Qui08222019

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

06 Jan 2008

Lula da Silva, o Presidente Dos Impostos

Escrito por 

O ex-metalúrgico, que sempre foi dotado de imensa sorte, não tem medo de ser feliz. Assim, parodiando Zeca Pagodinho segue a cantando: “Deixa a vida me levar, leva eu”.

Lula da Silva se esforça enormemente para ter seu nome gravado na história do Brasil como o maior presidente da República já havido nesse país. Para tanto se compara a Getúlio Vargas, Juscelino Kubitschek e, se preciso for, a Jesus Cristo. Na sua egolatria, que o faz se sentir maior do que todos estes, resvala para aquele tipo de paranóia que acomete os poderosos e parece crer em suas próprias mentiras.

O ex-metalúrgico, que sempre foi dotado de imensa sorte, não tem medo de ser feliz. Assim, parodiando Zeca Pagodinho segue a cantando: “Deixa a vida me levar, leva eu”. Em que pese sua origem humilde, largamente explorada pela propaganda e convertida em mito e tabu (aí do elitista explorador que disser que o presidente é semi-analfabeto e exímio produtor de asneiras em seus discursos não preparados por assessores), ele tem sido levado pela vida de forma fácil e rendosa. Optou por não estudar e não trabalhar depois de ter passado rapidamente pelas lides do torno mecânico como elite dos operários de São Bernardo do Campo, os metalúrgicos. E sua facilidade retórica, típica dos repentistas, o fez enveredar pelas vias da política, primeiro como líder de seus iguais dos quais foi se afastando gradativamente.

Cabe aqui relembrar a análise de Roberto Michels sobre a “lei de bronze da oligarquia”. Explica Michels, um socialista alemão que se tornou amigo de Mussolini, que as massas são necessariamente governadas por uma minoria que se lhes impõe. Isto acontece até no interior das organizações reputadas “democráticas”, como os partidos socialistas e os sindicatos operários. Nestas entidades, por força da necessidade de organização, forma-se uma “direção profissional” que se impõe à base. A soberania das massas é, então, ilusória. Porque essa situação oligárquica assenta-se não só na tendência dos chefes, sempre vitoriosos, de perpetuar-se no poder e a reforçar sua autoridade, mas, sobretudo, na inércia das massas, prontas a entregar-se a uma minoria de especialistas, profissionais de ação pública.

Pois bem, estamos vivendo numa república sindicalista. Talvez, isso ajude a explicar o vezo autoritário do PT e sua ambição desmedida de se perpetuar no poder, pois não é impossível que o partido dos aloprados (segundo palavras de seu próprio líder, Lula da Silva) volte a trabalhar a idéia de um terceiro mandato. Parece que os sindicalistas governantes estão usando a lei de bronze da oligarquia com relação não aos sindicatos, mais extensiva a toda sociedade brasileira. Colabora com o êxito do ex-metalúrgico a inércia das massas, sequiosas por um pai estatal que lhes traga benefícios imediatos.

Mas resistirá a grande sorte e inabalável prestígio de Lula da Silva aos aumentos de impostos? O presidente mentiu para as frágeis oposições. Mentiu para o povo quando disse à sombra de uma frondosa árvore de Natal, que não aumentaria os tributos para substituir a CPMF. Mas logo no início deste ano que mal alvorece fomos brindados com um pacotão que, em países onde os cidadãos são dotados de consciência cívica, seria repudiado com veemência.

O IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) para pessoas físicas foi simplesmente duplicado, o que vai complicar tremendamente a vida dos brasileiros que produzem. Tudo vai subir: prestações, crédito, empréstimos. A CSLL (Contribuição sobre o lucro líquido) paga por instituições financeiras, que também terá elevação de alíquotas, será, sem duvida, repassado pelos bancos aos seus clientes. E por aí vai, sendo que outros aumentos devem vir para matar a fome insaciável do PT no poder por recursos que mantenham o luxo da corte, as ONGs sustentadas pelo poder público, os cargos dos companheiros, os dadivosos presentes dados para outros países, os desperdícios, as maracutaias, termo usado no passado por Lula da Silva para criticar a falta de ética dos outros.

O ministro Guido Mantega justificou as medidas amargas dizendo que as promessas do presidente se referiam apenas a 2007, sendo que já estamos em 2008. Sem dúvida, um deboche que afronta os brasileiros, considerado pelo ministro como débeis mentais.

Resta agora a oposição funcionar de novo como tal. Oposição que ingenuamente aprovou a DRU acreditando na palavra, que nunca foi cumprida, do presidente da República, de que não haveria aumento de impostos. Oposição e Poder Judiciário que devem barrar as medidas adotadas pela Receita Federal de fiscalizar as operações financeiras, obrigando os bancos a repassar semestralmente dados sobre cidadãos e empresas, o que configura quebra do direito ao sigilo previsto pela Constituição no capitulo das garantias fundamentais. Oposição deve agir tendo em mente as medidas impopulares desse governo que mentiu e traiu seus governados. E que Lula da Silva passe à história como o presidente dos impostos. Isso deve ser o mote das oposições, ou então, que elas se extingam de vez.

Lula da Silva se esforça enormemente para ter seu nome gravado na história do Brasil como o maior presidente da República já havido nesse país. Para tanto se compara a Getúlio Vargas, Juscelino Kubitschek e, se preciso for, a Jesus Cristo. Na sua egolatria, que o faz se sentir maior do que todos estes, resvala para aquele tipo de paranóia que acomete os poderosos e parece crer em suas próprias mentiras.

