Dom09152019

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

18 Mar 2014

OBAMA E UCRÂNIA

Escrito por 

 

 

 

Mas enquanto o tabuleiro da política internacional move-se no longo prazo, o da popularidade é movimentado no curto. Aí está o dilema de Obama.

 

A popularidade em baixa não é a única preocupação de Obama. Enquanto os problemas se acumulam, a confiança no Presidente também despenca. Os democratas, contaminados pela situação, podem perder o controle do Senado e a Câmara tende a ficar nas mãos dos republicanos. A política externa, que por vezes ajuda a salvar a imagem interna desgastada de um Presidente, também não ajuda Obama.

Repito o que já escrevi aqui. Obama tem conduzido a situação na Ucrânia da maneira certa para os Estados Unidos. Tem se mantido prudentemente distante e agido em conjunto com os europeus. O país intensificou sua agenda diplomática e tem usado os canais certos. Ao contrário do que muitos desejam, não despachará tropas para Crimeia ou qualquer outra parte da Ucrânia se não for em consenso com os europeus. Mesmo que tenha que fazê-lo, enfrentará enorme oposição interna.

Mas o posicionamento cuidadoso de Obama tem um custo. Os números mostram que os próprios americanos enxergam seu Presidente como um líder fraco a vacilante. Para ser mais exato, 55%. Do outro lado, os mesmo americanos vêem Vladimir Putin como um líder forte. Para ser mais exato 77%. Claramente Obama aparece em desvantagem, mas também colhe nestes números boa parte da impopularidade que vem semeando nos últimos meses.

O momento é de cautela. As medidas tomadas contra Rússia até o momento foram econômicas e políticas. As novas lideranças ucranianas foram recebidas em Bruxelas e Washington. O FMI movimentou suas engrenagens em favor de Kiev. Dentro da burocracia internacional, criada após a Segunda Guerra, existem inúmeros mecanismos que podem ser manejados. A utilização de força militar sendo o último deles.

Neste final de semana, a Crimeia falou pelas urnas que deseja ingressar na Rússia. Qualquer movimento via Conselho de Segurança será barrado pelo veto russo, como vimos. A China preferiu a abstenção. O Ocidente batalhará pela Crimeia, mas na verdade, aquele território é caso perdido. A suposta ênfase em defesa daquela parte da Ucrânia, apenas serve de escudo para a defesa da parte que realmente interessa: a porção oriental, altamente industrializada e base da economia do país. Ali é próximo foco russo. Ali é o verdadeiro foco de resistência do Ocidente.

Mas enquanto o tabuleiro da política internacional move-se no longo prazo, o da popularidade é movimentado no curto. Aí está o dilema de Obama.

 

 

 

Márcio Coimbra

Márcio Chalegre Coimbra, é advogado, sócio da Governale - Políticas Públicas e Relações Institucionais (www.governale.com.br). Habilitado em Direito Mercantil pela Unisinos. Professor de Direito Constitucional e Internacional do UniCEUB – Centro Universitário de Brasília. PIL pela Harvard Law School. MBA em Direito Econômico pela Fundação Getúlio Vargas. Especialista em Direito Internacional pela UFRGS. Vice-Presidente do Conil-Conselho Nacional dos Institutos Liberais pelo Distrito Federal. Sócio do IEE - Instituto de Estudos Empresariais. É editor do site Parlata (www.parlata.com.br) articulista semanal do site www.diegocasagrande.com.br e www.direito.com.br. Tem artigos e entrevistas publicadas em diversos sites nacionais e estrangeiros (www.urgente24.tv e www.hacer.org) e jornais brasileiros como Jornal do Brasil, Gazeta Mercantil, Zero Hora, Jornal de Brasília, Correio Braziliense, O Estado do Maranhão, Diário Catarinense, Gazeta do Paraná, O Tempo (MG), Hoje em Dia, Jornal do Tocantins, Correio da Paraíba e A Gazeta do Acre. É autor do livro “A Recuperação da Empresa: Regimes Jurídicos brasileiro e norte-americano”, Ed. Síntese - IOB Thomson (www.sintese.com).

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.