigar a piazada a invadir prédios públicos não resolverá problema algum. Esse é outro fato que somente uma mente alucinada é incapaz de enxergar. Ponto final.

UMA VELHA LIÇÃO – O embaixador José Osvaldo de Meira Penna, em seu livro O BRASIL NA IDADE DA RAZÃO, dizia de modo lacônico que há, em nosso país, dois tipos de estudantes.

Um desses tipos integra uma horda presunçosa que perambula de um lado para o outro agitando o coreto e se apresentando como os detentores de uma tal de "consciência crítica".

O outro tipo integra uma silenciosa multidão que, em sala de aula, ou no claustro duma biblioteca, ou em qualquer lugar, fia-se zelosamente no cumprimento de seu dever que é estudar e se preparar para tornar-se um cidadão digno, prestativo e bom.

Os segundos são, de acordo com Meira Penna, a esperança da nação. Quanto aos primeiros, apenas a massificação mimada e pueril de toda a desventura que assombra o nosso país; um infortúnio que vem, a gerações, sendo acumulado e sedimentado no fundo da alma nacional.

REGRA SIMPLES - Quanto mais desvairada uma multidão for, mais alienada ela é.

NÃO É MERA COINCIDÊNCIA – Quando um grupo de adultos maliciosos, ideologicamente desorientados, cheios das tais boas intenções, usam descaradamente incautas crianças para realizar fins políticos no mínimo suspeitos, não estamos apenas diante de um sintoma de mau-caratismo não. É bem mais do que isso. O que temos diante de nossas vistas é algo similar à atitude que é adotada pelas redes terroristas que iludem e inflamam crianças para lutarem uma pugna que não é delas.

Enfim, com ou sem bombas, em todos os casos onde crianças são usadas como arma política é porque existe uma chusma de adultos, tão covardes quanto maliciosos, ocultando-se atrás da inocência delas para atingir os seus intentos. É só isso e nada mais.

É OU NÃO É? – Independente da situação, pouco importando a circunstância, todo aquele que se esconde atrás de uma criança pra defender qualquer coisa, sempre foi e sempre será um covarde. Ou não?

UMA REFLEXÃO (METAFÍSICA) FECAL – Todos nós, uns mais outros menos, tontamente acreditamos muitas vezes ser o tal do bicho da goiaba. Porém, basta uma bactéria para nos debilitar; para agrilhoar-nos ao trono sanitário com uma soltura desenfreada para reconhecermos que, no fundo, não somos nada mais do que um bosta.

Pois é. Dessa e doutras formas Deus, o supremo pedagogo, sutilmente mostra-nos o quão tola é a nossa maneira soberba de ser. O quão pequeno e débil somos diante de toda a criação.

Dartagnan Zanela

Professor e ensaísta. Autor dos livros Sofia Perennis, O Ponto Arquimédico, A Boa Luta, In Foro Conscientiae e Nas Mãos de Cronos – ensaios sociológicos.

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.