Dom09152019

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

13 Ago 2014

RUMO A UM MUNDO SEM GRAÇA ALGUMA

Escrito por 

 

 

 

A regra básica é simples: só ria de quem está por cima. Piadas que tenham como alvo homens (exceção feita dos homossexuais), ricos e poderosos, pode. O que não pode é rir das mulheres, dos pobres e desvalidos. Ora, esta é a forma mas sofisticada de humor.

 

Lá pelos anos 90, quando o Brasil importou, via esquerdas ianques, a moda do políticamente correto – eufemismo para stalinismo na linguagem – entrou em vias de extinção um gênero muito nosso, a piada. Venho denunciando este crime cultural há uns bons quinze anos. No que não sou nada original. Não passa dia sem que a imprensa o denuncie.

Mas com uma curiosa contradição: enquanto denunciam a nova moda através de seus articulistas, os jornais se comportam como politicamente corretos em seus artigos. Conforme o contexto, já não se fala mais em negros, mas em afrodescendentes. (Outro dia li esta pérola, indivíduo não branco). Homossexuais está virando palavra de dicionário antigo. Agora o correto é homoafetivos. Bicha virou crime. A palavra sexo está sendo substituída por gênero.

O politicamente correto está inclusive falseando filmes. Revi outro dia M.A.S.H. – filme que muito me fez rir nos dias de minhas universidades – na televisão, em uma maldita versão dublada, mas com legendas. Em um jogo de futebol americano, há um momento em que a torcida adversária chama um jogador negro de macaco. Assim ficou na legenda, ao que tudo indica, antiga. Na dublagem, o macaco foi corretamente trocado por rato. Ou seja, não mais se respeita sequer uma obra de arte.

O zelo das esquerdas chegou a tal ponto que o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem foi substituído pela expressão neutra frase neutra em termos de género, Tribunal Europeu dos Direitos Humanos. (A palavra gênero, na frase, não é minha. É da Wikipedia, em verbete que discute o politicamente correto).

Apesar da veemente condenação dos jornalistas, a nova tirania linguística só tem crescido a cada ano que passa. Piada de negro, hoje nem negro pode contar. O ano de 2011 foi um marco na escalada do politicamente correto. A interdição de piadas estendeu-se aos portugueses. Uma propaganda da rede de lanchonetes Habib's para promover seu bolinho de bacalhau não foi bem recebida pela comunidade portuguesa, que acionou órgãos de defesa do consumidor.

A campanha dizia que o preço do produto era uma piada e fazia brincadeiras jocosas: "Como se chama um homem inteligente em Portugal? Turista". Uma das piadas no papel das bandejas era: "Qual é o único português que serve para alguma coisa? O Manuel de instruções". O Instituto Brasileiro de Estudo e Defesa das Relações de Consumo disse ter recebido ao menos dez denúncias. "Trata-se de discriminação contra o consumidor", declarou na ocasião seu presidente, José Geraldo Tardin. A portuguesa Maria Teresa Ferreira Nunes, há 29 anos no Brasil, diz que se sentiu humilhada e constrangida. "Não tinha nada de propaganda, era só piada de português."

Ou seja, não se pode mais contar piadas de português. Ora, piada, de modo geral, sempre fazemos sobre o habitante do país vizinho. Isso quando o país tem algum prestígio. País sem prestígio não vale. Não ouvimos piadas sobre paraguaios ou uruguaios no Brasil. As piadas sempre se referem aos argentinos, e não são nada gentis.

Portugal pode estar geograficamente distante, mas está historicamente perto. Perfeitamente normal que entre nós existam piadas sobre portugueses. Da mesma forma, na França há muitas piadas sobre belgas. Os belgas são os portugueses dos franceses. E há muitas piadas de alemães sobre franceses. E de franceses sobre alemães. Os suecos fazem piadas em cima dos daneses. E os daneses fazem piadas de sueco de volta. Humor faz parte da vida.

Ou fazia. Com a emergência do tal de politicamente correto, fazer piada virou crime. Hoje, se você faz piada de negro, está arriscando prisão por racismo. Sem fiança. Mais um pouco, e será proibido fazer piada de judeu. Brasileiros, passamos a vida inteira fazendo piada de portugueses. E vice-versa. Nunca ninguém se ofendeu com isso. Agora, de repente, surgiram pessoas que se ofendem.

