Seg02242020

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

04 Mai 2014

SINAL DOS TEMPOS

Escrito por 

 

 

 

O que ocorreu na comemoração organizada pela CUT no Dia do Trabalho em São Paulo é um sinal dos tempos. Não apenas o braço sindical do PT atraiu menos gente do que a outra comemoração, organizada pela Força Sindical, a central adversária, como os representantes petistas simplesmente foram impedidos de discursar em seu próprio território político.

Por MERVAL PEREIRA

O que ocorreu na comemoração organizada pela CUT no Dia do Trabalho em São Paulo é um sinal dos tempos. Não apenas o braço sindical do PT atraiu menos gente do que a outra comemoração, organizada pela Força Sindical, a central adversária, como os representantes petistas simplesmente foram impedidos de discursar em seu próprio território político.

Mas a rejeição aos petistas não foi fato isolado nos últimos dias. O ministro chefe da Secretaria de Governo, Gilberto Carvalho, responsável pelo relacionamento com a sociedade civil, tem sofrido na pele essa rejeição nos encontros que vem mantendo para tentar desmobilizar as manifestações previstas contra a realização da Copa do Mundo.

Em todo lugar em que vai, invariavelmente surge uma faixa com os dizeres "Não vai ter Copa" para ser pendurada como pano de fundo dos debates. Na sede do Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro, etapa carioca dos “Diálogos Governo-Sociedade Civil Copa 2014″ dias atrás, mais uma vez Carvalho sofreu para poder levar aos participantes a palavra do governo.

Foi vaiado, xingado, tentou convencer os jovens revolucionários da plateia de que seu passado também revolucionário faz dele um aliado, e não um adversário, mas não houve jeito. Uma militante fez um gesto com as mãos significando dinheiro que atingiu Gilberto Carvalho mais do que os berros e apupos. Voz embargada, disse para a militante que tinha patrimônio de R$ 400 mil reais, e que já havia morado em favelas para ajudar o próximo. Não houve jeito.

Tudo parece dar seguimento às manifestações de junho do ano passado, quando estourou nas ruas, surpreendentemente, um protesto espontâneo contra todos os políticos e governantes, fossem de que origem fossem. Como descrevi na época, os movimentos sociais que se consideravam controladores das manifestações populares, como sindicatos e partidos políticos, surpreenderam-se com o caráter espontâneo daqueles protesto pelo país e tentaram retomar o controle das ruas.

Foram tentativas malsucedidas, na medida em que rechaçadas por quem não se considerava representado por eles, e suas passeatas ficaram muito aquém das manifestações espontâneas daquele 20 de junho. Mas a violência dos grupos paramilitares infiltrados e dos Black Blocs acabou dominando as ruas, expulsando delas a classe média que havia explicitado seu descontentamento com os serviços públicos mal prestados, com o desperdício do dinheiro público em obras suntuosas e desnecessárias como os estádios de futebol “padrão FIFA”, com o combate à corrupção e com o descaso governamental com a saúde e a educação, prioridades da cidadania que os manifestantes espontâneos levaram para as ruas sem precisarem de partidos ou organizações sociais para guiá-los.

Esses cidadãos em boa parte continuam descontentes, sentindo-se sub-representados, pois nada de concreto foi feito no sentido de rever as prioridades do governo, a não ser medidas paliativas como a vinda de cubanos para “solucionar” a carência de médicos no interior do país, ou a aprovação de algumas leis no Congresso que ainda precisam ser confirmadas em novas votações longe da pressão popular.

A situação está tão radicalizada que até mesmo o ex-presidente Lula recentemente se viu obrigado a criticar as manifestações contra a Copa, e o fez com o travo de um velho líder sindical que já não consegue controlar os atos contra uma realização de seu governo, montada para ser o coroamento da campanha de reeleição da presidente Dilma e se transformou em um obstáculo.

Como sempre, fez uma releitura da situação, completamente fora da realidade: “Vocês imaginam, nesta altura do campeonato, com 68 anos, dos quais 38 fazendo protesto, eu vou ter medo de protesto? A Dilma, com 20 anos a bichinha estava presa, foi torturada, tomou choque para tudo quanto é lado por protestar. Agora ela vai ter medo de protesto? Quem quiser protestar, que proteste”, disse o ex-presidente, dando por perdido o controle da situação.

Dessa vez ele tem que ficar do lado da FIFA, e contra os que criticam a falta do "o padrão FIFA" nos serviços públicos. Se a perspectiva para a seleção brasileira na Copa do Mundo continua sendo boa, apesar da ascensão do futebol da Espanha nos mais recentes torneios internacionais, o mesmo não se pode dizer da organização dos jogos.

Os atrasos nos estádios e as reformas a meia boca nos aeroportos confirmam nossa incapacidade de organização, mesmo o governo tendo tido nada menos que 7 anos entre o anúncio da escolha e a realização do evento.

 

Publicado no jornal O GLOBO

 

 

 

1 Comentário

  • Link do comentário silas valle Sábado, 19 Maio 2012 00:52 postado por silas valle

    Fortuito amigo de minhas madrugadas solitárias jordanenses, achei vc de novo! ... parece que além de ex sempre nordestino, vc tb viveu em Brasília. É, lá vivi de 1963 a 1980, vindo prá Sampa. Em Brasília não tinha racismo. Tb eu era moço e men get old but don't get good, na pena de O Wilde... Em Sampa, agente, aprende antisemitismo, antinordestino, antiárabe, antinegro... mas só gente mais ignorante. Pessoas mais esclarecidas, não tem ou lutam contra a exteorização do racismo. Hoje sou paulistano. Tenho as qualidades dos paulistanos, dos mineiros onde nasci, (sertão, de Rosa) e saudades da ebúrnea Brasília, onde aprendi a amar as mulheres mais lindas do universo: Brasília, mistura de todo o Brasil!
    Abc,
    Silas Valle

    Relatar

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.