Sáb11162019

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

25 Ago 2014

A ESQUERDA NÃO FUNCIONA EM LUGAR ALGUM; O CASO DO FRACASSO SOCIALISTA FRANCÊS (UMA VEZ MAIS)

Escrito por 

Os próprios socialistas franceses já aceitam a hipótese de que a esquerda local pode morrer, justo em um país que sempre teve uma esquerda muito forte. Pior: o imenso fracasso das medidas de Hollande pode jogar o país no colo de uma direita retrógrada e nacionalista, representada por Le Pen.

 

O problema com a esquerda não é local, não depende da cultura do povo, da sua fase de desenvolvimento, nada disso. É um problema estrutural, em sua essência, em seu mecanismo de incentivos (ou desincentivos). Não funciona em lugar algum do mundo, em época alguma. E o caso recente do fracasso socialista na França é apenas mais uma evidência disso:

Em 2017, a direita vencerá as eleições presidenciais na França após a eliminação no primeiro turno do candidato do Partido Socialista (PS), o então primeiro-ministro Manuel Valls, na disputa com Marine Le Pen, da extrema-direita da Frente Nacional (FN). O novo governo contará com nomes da direita radical em seu ministério. Em seu pronunciamento na TV, o recém-eleito presidente da República explicará que esta decisão foi uma “escolha democrática e republicana” face ao dever de ouvir a voz dos eleitores de Marine Le Pen. O presidente deposto, François Hollande, havia invocado razões pessoais para antecipar sua aposentadoria política e não concorrer à reeleição. Reunido em conselho nacional, o PS se interrogará: como explicar a derrota?

A previsão acima encerra o ensaio “Esquerda: o futuro de uma desilusão” (ed. Textuel), do sociólogo Éric Fassin, professor de Ciências Políticas da Universidade Paris 8. Formulada como uma “fábula”, como enfatiza o autor, a profecia assombra socialistas em noites insones. Mesmo que ainda faltem dois anos e meio para o pleito que definirá o inquilino do Palácio do Eliseu no próximo mandato, as pesquisas de opinião apontam hoje a exclusão do atual presidente do segundo turno, se fosse o candidato definido pelo partido. Com crescimento econômico nulo, desemprego em constante alta e índice de popularidade em queda, o balanço do governo Hollande até agora não favorece cenários eleitorais otimistas. Mas além do receio do veredicto das urnas — já negativo nos recentes pleitos municipal e europeu —, o PS entrou em crise existencial e de identidade, deitou no divã, e vem sendo acusado de afundar a esquerda no país.

[...]

O deputado franco-brasileiro Eduardo Cypel, nome em ascensão no PS, tem se multiplicado em programas de TV, de rádio e em artigos em jornais e revistas para explicar a crise socialista e não deixar o eleitorado do partido em desespero. O parlamentar minimiza a desfiliação de militantes, ao defini-la como um fenômeno natural e conjuntural. E desqualifica como “briguinha de palavras” o atual debate em torno de nomenclaturas ideológicas.

— Há muito tempo o PS é um partido social-democrático, que aceita a economia de mercado, mas que acredita que ela deve ser regulada — defende. — Acho tudo isto muito estéril. Temos de produzir palavras e definições novas para sair deste jogo de “social-democracia”, um termo que já está desgastado, associado à experiência da esquerda anglo-saxã, de Tony Blair, que ganhou uma conotação liberal.

Os próprios socialistas franceses já aceitam a hipótese de que a esquerda local pode morrer, justo em um país que sempre teve uma esquerda muito forte. Pior: o imenso fracasso das medidas de Hollande pode jogar o país no colo de uma direita retrógrada e nacionalista, representada por Le Pen.

Esse fracasso socialista não é novo nem na França. François Mitterrand jogou a nação no caos com suas medidas populistas e coletivistas, estatizando setores inteiros. Enquanto isso, a Inglaterra de Thatcher mostrava a alternativa liberal, com privatizações e economia de mercado. O próprio Mitterrand reconheceu o equívoco e tentou reverter parcialmente o curso.

A esquerda francesa demonizou a necessidade de austeridade fiscal, mas países que foram por esse caminho – como Inglaterra e Portugal – estão em melhores condições relativas. Para piorar, Hollande veio com um pacote socialista que pune o rico, como o imposto de renda de até 75%, gerando uma fuga de capitais do país. Nunca um país ficou rico desprezando os ricos.

Agora até mesmo as novas lideranças do Partido Socialista já falam em aceitar a “social-democracia” com uma economia de mercado, bandeira que, no Brasil, pertence ao PSDB. É um passo adiante, rumo ao centro, mas ainda ineficiente. Tony Blair não conseguiu resultados bons.

O que funciona mesmo é o liberalismo, um estado mais enxuto e transparente, com escopo de atuação menor, sem tanta regulação. Os socialistas precisam evoluir muito para chegar à social-democracia razoável, mas esta também precisa de mais evolução até o liberalismo de fato.

Diante do retumbante fracasso de todas as experiências mais socialistas na história, é um espanto tamanha insistência no erro. O problema é a ignorância geral acerca do assunto, a fomentação da inveja aos mais ricos, e o fato de que alguns poderosos se beneficiam bastante com o modelo que concentra poder e recursos no estado. O povo paga o pato, como sempre.

Rodrigo Constantino

Rodrigo Constantino é economista formado pela PUC-RJ, com MBA de Finanças pelo IBMEC. Trabalha desde 1997 no mercado financeiro, como analista de empresas e administrador de portfolio. É autor do livro "Prisioneiros da Liberdade", da editora Soler.

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.