Sex08182017

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

30 Set 2016

EDUCAÇÃO NUM PAÍS ATRAVANCADO

Escrito por 

 

 

 

Qualquer proposição de uma reforma do sistema educacional e, consequentemente, todas as discussões que verterão da mera ventilação de uma proposta desse gênero, estarão condenadas a morrer na casca.

 

Qualquer proposição de uma reforma do sistema educacional e, consequentemente, todas as discussões que verterão da mera ventilação de uma proposta desse gênero, estarão condenadas a morrer na casca.

Isso mesmo. Morrer na casca. E, assim o é, por causa de fatores que, em si, nada tem que ver com a dita cuja da educação, mas que, de maneira tangente, tem uma influencia acachapante sobre as atividades desenvolvidas em uma sala de aula.

Destes fatores, destacamos, aqui, nessa parva missiva, apenas sete, os quais seriam:

(i) a educação é organizada na maioria absoluta das vezes por políticos e burocratas que nunca educaram ninguém e, em muitos casos, nem mesmo terminaram a sua própria educação. Há inclusive alguns que, um dia, estiveram numa sala de aula, mas que, se tornaram burocratas para fugirem da tal sala de aula e agora lá estão para dizer o que deve ou não deve ser feito em matéria de educação.

(ii) Há inúmeras pressões de ordem corporativista que interferem na organização da vida escolar. Por exemplo: o número de aulas que caberá para essa ou para aquela disciplina significa o número de vagas de trabalho que, obviamente, é um fator fortemente considerado pelos educadores; muitas vezes não por considerações pedagógicas, mas sim, por uma questão de defesa de seu minguado quinhão.

(iii) Temos a pressão das hostes sindicais que tem, na maioria das vezes, como principal diretriz, determinadas inclinações político-ideológicas e suas consequentes ligações partidárias. E isso, sem falar que, de modo similar a muitos burocratas, muitíssimos sindicalistas esqueceram-se o que é uma sala de aula e o que realmente deve ocorrer dentro dela.

(iv) Contamos com uma legislação (o ECA, de maneira especial), com instituições e entidades que praticamente são um instrumental de engenharia social que fomenta em meio às tenras gerações uma gama de atitudes anti-sociais que, por sua deixa, pervertem o ambiente escolar e dificultam significativamente qualquer atividade educativa.

(v) Não podemos deixar de lado a cultura midiática contemporânea que de modo avassalador infunde nos mancebos (e nos adultos também e principalmente) toda ordem de anti-valores que vão desde o sensualismo desenfreado, passando pelo hedonismo egolátrico e chegando ao tribalismo rasteiro que, ao seu modo, inviabilizam significativamente as atividades educativas.

(vi) Também, não deixemos de enumerar o fato de que muitas famílias não são famílias. Muitíssimas famílias fazem como Pilatos e simplesmente lavam suas mãos em relação à educação dos filhos, jogando tudo nas paletas da escola como se essa instituição tivesse o dever de realizar pelos infantes tudo aquilo que os genitores se recusam fazer. Sim, sei que isso é uma palhaçada sinistra, mas é a real palhaçada do dia a dia do sistema educacional brasileiro.

(vii) Por fim, não podemos falar em uma séria mudança nos rumos do nosso sistema de ensino se não exorcizarmos da vida educacional, da alma do professorado, esse exu que é Paulo Freire com todas as hostes de seus maus agouros marxistas e demais sequazes marxianos. As ideias, as concepções educacionais de nosso país foram e são deformadas profundamente pela influência das obras desse senhor e de seus seguidores; ideias que, literalmente, devastaram o ensino em nosso país.

Por essas e outras sou franco em dizer: não tem como mudar os rumos da educação de nosso país, não há meio de mudarmos nossa colocação no PISA se não mexermos nessas sete colunas tortas; e mexer nessas sete colunas irá gerar, com certeza, um punhado de gritos histéricos, de manifestações histriônicas e de protestos burlescos que provavelmente irão atravancar muitíssimo mais o nosso decrépito sistema educacional e bem como qualquer possibilidade de uma discussão séria sobre o assunto.

Bem provavelmente continuaremos a ver muita gente dissimulada com seus simulacros de criticidade a parlar alto sobre o tema para poder cinicamente continuar parasitando a educação, enfraquecendo-a e pervertendo-a, ao mesmo tempo em que irão jurar de pés juntos que a defendem com todas as forças de seus corações.

 

 

 

Dartagnan Zanela

Professor e ensaísta. Autor dos livros Sofia Perennis, O Ponto Arquimédico, A Boa Luta, In Foro Conscientiae e Nas Mãos de Cronos – ensaios sociológicos.

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.