Dom11182018

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

10 Nov 2015

BANANAS E DEMAIS FRUTAS REPUBLICANAS

Escrito por 

O simples fato de sentirmos vergonha de nossa enfadonha república é um claro sinal de que ela é uma coisa de todos, que alguns colocam a mão nela, onde nem todos podem boliná-la e que, por isso mesmo, ninguém quer saber de assumi-la.

 

 (1)
No Brasil tudo é uma avacalhação só, especialmente em nosso espírito republicano. Aqui, nessas terras de tupinambás, quando alguém diz que há muitos novembros fora proclamada uma RES PUBLICA, uma coisa dita de todos, mais do que depressa, os (depre)cívicos indivíduos paridos por essa mãe gentil imaginam que, por ser de todos, não é de ninguém, logo, será de quem primeiro e melhor pôr a mão na cumbuca brasiliensis. Resumindo: é pura avacalhação mesmo, sem pôr nem tirar.

(2)
Quando alguma alma, assustada, aqui ou acolá, grita que estão tentando dar um golpe assim ou assado na democracia brazuca, a abençoadinha esquece que o grande golpe contra ela foi a proclamação da dita república e não outra coisa. Resumindo: golpes e sedições são da essência da rotina (depre)cívica de nossa RES PUBLICA, não a sua exceção.

(3)
O simples fato de sentirmos vergonha de nossa enfadonha república é um claro sinal de que ela é uma coisa de todos, que alguns colocam a mão nela, onde nem todos podem boliná-la e que, por isso mesmo, ninguém quer saber de assumi-la.

(4)
Os republicanos, quando sonhavam com a aurora de uma república nessas terras ensolaradas, diziam ansiar pela vinda de uma imaculada dama para, de maneira cortês, amá-la e idolatrá-la. Mentira deles! O eles que sempre, sempre desejaram mesmo era uma dama fácil que atendesse a todos os seus caprichos, todinhos; mas somente os deles e de mais ninguém. Isso, nessas terras carnavalescas, é a dita cuja da coisa pública que com seu suíno espírito continua a emporcalhar essa terra de Vera Cruz em misto com a cidadanite que insiste em não saber a diferença que há entre uma democracia e uma urna eletrônica.

(5)
A história da república brasileira pode ser resumida assim: inicia-se com um bando de barbados fazendo mimimi, que sob a liderança de um marechal senil, alimentavam a vã esperança de que ele livrasse os seus soldos; e culmina com uma desvairada guerrilheira que cultua e comunga a mandioca sem a menor cerimônia ao mesmo tempo em que cogita a possibilidade de estocar todo o vento que faz a curva, guardando-o todinho no rombo aberto pelas pedaladas de sua ideológica loucura.

(6)
A república brasileira é similar a uma tribo onde o cacique quer apitar em tudo e, no frigir dos ovos, não manda em nada.

(7)
Dizem que no Brasil tudo é feito pra inglês ver. Sim, tudo de fachada, pintado e lambuzado com uma fina camada de verniz para enganar a todos, inclusive e principalmente a nós mesmos, nesse vil intento de aparentar uma seriedade que nunca tivemos e que, bem provavelmente, não iremos ter tão cedo. De mais a mais, ouso perguntar: quem foi que disse que os ingleses, ou quem quer que seja, estão interessados em saber o que nós dissimulamos ser?

(8)
No Brasil, praticamente tudo é feito no grito, na última hora e empurrando com a barriga, seja ela tanquinho, seja ela saliente. E, por esse desleixo brasílico, imaginamos que tudo que seja feito por nossas maculadas mãos, desse jeitão, tem alguma excelsa importância. E que importância! Nisso resume-se o tão ufanado jeitinho que tanto enche de orgulho o homem-massa brasileiro.

(9)
Uma pessoa piedosa, quando recebe o Sacramento Eucarístico, está plenamente consciente de que está recebendo o corpo de Cristo. Ela sabe que, em sua pequenez, faz parte do Corpo Místico da segunda pessoa da Santíssima Trindade. Por sua deixa, qualquer cidatonto brasileiro, quando sufraga o seu votinho na eletrônica urninha padrão smartmatic, credulamente imagina que está contribuindo positivamente com sua insignificância para os rumos de nosso país.

(10)
Após a proclamação da república, magicamente, muitos dos que até então eram monarquistas de pai e mãe, declaravam-se ser republicanos a muitas gerações. Hoje, em meio a mensalinhos e mensalões, propininhas e petrolões, todos que até então diziam ser os baluartes da ética, orgulhosos de serem membros do partido impoluto, tem a cara de pau de dizer que apenas fazem o que todos sempre fizeram e que, por isso, todos os malfeitos de suas maculadas mãos estão perdoados; porém, todavia e entretanto, não os malfeitos de todos os outros, simplesmente porque eles não integram o partido da ética que veio para salvar a república. Pois é, meu amigo, não é à toa que a vaca está no brejo, exausta de tanto berrar; cansada de tantos maus tratos, enfim, não é por menos que o Brasil está do jeito que está.

(11)
A república brasileira é uma piada grotesca contada por vilões escandalosos que fazem da rapina sua profissão de fé.

(12)
Toda nação tem o seu mito fundador. Nele encontra-se compactada todas as possibilidades de realização das gentes que a ele aderem. Há cinco séculos, quando as naus portugas aqui aportaram, fora lançado um poderoso mito fundador: chamaram-nos de Terra de Vera Cruz. Já pararam pra imaginar as possibilidades? Pois é. Todavia, tal mito, aparentemente não correspondia à têmpera de nossa gente. Preferiu-se então a alcunha de Brasil, terra do pau vermelho e o cidadão, brasileiro, aquele que vive pra derrubá-lo. Resumindo: trocamos um mito fundador por um mico afundador.

Dartagnan Zanela

Professor e ensaísta. Autor dos livros Sofia Perennis, O Ponto Arquimédico, A Boa Luta, In Foro Conscientiae e Nas Mãos de Cronos – ensaios sociológicos.

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.