Qui12122019

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

09 Fev 2008

Entrevista Para Brasileiro Ver

Escrito por 

A lógica do atual governo é, portanto, a seguinte: sempre se apropriou do dinheiro público, então, podemos ir à forra.

Patrimonialismo, termo cunhado pelo sociólogo Max Weber, significa a utilização por detentores do poder do que é público de modo privado. Entre nós essa tradicional prática foi legada por nossos colonizadores e, juntamente com a burocratização excessiva, o clientelismo, o nepotismo e a corrupção, patrimonialismo é doença estatal que impede o Brasil de progredir como seria possível por conta de nossa potencialidade. Em vez disso somos o país do futuro que nunca chega.

As mazelas vieram com o transplante da máquina burocrática portuguesa trazida por D. João VI, em 1808, e foram por nós aperfeiçoadas. Desse modo, até hoje cultivamos o ideal da vagabundagem paga por um Estado incompetente e grande demais. Pior que isso, nos sujeitamos alegremente às propinas, aos desmandos, aos impostos exorbitantes, aos luxos da “corte” nababesca que sustentamos sem reclamar. Nós amamos o pai Estado acima de tudo e dele somos dependentes como se fossemos uma Nação criança.

Escorando-se na história, o presidente Luiz Inácio costuma, certamente instruído por companheiros assessores, explicar a impressionante corrupção existente em seu governo a partir da seguinte idéia: se sempre existiu corrupção, então, não tem importância sermos corruptos. Por isso, certa vez pontificou Sua Excelência: “caixa dois sempre existiu”, logo, qual o problema de termos a nossa? Impressionado com a sabedoria do seu glorioso líder o cidadão brasileiro achou tudo muito natural e justificou. “Se estivesse lá faria a mesma coisa”. Como se nota, é uma questão de mentalidade plasmada ao longo dos séculos e difícil de ser modificada.

A lógica do atual governo é, portanto, a seguinte: sempre se apropriou do dinheiro público, então, podemos ir à forra. Uma lógica perigosa que libera todos os crimes, coisa facilitada num País onde a lei funciona precariamente ou não funciona.

Além dessas justificativas bizarras, o PT no poder usa um álibi: a herança maldita, ou seja, a culpa pelos “pecados” ora cometidos deve ser atribuída ao governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o grande pecador que induz a todos os erros. Como FHC e seu partido não se defendem, a classe dominante do momento fica isenta de erros e o principal mandatário do país, que nada sabe e nada vê, se torna um cidadão acima de qualquer suspeita.

No momento outro escândalo estronda e respinga para os lados da família presidencial. É a chamada farra dos cartões corporativos. Possivelmente mais esse acinte aos pagadores de impostos não passará de uma “piada de salão, como diria o sorridente Delúbio Soares, um homem que parece não ter medo de ser feliz. E haja imposto para sustentar a “corte”.

Quem não deve ter achado graça na “piada de salão” foi a ex-ministra da Igualdade Racial, que em nome da Igualdade certa vez declarou achar natural “um negro não gostar de um branco”, clamoroso apelo ao ódio num país onde agora não existem mais mulatos ou pardos, mas tão somente brancos e negros. E como no momento ser negro é ser de esquerda, portanto, bom, ético e oprimido, em oposição a uma elite branca, asquerosa, cruel, opressora (se tiver olhos azuis pode matar) um militante petista certa vez me escreveu que não gosto do Lula porque ele é “não branco”. Sinceramente não sabia que Lula da Silva era o primeiro presidente negro do Brasil. Faltou o dito militante me chamar de “loura fascista”, como na novela Duas Caras.

Mas voltando à ministra Matilde, sua queda por uso abusivo do cartão corporativo, em que pese ter sido dito que tal ocorreu porque ela era negra e mulher (o que quer dizer que negras e mulheres podem fazer o que bem entender porque são imunes à lei), abriu uma brecha na visão dos abusos cometidos pela “corte”. Logo foram responsabilizados funcionários pelos desmandos dos chefes. Estes não sabem de nada, nada viram, nada usufruíram. Em seguida veio a entrevista na Globo News, dada pela ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Roussef, e pelo ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, General Jorge Félix. O ministro da Comunicação Social, Franklin Martins, se limitou a ironias finais dirigidas aos seus colegas de imprensa.

O general Félix reduziu tudo a uma questão de segurança e em nome da transparência disse que o Portal da Transparência, que divulga dados sobre o uso dos cartões corporativos deve ser eliminado, tornando-se opaco para o bem de todos.

A ministra Dilma se mostrou irritada, furiosa, como é do seu estilo. Justificou os gastos de modo pouco convincente e consolou o povo dizendo que não somos uma republiqueta das bananas. Nesse ponto concordo com a ministra. Somos uma republiqueta dos bananas.

Quando terminou a defesa governamental e iam começar as perguntas dos jornalistas, a Globo News voltou ao Jornal. Sem dúvida foi uma entrevista para brasileiro ver. E quem viu deve ter aplaudido e dito: “se eu estivesse lá faria a mesma coisa”.

