Qua03032021

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

03 Mar 2014

EU NÃO DISSE?

Escrito por 

 

 

 

A ilusão com um happy end é por ignorância de como funciona um partido revolucionário. Perceberam só agora que "tá tudo dominado" MESMO? Não é uma frase vã, é a pura verdade. Não existe Judiciário independente neste país há muito tempo. Nem Forças Armadas, nem nada!

 

Tão logo começou o chamado “julgamento do século” (putz!) em agosto de 2013, percebi que se tratava de um circo montado para enganar a classe supostamente letrada do país e escrevi um artigo, Panem et Circensis. Escrito em 3 de agosto, fui alvo de críticas por não dar crédito à “insuspeita” máxima instituição judiciária da Nação. Um verdadeiro delírio de vingança anti-petista totalmente baseado em wishful thinking tomou conta dos bem pensantes conservadores: "agora vai! O STF vai por na cadeia esta corja de petistas canalhas". Pensei: “esperem e verão”. Quando houve as condenações e vimos os mesmos sendo levados ao xilindró com a mão na velha saudação comunista, o delírio foi aos píncaros. E eu continuei pensando e dizendo para quem queria me fazer ver a realidade: “esperem e verão”. Quando se discutiram os embargos infringentes alguns começaram a duvidar, mas o delírio se impôs. Pensavam e diziam: "é claro que eles não vão aprovar". Eu esperava, acreditando que iam sim.

Ora, só faltavam dois votos para virar o jogo e o PT não iria perder esta. Deu no que deu. Agora não espero mais, grito com prazer sádico: EU NÃO DISSE?

A maioria mostra-se decepcionada, eu não porque nunca me iludi. Sempre repetia: esta turma não vai pra cadeia e se for sai!

As palavras do Barbosa não passam de tergiversações, pois ele sabia desde o início o que iria acontecer. Não é por acaso que ele sempre votou no PT. Ademais, o momento triste para o STF não foi ontem. Foi quando aceitaram fazer julgamentos como novelas da Globo; pior, televisionados ao vivo! Abdicaram de sua honrosa função jurídica para fazer espetáculos circenses, abriram mão da solenidade inerente à função tornando-se partícipes de uma farsa.

Mas é preciso transparência, não? Se é, eles ontem também julgaram com transparência e ninguém tem nada a se queixar. Assistiram à segunda parte do ridículo espetáculo, reclamam de quê? O fim da novela não lhes agradou? A mim já não agradou desde o início.

A ilusão com um happy end é por ignorância de como funciona um partido revolucionário. Perceberam só agora que "tá tudo dominado" MESMO? Não é uma frase vã, é a pura verdade. Não existe Judiciário independente neste País há muito tempo. Nem Forças Armadas, nem nada!

A dica estava no voto de uma das ministras, não lembro qual das duas, que declarou que lamentava ter que condenar “uma pessoa com a biografia de luta pela democracia” como o Genoíno. Bela biografia: terrorista, guerrilheiro, assassino - em potencial ao menos – cagão e delator: borrou-se todo ao ser preso e entregou toda a guerrilha do Araguaia sem que os militares precisassem sequer tocar num fio de cabelo!

Esperem um pouco mais sem acreditar e logo, logo, seremos uma Venezuela. Aí vão lamentar não dar ouvidos a que conhece por dentro esta quadrilha.

Termino com a epígrafe com que comecei o texto citado:

Já há muito tempo, desde quando não vendíamos nossos votos para ninguém, o Povo abdicou de seus deveres, o Povo que outrora detinha comando militar, altos cargos civis, legiões – tudo, enfim – hoje se restringe, e aguarda ansiosamente, a apenas duas coisas: pão e circo.
(JUVENAL – Sátira X)

 

 

 

 

 

 

 

Heitor de Paola

Médico, escritor e analista político. Membro do International Board of Directors da Drug Watch International, Diretor Cultural da BRAHA (Brasileiros Humanitários em Ação), autor do livro O Eixo do Mal Latino-Americano e a Nova Ordem Mundial. Articulista do site Midia Sem Máscara, dos Jornais Inconfidência e Visão Judaica.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.