Seg11182019

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

19 Jul 2014

LGBT DIXIT

Escrito por 

 

 

 

Agora, temos por decreto que o ser humano não pode optar por suas preferências sexuais. LGBT dixit. A campanha da presidente entendeu rapidinho o recado. Seja feita a sua vontade.

 

Homofobia, para começar, é neologismo que começou errado. Pretendeu-se associar o homo a homossexual, quando homo continua tendo seu significado original grego, o de mesmo. Homofobia, etimologicamente, quer dizer “mesmo medo”. Ora, a palavrinha pretende ser sinônima de repulsa ao homossexualismo. Não é. Foi construída errada. É espantoso ver jornalistas, profissionais que todos os dias lidam com as palavras, aceitarem conceitos sem pé nem cabeça, sem sequer questioná-los.

Vou usar, à guisa de argumentação, a palavrinha mal construída. Se você sair por aí pregando a pena de morte para homossexuais, evidentemente será condenado como homófobo. Mas é o que diz o Livro. Será a Bíblia então proibida? A senadora Marta Suplicy, ciente desta implicação absurda, abriu uma exceção no projeto de lei. Nos templos, seria permitida a condenação do homossexualismo. Com isto deixa claro que, fora dos templos, qualquer crítica ao homossexualismo está sujeita às penas da futura lei. Se um padre ou pastor ler o Levítico em um templo, tudo bem. Se ler em praça pública, cadeia nele.

Se você pregar a pena de morte para os heterossexuais, tudo bem. Está exercendo seu direito à livre expressão. O projeto de lei contra a homofobia pretende criminalizar a discriminação contra homossexuais no país. Se você discriminar quem gosta do sexo oposto, nada obsta. O que os homossexuais pretendem, no fundo, é uma lei que beneficia apenas a eles. Na verdade, estão discriminando quem não participar de suas opções sexuais.

Quem está patrocinando esta tal de legislação anti-homofóbica, como também o malsinado kit anti-homofobia, é o PT. E só podia ser. Com a queda do muro de Berlim e o desmoronamento da União Soviética, as viúvas do Kremlin, saudosas da finada luta de classes, criaram agora outros conflitos. Se você for pesquisar os arquivos de jornais – e eu fiz esta pesquisa na Folha de São Paulo – verá que na década de 90 a palavra racismo se multiplica por mil na imprensa. Se a luta de classes obsolesceu, vamos agora jogar raça contra raça. Se isto não bastar, jogamos sexo contra sexo. Sem lutas, a Idéia – como se dizia no início do século passado – não avança.

Quem vos fala é um cronista que sempre defendeu a liberdade de uma pessoa optar pelas práticas sexuais que bem entender. Mas se defendo esta liberdade, defendo também a de não gostar – e mesmo condenar – determinadas sexualidades. O mundo está cheio de pessoas às quais repugna a prática do homossexualismo. Porque repugna, não sei. Afinal, se outros gostam disto ou daquilo, ninguém tem nada a ver com isso. Mas considero que estas pessoas têm todo o direito a manifestar tal repulsa.

Os homossexuais hoje tornaram-se uma seita agressiva, que pretende ter mais direitos que os demais mortais. Atribuem-se inclusive o direito de determinar como devem ser definidos. Leio nos jornais que o texto do programa de governo de Dona Dilma, protocolado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) causou manifestações de descontentamento na comunidade gay.

Motivo: o texto utiliza a expressão “opção sexual” ao se referir a lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. A expressão utilizada em organizações internacionais de direitos humanos é “orientação sexual”. Segundo a militância, quem ainda recorre ao termo “opção” são sobretudo fundamentalistas religiosos, defensores da chamada “cura gay”.

Homossexuais e afins constituem hoje importante clientela eleitoral, e o governo está atento a estes votos. O Setorial Nacional LGBT (do Partido dos Trabalhadores, é claro) emitiu nota oficial sobre a questão e cobrou mudança. Afirma que foi “surpreendido” pelo texto e observa: “Há décadas o movimento LGBT internacional e nacional – e o próprio PT – tem usado o termo orientação sexual, para destacar que no terreno da sexualidade não se fazem ‘opções’, como escolher entre cores de roupa ou itens de um cardápio. A sexualidade humana é complexa, absolutamente diversa, plural e ‘determinada’ por inúmeros fatores sociais, culturais, históricos e individuais.”

Quer dizer, se o LGBT internacional decretou que assim é, assim deve ser. Fixou uma nomenclatura e não é lícito usar outras expressões que não a aceita pelo LGBT. Submisso, o governo recuou. A equipe responsável pelo programa tratou de corrigir o erro no documento reproduzido no site da campanha de Dona Dilma. O trecho polêmico diz: “Ainda no elenco de desafios institucionais, a luta pelos DIREITOS HUMANOS se mantém, sempre, como prioridade, até que não existam mais brasileiros tratados de forma vil ou degradante, ou discriminados por raça, cor, credo, sexo ou opção sexual”.

Com a mudança, a parte final do parágrafo ficou assim: “…até que não existam mais brasileiros tratados de forma vil ou degradante, ou discriminados por raça, cor, credo, orientação sexual ou identidade de gênero.” Por um punhado de votos – e que punhado – o PT decidiu que homossexualismo não é opção, mas destino. Os seres humanos nascem heteros ou homos, e isso de ter preferências sexuais está acima do livre arbítrio. O que em nada difere da tese safada de que homossexualismo é genético. Nega-se ao ser humano o direito de preferir com quem quer estar na cama.

Ora, fora casos de conformação genital ou mesmo de educação, homossexualismo é obviamente uma escolha. Experimentei, gostei, assumi. Sexualidade não tem maiores mistérios. Estímulo e reação. Se você recebe um estímulo oral, digamos, seu corpo vai reagir sem perguntar de quem é a boca. Por outro lado, relacionar-se com o mesmo sexo é muito bom. Ou os homos não seriam milhões.

Tive bons amigos homossexuais, desde o ginásio até a universidade. Verdade que o tempo e a distância nos separaram. Seja como for, jamais perguntei pelas razões de suas escolhas. Alguns eram homossexuais desde jovenzinhos, outros descobriram o bom esporte já adultos.

Agora, temos por decreto que o ser humano não pode optar por suas preferências sexuais. LGBT dixit. A campanha da presidente entendeu rapidinho o recado. Seja feita a sua vontade.

 

 

 

Janer Cristaldo

O escritor e jornalista Janer Cristaldo nasceu em Santana do Livramento, Rio Grande do Sul. Formou-se em Direito e Filosofia e doutorou-se em Letras Francesas e Comparadas pela Université de la Sorbonne Nouvelle (Paris III). Morou na Suécia, França e Espanha. Lecionou Literatura Comparada e Brasileira na Universidade Federal de Santa Catarina e trabalhou como redator de Internacional nos jornais Folha de S. Paulo e Estado de S. Paulo. Faleceu no dia 18 de Outubro de 2014.

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.