Sex11222019

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

03 Set 2015

ATÉ O FIM

Escrito por 

No texto da reportagem, fica claro que o vice-presidente se refere ao fim do mandato eletivo, mas o cabeçalho da mesma não esclarece isso. Não sei se de propósito ou não, a chamada fica dúbia o bastante para provocar no leitor a curiosidade de buscar no texto mais esclarecimentos. Se a generalidade for intencional, é uma manchete daquelas que deve ser estudada nas aulas de jornalismo.

 

Em manchete na página 6 da edição de 1º de setembro, o jornal O Globo publica: “Temer declara que Dilma vai governar até o fim”.

No texto da reportagem, fica claro que o vice-presidente se refere ao fim do mandato eletivo, mas o cabeçalho da mesma não esclarece isso. Não sei se de propósito ou não, a chamada fica dúbia o bastante para provocar no leitor a curiosidade de buscar no texto mais esclarecimentos. Se a generalidade for intencional, é uma manchete daquelas que deve ser estudada nas aulas de jornalismo.

Da maneira como está escrita, dá margem a várias interpretações: “até o fim” de que?

Da economia brasileira, cuja situação calamitosa se reflete numa proposta de orçamento deficitária para 2016?

Dos sonhos da classe média de adquirir uma casa própria, manter os filhos na escola, progredir na profissão, garantir um rendimento que lhe proporcione algum conforto?

Da esperança dos assalariados, de manter um emprego estável, aperfeiçoar-se e progredir no mesmo, construir para os filhos uma sociedade mais estável e promissora?

Da ideia dos jovens de permanecer por mais tempo na escola, acumulando capital intelectual para uma profissão melhor remunerada no futuro?

Dos planos dos empresários, que não têm confiança no dia de amanhã e adiam ou transferem para outros países os investimentos de que tanto necessitamos para garantir nosso futuro e crescimento sustentado?

De nosso combalido sistema de ensino, pessimamente classificado nas comparações internacionais e prejudicado por infindáveis greves, onde apenas o lado do empregador tem algo a perder, já que no Brasil os dias parados em greves continuam a ser remunerados para o grevista? Que tipo de negociação é essa?

Da pálida tentativa de amadurecimento das instituições republicanas nacionais, enfraquecidas pelos que pretendem a crise permanente como garantia de seus privilégios políticos ou apostam no “quanto pior, melhor”, a começar pelo próprio governo, que vê na crise a garantia de que ninguém desejará, de fato, ascender ao poder em condições tão críticas e desvantajosas?

Do arremedo de reforma política aprovado pelo Congresso, que não muda nada, nem mesmo as coligações em eleições proporcionais; ou a figura única e vergonhosa dos suplentes dos eleitos, que serão deputados ou senadores sem terem recebido nenhum voto e sendo completos desconhecidos para os eleitores; ou as cada vez menos confiáveis urnas eletrônicas, jabuticaba brasileira que não é adotada por nenhum outro país, pelas facilidades que oferece à fraude nos resultados eleitorais; ou ao absurdo das coligações diferentes nas eleições regionais e nas nacionais, o que confirma que os programas políticos dos inúmeros partidos nada significam, o que interessa é chegar ao poder a qualquer custo; ou ao sistema de capitanias hereditárias que vigora em nossa política, onde os atuais candidatos são filhos ou netos de antigos caciques, como os sarneys, os vasconcelos, os lobões, os neves e tantos outros que perenizam as dinastias e mantêm o monopólio dos privilégios dentro dos clãs familiares?

Da confiança que ainda resta no Judiciário, esperança de justiça na punição dos assaltantes do erário que quase destruíram a Petrobras e apostam até agora na impunidade que sempre reinou para os poderosos?

Do antigo e sempre adiado sonho de um país democrático, com renovação da classe política e alternância das diferentes correntes de pensamento no poder, sem tentativas de domínio ditatorial do governo nacional pelos donos da verdade dos extremos do espectro político, incluindo aí o projeto petista de poder ilimitado e eterno?

O fim do Brasil como o sonhamos?

Clovis Puper Bandeira

Nascido em 28 Fev 45 em Pelotas - RS

General de Divisão da Reserva do Exército Brasileiro

Ex Vice-Presidente e atual Assessor Especial do Presidente do Clube Militar

Principais funções na carreira militar:

- Instrutor da AMAN e da ECEME

- Aluno do US Army War College - EUA

- Comandante do 10º BI - Juiz de Fora - MG

- 1º Subchefe do Estado-Maior do Exército - Brasília - DF

- Comandante da 17ª Brigada de Infantaria de Selva - Porto Velho - RO

- Chefe do Estado-Maior do Comando Militar da Amazonia - Manaus - AM

- Diretor de Especialização e Extensão - Rio - RJ

- Comandante da 3ª Região Militar - Porto Alegre - RS

- Chefe do Departamento de Inteligência Estratégica do Ministério da Defesa - Brasília - DF

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.