Seg10212019

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

22 Dez 2015

GREG QUER MENOS EMPRESÁRIOS E MAIS GAYS, MULHERES, NEGROS E ÍNDIOS NO CONGRESSO

Escrito por 

Greg defende o PT. O PT, além de ser o partido mais autoritário e corrupto do Congresso, é também um dos maiores. Greg reclama que custa milhões para eleger um deputado, e que por isso há tantos “conservadores” na política (eu pensei que ele vivesse no Brasil, dominado pelos 30 tons de vermelho).

 

Greg: negro, gay e pobre?

O empresário Gregorio Duvivier, do Porta dos Fundos, branco, rico e, até onde se sabe, heterossexual, reclamou em sua coluna de hoje na Folha que há muitos empresários brancos e ricos no Congresso, e poucos negros, gays, índios e mulheres. Greg, que fecha contratos polpudos com grandes empresas para viver no “bem-bom” da zona sul carioca, é um grande defensor das “minorias”, como se sabe. A demagogia vende bem, e palavras são baratas.

Greg defende o PT. O PT, além de ser o partido mais autoritário e corrupto do Congresso, é também um dos maiores. Greg reclama que custa milhões para eleger um deputado, e que por isso há tantos “conservadores” na política (eu pensei que ele vivesse no Brasil, dominado pelos 30 tons de vermelho).

Raciocínio lógico: se custa tão caro assim, e se o PT é um dos maiores partidos, e se está no comando há 13 anos, então… o PT é o grande representante da elite branca de ricos empresários, certo? E tem o próprio Greg como ícone, ele também um rico empresário, certo? Silêncio. Constrangedor silêncio.

Eis os fatos: Greg é um típico membro da esquerda caviar, de uma elite falsa, hipócrita, que explora os mais pobres, que faz discurso sensacionalista e demagógico para enriquecer falando em nome das “minorias”. Ele deve olhar no espelho e ver um grande guerreiro dos índios e gays, em sua doce ilusão. Mas um segundo de reflexão sincera seria suficiente para derrubar essa fantasia ridícula.

Quem são os melhores amigos do PT hoje, e por tabela do próprio Greg? Os “empresários” Renan Calheiros e Collor. Mas isso é melhor ignorar. O lance é pintar todos os empresários como ruins, os “homens brancos velhos” como exploradores e conservadores no mal sentido, enquanto as “minorias”, vítimas oprimidas, não conseguem espaço na política. Vai ver por isso a elite sindical tem tanto poder no Brasil: pois não é parte do povo.

O discurso da esquerda é patético, não se sustenta por um só minuto, é incoerente, feito sob medida para encantar uma elite culpada. O Brasil tem uma presidente mulher, ou melhor, uma “presidenta”, e ela foi simplesmente a pior da história. Mas Greg quer colocar a culpa nos homens, pois precisa sempre defender as “minorias” que, somadas, representam uns 75% da população.

O intuito é só mesmo demonizar os empresários brancos, héteros e ricos. Mas atenção! Só aqueles que não são de esquerda! Os que são podres de rico, mas defendem o governo mais corrupto de todos, por ser de esquerda, esses são amigos. Lula, milionário e pai de milionários que há pouco tempo limpavam esterco de elefante em zoológico, esse é o grande representante dos negros, gays, mulheres e índios, dos pobres em geral.

Pergunto: Greg não parece tão imbecil assim, logo, há outra explicação além da canalhice para tanta baboseira?

PS: Só para checar, quantos negros, índios e pobres o Porta dos Fundos tem mesmo? Que pouco “democrático” esse grupo de elite, não é mesmo?

Rodrigo Constantino

Rodrigo Constantino é economista formado pela PUC-RJ, com MBA de Finanças pelo IBMEC. Trabalha desde 1997 no mercado financeiro, como analista de empresas e administrador de portfolio. É autor do livro "Prisioneiros da Liberdade", da editora Soler.

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.