Seg12162019

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

11 Abr 2004

O Pensamento Único

Escrito por 

Este é o gás paralisante lançado ao rosto da sociedade brasileira

Logo após o desmoronamento da URSS, a esquerda mundial retomou suas atividades com estratégica volta ao ninho da utopia onde, há dois séculos, foram chocadas as idéias de Owen, Fourier, Blanc, Proudhon, claramente antagonizadas, a seguir, pelos gurus do socialismo científico - Marx e Engels. Não preciso contar o filme dos genocídios, totalitarismos e fracassos econômicos suscitados pelas idéias da dupla. Seus filhotes ideológicos, tão logo o mundo soviético desabou em 1991, sem novas revoluções para fazer, resolveram revolucionar o dicionário. Assim, o socialismo científico, do qual tanto se orgulhavam, passou a ser taxado de "burocrático" , enquanto a utopia deixou de ser discriminada e ganhou slogan - "um outro é mundo possível". Como ninguém sabe onde esse mundo fica, torna-se impossível enviar uma sonda para saber se existe, por lá, alguma vida inteligente. Criaram o termo neoliberalismo, atribuindo-lhe a culpa dos males do mundo. E, na ausência de quaisquer idéias que não sejam os fracassados esquemas de Marx e Engels, geraram a expressão "pensamento único" para designar o que vai na cabeça do mundo bem sucedido.

Enquanto socialistas, comunistas e esquerdistas de vários pêlos vão se reunindo nas suas ONGs, no Fórum de São Paulo e no Fórum Social Mundial, a roda da história continua girando, o mercado funcionando e muitos povos tocando seus barcos, distantes das utopias, remos metidos na realidade. Suas economias prosperam e suas sociedades se desenvolvem. No Brasil, tudo se inverte. Aqui, é absolutamente enganoso falar em "pensamento único" como coisa da direita, pois vivemos sob tal hegemonia da esquerda que na última e desastrosa eleição presidencial todos os quatro candidatos - Lula, Serra, Ciro e Garotinho - disputavam entre si para saber quem era mais de esquerda.

O mundo moderno sabe que o progresso depende de livre mercado, trabalho, renda, lucro, poupança, liberdade de empreender e estímulo ao empreendedorismo, ordem interna, respeito à propriedade e aos contratos, enraizada rejeição social à mentira, ao fisiologismo e à corrupção, bem como da adoção de instrumentos políticos que valorizem os partidos e inibam os personalismos que pavimentam o caminho para demagogos e oportunistas.

Qual o espaço concedido entre nós a essas idéias? O político que se atrever a assumi-las é acusado de neoliberal, o que equivale a um jato de gás paralisante nas fuças. Por isso, não mais que um pequeno punhado de escritores - distantes do mundo acadêmico, onde são vetados, e das contendas eleitorais, onde são rejeitados - pode ter a audácia de afrontar o pensamento único esquerdista nacional, ele sim, gás paralisante lançado ao rosto da sociedade brasileira.

Última modificação em Quarta, 30 Outubro 2013 20:33
Percival Puggina

O Prof. Percival Puggina formou-se em arquitetura pela UFRGS em 1968 e atuou durante 17 anos como técnico e coordenador de projetos do grupo Montreal Engenharia e da Internacional de Engenharia AS. Em 1985 começou a se dedicar a atividades políticas. Preocupado com questões doutrinárias, criou e preside, desde 1996, a Fundação Tarso Dutra de Estudos Políticos e Administração Pública, órgão do PP/RS. Faz parte do diretório metropolitano do partido, de cuja executiva é 1º Vice-presidente, e é membro do diretório e da executiva estadual do PP e integra o diretório nacional.

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.