Qui12122019

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

09 Out 2007

A China Não Dá Comida

Escrito por 
Dez por cento dos chineses vivem abaixo da linha de pobreza, um índice melhor do que o verificado no Brasil, que registra 38% de pobres e 16% em estado de pobreza extrema - Por Carlos Alberto Sardenberg

Dez por cento dos chineses vivem abaixo da linha de pobreza, um índice melhor do que o verificado no Brasil, que registra 38% de pobres e 16% em estado de pobreza extrema. Na China não tem Bolsa-Família nem programas assistenciais e Previdência pública, que pagam um salário mínimo para 10% da população.

Esse tipo de comparação é sempre difícil, mas é universalmente reconhecido que a China todo ano retira milhões de pessoas da pobreza. E faz isso com educação (em geral, paga) e com empregos.

É o contrário do que se faz por aqui. Outro dia, defendendo o pesado aumento de gastos públicos, o presidente Lula fez uma defesa vigorosa dos programas sociais, em especial do Bolsa-Família, porque “o mais importante é a gente dar comida para a parte mais necessitada do povo brasileiro”.

Um modelo econômico que fornece educação de qualidade e gera empregos não precisa dar comida, pois fornece às pessoas meios mais eficientes e duradouros. Com uma profissão e um emprego, a pessoa cuida de sua vida e, ainda mais, gera valor para a sociedade com seu trabalho.

Já a pessoa que recebe o Bolsa-Família só tem a situação melhorada enquanto continuar recebendo o auxílio mensal. Na verdade, a assistência social, com o governo dando dinheiro às pessoas, é uma demonstração da falta de dinamismo de um país. Perdurando, esse atraso torna a assistência uma necessidade permanente, quando deveria ser uma ação emergencial.

Mas o governo está promovendo o crescimento econômico, assegura Lula, e também fará “muitas estradas, muitos portos, muitos aeroportos”.

E aqui reside a questão do momento para a economia brasileira, a alternativa para os gastos públicos: programas sociais (distributivismo) ou investimentos em infra-estrutura (dinamismo e acumulação). Recentemente, o presidente condenou os que querem transformar todo o dinheiro público em estradas e portos, porque, repetiu, o gasto social é, na verdade, o melhor investimento, pois se trata de investir no ser humano.

Há muita confusão aqui, de modo que convém separar as coisas. Gastar em educação e saúde é investir na pessoa e capacitá-la para ganhar a vida. O governo brasileiro, desde antes de Lula, gasta bastante nessas duas áreas, mas reconhecidamente gasta mal. Basta ver o desempenho medíocre de nossos alunos nos testes internacionais. Basta ver as seguidas crises dos serviços de saúde. Portanto, nesse item, não falta investimento, falta qualidade de aplicação.

O presidente também está errado quando diz que, em nome do social, precisa contratar mais funcionários e gastar mais. Mesmo porque o gasto com funcionários (por aumento de salários e de número de pessoas) tem crescido ano a ano, sem que se perceba ganho significativo nos serviços.

O Bolsa-Família, sim, tem apresentado resultados eficientes no que se refere a melhorar a vida dos mais pobres. Mas não garante futuro aos beneficiados.

Além disso, o aumento dos gastos no social reduz, sim, o investimento do governo em infra-estrutura - este um gasto que gera empregos de imediato e aumenta a capacidade de crescimento futuro.

O presidente Lula promete o que não pode cumprir quando diz que seu governo vai dar muita comida e fazer muitas obras. Mesmo governos de países ricos não têm recursos para fazer tudo isso. Em outras palavras, é preciso fazer escolhas o tempo todo.

Embora diga que não, o governo Lula fez sua escolha. Neste ano, o governo federal está gastando 19% do Produto Interno Bruto (PIB) em Previdência, área social e funcionalismo e custeio da máquina. Em investimentos, se conseguir gastar todo o previsto no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), será 0,9% do PIB.

Até algum tempo atrás, o presidente e seus principais ministros ainda toleravam o discurso segundo o qual era preciso conter o gasto público e melhorar a eficiência geral do sistema. Essa preocupação, que era muito nítida ao tempo de Antonio Palocci no Ministério da Fazenda, gerou projetos interessantes. Por exemplo, o Projeto de Lei Complementar (PLC ) nº 1, enviado neste ano ao Congresso Nacional, e que estabelece o seguinte: o gasto com pessoal da União, em um determinado ano, será o equivalente ao que se gastou no ano anterior, mais a inflação (medida pelo IPCA), mais 1,5% de aumento real.

