Dom09152019

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

06 Mar 2014

UCRÂNIA EM PERSPECTIVA

Escrito por 

 

 

A questão envolvendo a Rússia e a Ucrânia é muito mais complexa do que podemos imaginar. Argumentos existem de todos os lados. É preciso, portanto, colocar as coisas em perspectiva neste momento. A Ucrânia é de fato um país dividido.

 

A questão envolvendo a Rússia e a Ucrânia é muito mais complexa do que podemos imaginar. Argumentos existem de todos os lados. É preciso, portanto, colocar as coisas em perspectiva neste momento. A Ucrânia é de fato um país dividido. Precisamos entender que a cisão entre duas realidades é o ponto central que origina o embate levou o país a se tornar frágil.

Ainda em 2004 escrevi sobre este tema. A Revolução Laranja explodia em Kiev depois de um candidato pró-Rússia, Viktor Yanukovych (o mesmo afastado agora) ter vencido eleições que suspeitavam-se terem sido fraudadas. O movimento levou outro Viktor ao poder, este de sobrenome Yushchenko, ao lado da bela Yulia Tymoshenko, sua aliada pró-Ocidente. Depois de um governo conturbado, Yushchenko e Yulia deixaram o poder e Viktor Yanukovych foi escolhido em eleições livres. Vemos que depois de um governo pró-Ocidente, um governo pró-Rússia assumia o poder o Kiev. Mas o líder apoiado por Moscou não terminou bem. Depois de muita pressão popular, deixou o poder, alegando ter sido vítima de um golpe.

Na verdade existem duas Ucrânias. Aquela que está na margem leste do rio Dniper é extremamente ligada aos valores russos, culturais e religiosos. Esta região é o berço cultural de muitos traços da Rússia atual. Ali foi criado Nikita Kruschev e nasceu Leonid Brejnev, dois dos mais importantes dirigentes soviéticos. O leste da Ucrânia tem forte presença cristã ortodoxa, o que aproxima muito a região das tradições russas.

A Ucrânia que está ao lado oeste do Dniper já foi ocupada por poloneses, húngaros, eslovacos, bielorussos e romenos, além de outras nacionalidades. A confluência destas culturas formou esta parte da Ucrânia, hoje de maior tradição católica romana e muito mais próxima do Ocidente. A presença russa na parte oeste é menor e a influência cultural preponderante é a ocidental. De um modo geral, o país sempre foi um território fragmentado e passou a se tornar unificado com o controle imposto pela União Soviética. Por todas essas razões, quando se tornou independente de Moscou, em 1991, se tornou um país instável, permeado por embates que colocam hoje em oposição o lado leste e oeste.

O risco maior para qualquer um dos lados é a eclosão de uma guerra civil, que pode se tornar um fato na medida que crescer o embate entre os dois lados do país divididos pelo rio Dniper e surgir uma liderança nacionalista que tente sobrepor suas vontades sobre a outra metade, independente de qual seja. Vemos que o movimento de Yanukovych em direção aos russos resultou em sua queda, mas o governo pró-Ocidente de Yushchenko também terminou de forma melancólica.

Na falta de uma política que unifique o país, as diferenças entre as regiões passarão a ter mais importância. O nacionalismo russo latente na Crimeia é apenas o primeiro passo. Putin conhece a geografia da Ucrânia e está medindo seus passos. Existe um nacionalismo russo também do lado leste do país, que pode se movimentar para o lado de Moscou rachando o território. Conhecendo o perfil dos líderes mundiais atuais, acredito que pode surgir a alternativa diplomática de divisão da Ucrânia com a Rússia na tentativa de evitar a escalada de um confronto nas fronteiras da Europa.

A idéia é conveniente para a Europa, que mantém um país estabilizado em suas fronteiras. O impacto da eventual entrada de meia Ucrânia na UE seria menor, considerando a agricultura pujante que poderia afetar a França. A Alemanha manteria-se como o maior país da zona européia e a Rússia anexaria a parte perdida de território que considera berço de sua cultura. Evitaria-se a guerra e a aproximação de um conflito anunciado nas portas da Europa, o que mobilizaria a OTAN. Talvez seja esta a estratégia de Putin, que pensa sempre no longo prazo. Resta saber se o Ocidente está preparado para um acordo deste tipo, que lembra os movimentos de Neville Chamberlain em Munique. Por enquanto, é um jogo de nervos.

 

 

 

Márcio Coimbra

Márcio Chalegre Coimbra, é advogado, sócio da Governale - Políticas Públicas e Relações Institucionais (www.governale.com.br). Habilitado em Direito Mercantil pela Unisinos. Professor de Direito Constitucional e Internacional do UniCEUB – Centro Universitário de Brasília. PIL pela Harvard Law School. MBA em Direito Econômico pela Fundação Getúlio Vargas. Especialista em Direito Internacional pela UFRGS. Vice-Presidente do Conil-Conselho Nacional dos Institutos Liberais pelo Distrito Federal. Sócio do IEE - Instituto de Estudos Empresariais. É editor do site Parlata (www.parlata.com.br) articulista semanal do site www.diegocasagrande.com.br e www.direito.com.br. Tem artigos e entrevistas publicadas em diversos sites nacionais e estrangeiros (www.urgente24.tv e www.hacer.org) e jornais brasileiros como Jornal do Brasil, Gazeta Mercantil, Zero Hora, Jornal de Brasília, Correio Braziliense, O Estado do Maranhão, Diário Catarinense, Gazeta do Paraná, O Tempo (MG), Hoje em Dia, Jornal do Tocantins, Correio da Paraíba e A Gazeta do Acre. É autor do livro “A Recuperação da Empresa: Regimes Jurídicos brasileiro e norte-americano”, Ed. Síntese - IOB Thomson (www.sintese.com).

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.