Dom09152019

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

17 Out 2014

DILMA E O NOCAUTE

Escrito por 

Os grupos focais, base das pesquisas qualitativas, que reúnem especialmente indecisos, trouxeram ótimas notícias para Aécio. Tanto os grupos organizados pelo PT, quanto pelo PSDB, mostraram larga vantagem para o tucano. O debate de ontem, visto pelos indecisos, tende a trazer votos para Aécio.

 

no·cau·te (inglês knockout) substantivo masculino

1. [Desporto] Golpe decisivo que põe o adversário fora de combate. 2. Estado de inconsciência. 3. Avaria ou perturbação grave de funcionamento. 4. Posto fora de combate. 5. Sem sentidos. in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013.

Voltamos ao estado natural das coisas. Dilma pode ter inovado no primeiro debate, quando veio com a faca entre os dentes e surpreendeu Aécio, tomando o controle da discussão. Mas vemos que foi um ponto fora da curva. No debate de ontem no SBT, promovido pela emissora de Sílvio Santos, mais UOL e rádio Jovem Pan, o tucano assumiu o comando do derby logo no começo e impôs mais do que um massacre, mas uma espécie de vexame para a candidata vermelha, que trajava verde.

João Santana preparou muito bem Dilma mais uma vez. Com dezenas de papéis e intermináveis anotações, tinha mais uma vez o script do debate em sua cabeça. Logo na primeira resposta tentou usar o mesmo artifício aplicado no debate anterior, ou seja, sem responder a pergunta, imputou acusações em cima de Aécio, tentando inverter a pauta. Veio o revés. A tática, já esperada pela equipe de Aécio, foi neutralizada e Dilma saía atrás no primeiro round. Perdia por pontos.

Enquanto Dilma tratava de imputar acusações em cima do tucano, Aécio pedia que se elevasse o nível do debate e propunha sempre um novo tema a ser discutido. Não importava. Dilma voltava ainda mais feroz, abusando de um semelhante nervoso e arrogante, lembrando o comportamento de uma diretora de escola primária do passado portando uma palmatória. Neste momento, quando as acusações desceram ao nível pessoal, Aécio devolveu na mesma moeda: o irmão de Dilma é funcionário fantasma da Prefeitura de Belo Horizonte, contratado sem concurso pelo governador eleito Fernando Pimentel. Ela arrepiou. Sentiu o golpe. Conheceu as cordas.

Dentro do ringue, Dilma já devia estar meio zonza quando os temas versavam sobre programas, dados do governo e a realidade brasileira. Ali o tucano nadou de braçadas. Ela parecia perdida no interminável mar de papéis e anotações feitas pelo seu marqueteiro. Ao final, depois do vexame, ela não conseguia sequer terminar um raciocínio diante da repórter do SBT. Atropelada duas vezes pela falta de foco, abraçou a desculpa dada pela jornalista e alegou que sentiu-se mal. Deu-se o nocaute. Recuperada, já tinha gastado seu tempo e perdeu a paciência e a esportiva com a repórter.

A audiência, espetacular para o horário, foi de nove pontos. Quem assistiu foi um público que não está acordado para ver os debates noturnos. Foram as pessoas que dirigiam seu carro de volta para o trabalho ou aqueles que, em bares, rodoviárias e ônibus, conseguiram sintonizar a internet, rádio e televisão.

Os grupos focais, base das pesquisas qualitativas, que reúnem especialmente indecisos, trouxeram ótimas notícias para Aécio. Tanto os grupos organizados pelo PT, quanto pelo PSDB, mostraram larga vantagem para o tucano. O debate de ontem, visto pelos indecisos, tende a trazer votos para Aécio.

Hoje, distante do inferno que foram os estúdios do SBT para Dilma, os petistas já responderam com a estratégia esperada: a vitimização da candidata. Seguem atacando o tucano, acusando-o de impiedoso. Mas como já disse aqui, neste embate, Dilma literalmente beijou a lona. O boxe eleitoral não conhece vitória parcial. Dilma conheceu a dor do nocaute.

Márcio Coimbra

Márcio Chalegre Coimbra, é advogado, sócio da Governale - Políticas Públicas e Relações Institucionais (www.governale.com.br). Habilitado em Direito Mercantil pela Unisinos. Professor de Direito Constitucional e Internacional do UniCEUB – Centro Universitário de Brasília. PIL pela Harvard Law School. MBA em Direito Econômico pela Fundação Getúlio Vargas. Especialista em Direito Internacional pela UFRGS. Vice-Presidente do Conil-Conselho Nacional dos Institutos Liberais pelo Distrito Federal. Sócio do IEE - Instituto de Estudos Empresariais. É editor do site Parlata (www.parlata.com.br) articulista semanal do site www.diegocasagrande.com.br e www.direito.com.br. Tem artigos e entrevistas publicadas em diversos sites nacionais e estrangeiros (www.urgente24.tv e www.hacer.org) e jornais brasileiros como Jornal do Brasil, Gazeta Mercantil, Zero Hora, Jornal de Brasília, Correio Braziliense, O Estado do Maranhão, Diário Catarinense, Gazeta do Paraná, O Tempo (MG), Hoje em Dia, Jornal do Tocantins, Correio da Paraíba e A Gazeta do Acre. É autor do livro “A Recuperação da Empresa: Regimes Jurídicos brasileiro e norte-americano”, Ed. Síntese - IOB Thomson (www.sintese.com).

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.