Sex04162021

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

15 Nov 2004

Horizonte ou Cenário?

Escrito por 

Caberia ponderar, então, se a utopia não cumpre, no pensamento e na ação política, o papel desse anseio que nos induz a buscar a perfeição mesmo sabendo-a inatingível.

Eduardo Galeano, em conhecida e reverenciada reflexão sobre a utopia, escreve: "A utopia está lá no horizonte. Me aproximo dois passos, ela se afasta dois passos. Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos. Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei. Para que serve a utopia? Serve para isto: para que eu não deixe de caminhar". Impressionante, não é mesmo?

O que o escritor uruguaio afirma coincide com algo que a experiência nos ensina: a perfeição deve ser buscada, mas nunca será atingida. Sempre haverá uma distância entre ela e a realidade.

Caberia ponderar, então, se a utopia não cumpre, no pensamento e na ação política, o papel desse anseio que nos induz a buscar a perfeição mesmo sabendo-a inatingível. Para que possamos chegar a uma conclusão sobre tal pauta, torna-se necessário verificar se a tal caminhada produziu ganhos qualitativos em relação à realidade a que a utopia se opunha. Caso contrário, ela terá sido apenas cenário, ilusão a encobrir um objetivo errado.

Ora, é impossível desconhecer que o comunismo ou o socialismo, como horizonte da utopia que seduz Galeano e seus companheiros, levou a humanidade a algumas das mais perversas realidades do século XX. Mais de cem milhões de seres humanos morreram e incontáveis outros apodreceram nas prisões, nos gulags, nos campos de concentração, em nome do horizonte em cuja direção Galeano convida seus leitores a andar... Os regimes em seu nome constituídos caíram de pobres e podres. Pois que vá solito, o Eduardo. Prefiro tomar como referência os grandes estadistas que fizeram avançar seus povos com democracia, liberdade, realismo, pés no chão e valores elevados.

O que acabo de expor também explica, em boa parte, a desilusão que se abateu sobre parcela decisiva dos eleitores neste pleito de 2004. Durante duas décadas certo partido os seduziu confrontando a realidade em que vivem com o cenário de sua utopia. Repetidamente apontei para o embuste envolvido nessa estratégia onde embarcou e naufragou parcela significativa da intelectualidade nacional: comparar realidade com utopia é um desacato à Razão. Só se pode comparar idéia com idéia e realidade com realidade. E a coisa fica muito pior quando se descobre que o horizonte da utopia não passa de um reles cenário. Para muitos eleitores, pelo menos, a ficha, finalmente, caiu.

Última modificação em Domingo, 22 Setembro 2013 17:47
Percival Puggina

O Prof. Percival Puggina formou-se em arquitetura pela UFRGS em 1968 e atuou durante 17 anos como técnico e coordenador de projetos do grupo Montreal Engenharia e da Internacional de Engenharia AS. Em 1985 começou a se dedicar a atividades políticas. Preocupado com questões doutrinárias, criou e preside, desde 1996, a Fundação Tarso Dutra de Estudos Políticos e Administração Pública, órgão do PP/RS. Faz parte do diretório metropolitano do partido, de cuja executiva é 1º Vice-presidente, e é membro do diretório e da executiva estadual do PP e integra o diretório nacional.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.