Dom11182018

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

25 Set 2015

ENTRE RASCUNHOS E RANHETICES

Escrito por 

Hoje, pessoas desfibradas e desprovidas de caráter legislam sobre moral e lavoram para impor cínicos limites sobre a liberdade religiosa e, ao mesmo tempo, há uma multidão de pessoas religiosas que não veem nada de errado, nem mesmo de esquisito nisso tudo.

 

(1)
O caipora que teme desagradar os canalhas com as palavras que ele pensa em proferir, o indivíduo que se omite frente à esbórnia geral porque sonha ser paparicado por aqueles que não valem um vintém furado, não passa de um coitado que se encontra num irremediável coma moral. O caboclo pode até despertar desse transe sorumbático, mas as sequelas ficarão e não serão poucas, infelizmente.

(2)
Os vermelhinhos de boutique se babam pra dizer que “nós devemos acabar com o capetalismo”. Mas, fazem isso através de seu ifone, pelo facebook, calçando seu Nike e estando no seu carro importando da marca de sua preferência. E se o figura é chamado de hipócrita por ser assim, faz beicinho. Mãezinha! Ele é uma pessoa crítica. Se for chamado de idiota, fica magoadinho e revoltado. Ou seria revoltado e magoadinho? Vai saber! Mas quer saber duma coisa: gente assim apenas fala isso por não sabe o que fala e nem o que “pensa” e assim o são por adotarem dia e noite, noite e dia, o modus raciocinandi da comandanta ou de criaturas similares do seu rubro mundinho.

(3)
A forma como o brasileiro médio encara a vida religiosa é similar aos modos de um esganado, ou afetado, num bufê por quilo. E assim o é porque na grande maioria dos casos, o caboclo ignora totalmente o que ele recita na oração Dominical; de maneira especial na das petições que diz: “seja feita a Vossa vontade”.

Pois é, rezamos isso com os lábios, mas nosso coração. Como bom freguês dum bufê espiritual, quando o sujeito entoa essas palavras o faz de acordo com a sua própria vontade para que ela, não a Dele, se realize aqui, ali e acolá.

Dum modo geral, o sujeito julga-se tão gostosão que quando algo da fé lhe desagrada, a primeira e única reação do sinhozinho é dizer que não concorda com isso, com aquilo e com aquele outro. Rapidamente afirma que a Igreja tem que mudar, que ela está muito atrasada e aquela patacoada toda de sempre que qualquer um conhece e é capaz de repetir mecanicamente.

Entretanto, nunca, nunca, nunca lhe ocorre que talvez ele, com toda sua parca inexperiência e indigesta petulância, poderia estar errado e carente, muito carente, duma correção espiritual. Jamais passou pela cabeça do caipora que talvez seja ele quem devesse mudar.

Pois é, mas, mesmo assim, ele se considera um bom católico. Não um Católico que se esforça em viver a sua vida de acordo com o que Cristo nos ensinou, pelo contrário. O esquema é viver a vida do seu jeitão que, no seu entender, é “bem melhor” porque ele, ao seu modo, corrigiu e atualizou os ensinamentos do Verbo divino encarnado.

(4)
A Santa Madre Igreja tem uma doutrina social sim senhor, porém, não é essa doutrina que define o papel da Igreja e o sentido da Fé Católica. Ao contrário: é a Fé Católica e o papel da Igreja no mundo que definem a Doutrina Social. Somente os canalhas mal intencionados se fazem de desentendidos e pervertem essa obviedade ululante.

(5)
Sim, a Igreja tem uma ética social, mas não ela que define o Cristão. É Cristo que define o que é a Igreja e bem como a ética e tudo mais que integre o Seu corpo místico. Resumindo: ser cristão não é o mesmo que posar de bonzinho. Ser Cristão é reconhecer que somente Ele. Todo o resto não passa de gambiarra.

(6)
Se o cristianismo fosse apenas uma ética social politicamente engajada, como muitos estultos com diploma de doutor querem fazer crer, ele jamais teria existido como Religião. Ele teria sido apenas mais uma entre tantas outras doutrinas sociais que vieram e passaram como os céus e as terras que, com o devir do tempo, também nos deixaram.

(7)
Hoje, pessoas desfibradas e desprovidas de caráter legislam sobre moral e lavoram para impor cínicos limites sobre a liberdade religiosa e, ao mesmo tempo, há uma multidão de pessoas religiosas que não veem nada de errado, nem mesmo de esquisito nisso tudo.

(8)
Entenda de uma vez por todas que é muito fácil emburrecer, muito mesmo.

(9)
Filme que atualmente está em cartaz em todas as telas do Brasil: Apertem os cintos! A Comandanta, de novo, assumiu.

Dartagnan Zanela

Professor e ensaísta. Autor dos livros Sofia Perennis, O Ponto Arquimédico, A Boa Luta, In Foro Conscientiae e Nas Mãos de Cronos – ensaios sociológicos.

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.