Patrimonialismo, termo cunhado pelo sociólogo Max Weber, significa a utilização por detentores do poder do que é público de modo privado. Entre nós essa tradicional prática foi legada por nossos colonizadores e, juntamente com a burocratização excessiva, o clientelismo, o nepotismo e a corrupção, patrimonialismo é doença estatal que impede o Brasil de progredir como seria possível por conta de nossa potencialidade. Em vez disso somos o país do futuro que nunca chega.

As mazelas vieram com o transplante da máquina burocrática portuguesa trazida por D. João VI, em 1808, e foram por nós aperfeiçoadas. Desse modo, até hoje cultivamos o ideal da vagabundagem paga por um Estado incompetente e grande demais. Pior que isso, nos sujeitamos alegremente às propinas, aos desmandos, aos impostos exorbitantes, aos luxos da “corte” nababesca que sustentamos sem reclamar. Nós amamos o pai Estado acima de tudo e dele somos dependentes como se fossemos uma Nação criança.

Escorando-se na história, o presidente Luiz Inácio costuma, certamente instruído por companheiros assessores, explicar a impressionante corrupção existente em seu governo a partir da seguinte idéia: se sempre existiu corrupção, então, não tem importância sermos corruptos. Por isso, certa vez pontificou Sua Excelência: “caixa dois sempre existiu”, logo, qual o problema de termos a nossa? Impressionado com a sabedoria do seu glorioso líder o cidadão brasileiro achou tudo muito natural e justificou. “Se estivesse lá faria a mesma coisa”. Como se nota, é uma questão de mentalidade plasmada ao longo dos séculos e difícil de ser modificada.

A lógica do atual governo é, portanto, a seguinte: sempre se apropriou do dinheiro público, então, podemos ir à forra. Uma lógica perigosa que libera todos os crimes, coisa facilitada num País onde a lei funciona precariamente ou não funciona.

Além dessas justificativas bizarras, o PT no poder usa um álibi: a herança maldita, ou seja, a culpa pelos “pecados” ora cometidos deve ser atribuída ao governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o grande pecador que induz a todos os erros. Como FHC e seu partido não se defendem, a classe dominante do momento fica isenta de erros e o principal mandatário do país, que nada sabe e nada vê, se torna um cidadão acima de qualquer suspeita.

No momento outro escândalo estronda e respinga para os lados da família presidencial. É a chamada farra dos cartões corporativos. Possivelmente mais esse acinte aos pagadores de impostos não passará de uma “piada de salão, como diria o sorridente Delúbio Soares, um homem que parece não ter medo de ser feliz. E haja imposto para sustentar a “corte”.

Quem não deve ter achado graça na “piada de salão” foi a ex-ministra da Igualdade Racial, que em nome da Igualdade certa vez declarou achar natural “um negro não gostar de um branco”, clamoroso apelo ao ódio num país onde agora não existem mais mulatos ou pardos, mas tão somente brancos e negros. E como no momento ser negro é ser de esquerda, portanto, bom, ético e oprimido, em oposição a uma elite branca, asquerosa, cruel, opressora (se tiver olhos azuis pode matar) um militante petista certa vez me escreveu que não gosto do Lula porque ele é “não branco”. Sinceramente não sabia que Lula da Silva era o primeiro presidente negro do Brasil. Faltou o dito militante me chamar de “loura fascista”, como na novela Duas Caras.

Mas voltando à ministra Matilde, sua queda por uso abusivo do cartão corporativo, em que pese ter sido dito que tal ocorreu porque ela era negra e mulher (o que quer dizer que negras e mulheres podem fazer o que bem entender porque são imunes à lei), abriu uma brecha na visão dos abusos cometidos pela “corte”. Logo foram responsabilizados funcionários pelos desmandos dos chefes. Estes não sabem de nada, nada viram, nada usufruíram. Em seguida veio a entrevista na Globo News, dada pela ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Roussef, e pelo ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, General Jorge Félix. O ministro da Comunicação Social, Franklin Martins, se limitou a ironias finais dirigidas aos seus colegas de imprensa.

O general Félix reduziu tudo a uma questão de segurança e em nome da transparência disse que o Portal da Transparência, que divulga dados sobre o uso dos cartões corporativos deve ser eliminado, tornando-se opaco para o bem de todos.

A ministra Dilma se mostrou irritada, furiosa, como é do seu estilo. Justificou os gastos de modo pouco convincente e consolou o povo dizendo que não somos uma republiqueta das bananas. Nesse ponto concordo com a ministra. Somos uma republiqueta dos bananas.

Quando terminou a defesa governamental e iam começar as perguntas dos jornalistas, a Globo News voltou ao Jornal. Sem dúvida foi uma entrevista para brasileiro ver. E quem viu deve ter aplaudido e dito: “se eu estivesse lá faria a mesma coisa”.

Maria Lúcia V. Barbosa

Graduada em Sociologia e Política e Administração Pública pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e especialista em Ciência Política pela UnB. É professora da Universidade Estadual de Londrina/PR. Articulista de vários jornais e sites brasileiros. É membro da Academia de Ciências, Artes e Letras de Londrina e premiada na área acadêmica com trabalhos como "Breve Ensaio sobre o Poder" e "A Favor de Nicolau Maquiavel Florentino".
E-mail: mlucia@sercomtel.com.br

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.