O ex-metalúrgico, que sempre foi dotado de imensa sorte, não tem medo de ser feliz. Assim, parodiando Zeca Pagodinho segue a cantando: “Deixa a vida me levar, leva eu”. Em que pese sua origem humilde, largamente explorada pela propaganda e convertida em mito e tabu (aí do elitista explorador que disser que o presidente é semi-analfabeto e exímio produtor de asneiras em seus discursos não preparados por assessores), ele tem sido levado pela vida de forma fácil e rendosa. Optou por não estudar e não trabalhar depois de ter passado rapidamente pelas lides do torno mecânico como elite dos operários de São Bernardo do Campo, os metalúrgicos. E sua facilidade retórica, típica dos repentistas, o fez enveredar pelas vias da política, primeiro como líder de seus iguais dos quais foi se afastando gradativamente.

Cabe aqui relembrar a análise de Roberto Michels sobre a “lei de bronze da oligarquia”. Explica Michels, um socialista alemão que se tornou amigo de Mussolini, que as massas são necessariamente governadas por uma minoria que se lhes impõe. Isto acontece até no interior das organizações reputadas “democráticas”, como os partidos socialistas e os sindicatos operários. Nestas entidades, por força da necessidade de organização, forma-se uma “direção profissional” que se impõe à base. A soberania das massas é, então, ilusória. Porque essa situação oligárquica assenta-se não só na tendência dos chefes, sempre vitoriosos, de perpetuar-se no poder e a reforçar sua autoridade, mas, sobretudo, na inércia das massas, prontas a entregar-se a uma minoria de especialistas, profissionais de ação pública.

Pois bem, estamos vivendo numa república sindicalista. Talvez, isso ajude a explicar o vezo autoritário do PT e sua ambição desmedida de se perpetuar no poder, pois não é impossível que o partido dos aloprados (segundo palavras de seu próprio líder, Lula da Silva) volte a trabalhar a idéia de um terceiro mandato. Parece que os sindicalistas governantes estão usando a lei de bronze da oligarquia com relação não aos sindicatos, mais extensiva a toda sociedade brasileira. Colabora com o êxito do ex-metalúrgico a inércia das massas, sequiosas por um pai estatal que lhes traga benefícios imediatos.

Mas resistirá a grande sorte e inabalável prestígio de Lula da Silva aos aumentos de impostos? O presidente mentiu para as frágeis oposições. Mentiu para o povo quando disse à sombra de uma frondosa árvore de Natal, que não aumentaria os tributos para substituir a CPMF. Mas logo no início deste ano que mal alvorece fomos brindados com um pacotão que, em países onde os cidadãos são dotados de consciência cívica, seria repudiado com veemência.

O IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) para pessoas físicas foi simplesmente duplicado, o que vai complicar tremendamente a vida dos brasileiros que produzem. Tudo vai subir: prestações, crédito, empréstimos. A CSLL (Contribuição sobre o lucro líquido) paga por instituições financeiras, que também terá elevação de alíquotas, será, sem duvida, repassado pelos bancos aos seus clientes. E por aí vai, sendo que outros aumentos devem vir para matar a fome insaciável do PT no poder por recursos que mantenham o luxo da corte, as ONGs sustentadas pelo poder público, os cargos dos companheiros, os dadivosos presentes dados para outros países, os desperdícios, as maracutaias, termo usado no passado por Lula da Silva para criticar a falta de ética dos outros.

O ministro Guido Mantega justificou as medidas amargas dizendo que as promessas do presidente se referiam apenas a 2007, sendo que já estamos em 2008. Sem dúvida, um deboche que afronta os brasileiros, considerado pelo ministro como débeis mentais.

Resta agora a oposição funcionar de novo como tal. Oposição que ingenuamente aprovou a DRU acreditando na palavra, que nunca foi cumprida, do presidente da República, de que não haveria aumento de impostos. Oposição e Poder Judiciário que devem barrar as medidas adotadas pela Receita Federal de fiscalizar as operações financeiras, obrigando os bancos a repassar semestralmente dados sobre cidadãos e empresas, o que configura quebra do direito ao sigilo previsto pela Constituição no capitulo das garantias fundamentais. Oposição deve agir tendo em mente as medidas impopulares desse governo que mentiu e traiu seus governados. E que Lula da Silva passe à história como o presidente dos impostos. Isso deve ser o mote das oposições, ou então, que elas se extingam de vez.

Maria Lúcia V. Barbosa

Graduada em Sociologia e Pol├ştica e Administra├ž├úo P├║blica pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e especialista em Ci├¬ncia Pol├ştica pela UnB. ├ë professora da Universidade Estadual de Londrina/PR. Articulista de v├írios jornais e sites brasileiros. ├ë membro da Academia de Ci├¬ncias, Artes e Letras de Londrina e premiada na ├írea acad├¬mica com trabalhos como "Breve Ensaio sobre o Poder" e "A Favor de Nicolau Maquiavel Florentino".
E-mail: mlucia@sercomtel.com.br

Deixe um comentário

Informa├ž├Áes marcadas com (*) s├úo obrigat├│rias. C├│digo HTML b├ísico ├ę permitido.

  • Copyright ┬ę 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republica├ž├úo ou redistribui├ž├úo do conte├║do do site RPLIB ├ę permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB n├úo se responsabiliza por opini├Áes, informa├ž├Áes, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que ├ę citada a fonte.