Ora, piada é piada. Tanto que não as levamos a sério. Quando faço piada de judeus, negros ou portugueses, não estou chamando ninguém de canalha ou coisa parecida. Estou fazendo humor, amigavelmente, com judeus, negros ou portugueses. Da mesma forma, não me incomodo se alguém fizer humor a meu respeito, seja pela condição de branco, brasileiro ou gaúcho. Só o que faltava, não podermos rir de nossos semelhantes. Só o que faltava proibir alguém de rir de mim.

Saudades dos 60, quando piada não era crime. Saudades do Colégio Santa Maria, dos maristas, em Santa Maria. Tive como colega de científico um anão, famoso na cidade, que era o pára-raios de todas as piadas. Nosso professor de Física, irmão Daniel, o chamava de massa zero: não afetava a lei da gravidade. Já para o irmão Leão, professor de Química, ele era o Baixinho das idéias fedorentas: tinha o ânus muito perto da cabeça. Quem mais se divertia com essas piadas todas era o próprio Trindade, o anão.

Trindade foi lenda na cidade. Fez vestibular para Medicina, onde escolheu ser pediatra. Já no desfile dos bichos, disse ao que vinha. Em um carro alegórico, foi montada uma sala de parto. A “parturiente” era o Norval, o gorducho da turma. De pernas abertas em uma mesa ginecológica, chegou às vascas da agonia ao passar pelo palanque da comissão julgadora. De seu ventre, puxado pelos pés e com um calção cor de pele, veio à luz o Trindade, esperneando e berrando com sua voz rouca. O umbigo era corda, que foi cortada com um machado sobre um cepo. Era o Dia das Mães e a brincadeira valeu alguns regougos da diocese. Mas nada além disso.

Glorioso como entrou na faculdade, da mesma forma dela saiu. Consta da lenda que, em sua formatura, foi com a turma para um bordel. Claro que todos queriam ver como se consumavam os fatos e postaram-se em torno à cama. O anão foi marinhando mulher acima, quando ela disse:
- Meu bem, tu passaste...
- Quero te beijar. Depois eu volto.

Lenda ou não, coroa uma trajetória. Tempos da escola risonha e franca, tempos que não volta mais. A praga está contaminando tudo, e mais rápido que o ebola. Leio na Folha de São Paulo que a reação de alguns alunos de um cursinho fez professores pararem com piadas. Os estudantes consideraram as brincadeiras machistas e homofóbicas e os pais cobraram explicações. Já os professores dizem que são mal interpretados e que as aulas perdem a descontração.

"O movimento feminista mais importante na história é o movimento dos quadris." "Mulher é como filme: só se revela no escuro." Piadas típicas de cursinho pré-vestibular como essas correm risco de extinção. As direções de instituições preparatórias frequentadas pela classe média alta paulistana têm orientado os professores a suspender comentários jocosos no intuito de evitar ameaças judiciais.

Alunos e especialmente alunas têm reclamado do que consideram machismo, homofobia e racismo aos pais, que cobram explicações.

Em sala, estudantes gritam, choram, cobrem seus rostos com a apostila, retiram-se e até despem-se - segundo relatos de professores à Folha, uma menina ficou de sutiã em protesto duas vezes no ano passado no Intergraus de Pinheiros. Nos corredores, afirmam que "o mundo é sofrido demais para tais brincadeiras".

É de menino que se torce o pepino. Claro que tais reações não surgem espontaneamente em jovens. É fruto de muita doutrinação de adultos. Daqueles adultos que, morta a luta de classes, de alguma luta precisam para sobreviver. Então jogam preto contra branco, homem contra mulher, portugueses contra brasileiros e até mesmo latinos contra europeus. No circuito politicamente correto, gostar da Europa já ganhou um pejorativo, eurocêntrico.

A regra básica é simples: só ria de quem está por cima. Piadas que tenham como alvo homens (exceção feita dos homossexuais), ricos e poderosos, pode. O que não pode é rir das mulheres, dos pobres e desvalidos. Ora, esta é a forma mas sofisticada de humor.

Estamos rumando a um mundo sem graça alguma.

 

 

 

Janer Cristaldo

O escritor e jornalista Janer Cristaldo nasceu em Santana do Livramento, Rio Grande do Sul. Formou-se em Direito e Filosofia e doutorou-se em Letras Francesas e Comparadas pela Université de la Sorbonne Nouvelle (Paris III). Morou na Suécia, França e Espanha. Lecionou Literatura Comparada e Brasileira na Universidade Federal de Santa Catarina e trabalhou como redator de Internacional nos jornais Folha de S. Paulo e Estado de S. Paulo. Faleceu no dia 18 de Outubro de 2014.

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.