Ainda em março deste ano, o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, foi à Câmara dos Deputados defender o projeto. Sua exposição ainda está na página do Ministério (www.planejamento.gov.br) e merece ser lida. Ali está explicado como os gastos com pessoal têm crescido fortemente e de maneira imprevisível, de modo a alcançar hoje 26% da despesa primária (exclui pagamento de juros).

Pela regra prevista no PLC, a folha total de 2008 poderia subir apenas 5,56% nominais, considerando-se inflação de 4%. Mas o projeto de orçamento para 2008, já encaminhado ao Congresso, prevê que os gastos com o pessoal terão um aumento nominal de 10,8%. Vale este.

Embalados pela popularidade e pelo bom momento da economia nacional, Lula e seus colaboradores recuperaram o antigo DNA petista: tudo se resolve pelo Estado, quanto maior, melhor.

Por isso convém prestar atenção nas privatizações atuais do governo Lula. Concedeu um trecho de quase 800 quilômetros da Ferrovia Norte-Sul para a Vale do Rio Doce e tem programado a concessão de sete trechos de rodovias federais, para as quais devem concorrer inclusive investidores privados estrangeiros. Sem contar a concessão das usinas do Rio Madeira.

Pode ser a saída. Quem sabe, pressionado pela falta de dinheiro para grandes investimentos, o governo decida abrir cada vez mais a área de infra-estrutura, incluindo os aeroportos, para a iniciativa privada.

___________________________________________________________________________________________

Por Carlos Alberto Sardenberg

Publicado no jornal Estado de São Paulo em 08/10/07

Dez por cento dos chineses vivem abaixo da linha de pobreza, um índice melhor do que o verificado no Brasil, que registra 38% de pobres e 16% em estado de pobreza extrema. Na China não tem Bolsa-Família nem programas assistenciais e Previdência pública, que pagam um salário mínimo para 10% da população.

Esse tipo de comparação é sempre difícil, mas é universalmente reconhecido que a China todo ano retira milhões de pessoas da pobreza. E faz isso com educação (em geral, paga) e com empregos.

É o contrário do que se faz por aqui. Outro dia, defendendo o pesado aumento de gastos públicos, o presidente Lula fez uma defesa vigorosa dos programas sociais, em especial do Bolsa-Família, porque “o mais importante é a gente dar comida para a parte mais necessitada do povo brasileiro”.

Um modelo econômico que fornece educação de qualidade e gera empregos não precisa dar comida, pois fornece às pessoas meios mais eficientes e duradouros. Com uma profissão e um emprego, a pessoa cuida de sua vida e, ainda mais, gera valor para a sociedade com seu trabalho.

Já a pessoa que recebe o Bolsa-Família só tem a situação melhorada enquanto continuar recebendo o auxílio mensal. Na verdade, a assistência social, com o governo dando dinheiro às pessoas, é uma demonstração da falta de dinamismo de um país. Perdurando, esse atraso torna a assistência uma necessidade permanente, quando deveria ser uma ação emergencial.

Mas o governo está promovendo o crescimento econômico, assegura Lula, e também fará “muitas estradas, muitos portos, muitos aeroportos”.

E aqui reside a questão do momento para a economia brasileira, a alternativa para os gastos públicos: programas sociais (distributivismo) ou investimentos em infra-estrutura (dinamismo e acumulação). Recentemente, o presidente condenou os que querem transformar todo o dinheiro público em estradas e portos, porque, repetiu, o gasto social é, na verdade, o melhor investimento, pois se trata de investir no ser humano.

Há muita confusão aqui, de modo que convém separar as coisas. Gastar em educação e saúde é investir na pessoa e capacitá-la para ganhar a vida. O governo brasileiro, desde antes de Lula, gasta bastante nessas duas áreas, mas reconhecidamente gasta mal. Basta ver o desempenho medíocre de nossos alunos nos testes internacionais. Basta ver as seguidas crises dos serviços de saúde. Portanto, nesse item, não falta investimento, falta qualidade de aplicação.

O presidente também está errado quando diz que, em nome do social, precisa contratar mais funcionários e gastar mais. Mesmo porque o gasto com funcionários (por aumento de salários e de número de pessoas) tem crescido ano a ano, sem que se perceba ganho significativo nos serviços.

O Bolsa-Família, sim, tem apresentado resultados eficientes no que se refere a melhorar a vida dos mais pobres. Mas não garante futuro aos beneficiados.

Além disso, o aumento dos gastos no social reduz, sim, o investimento do governo em infra-estrutura - este um gasto que gera empregos de imediato e aumenta a capacidade de crescimento futuro.

O presidente Lula promete o que não pode cumprir quando diz que seu governo vai dar muita comida e fazer muitas obras. Mesmo governos de países ricos não têm recursos para fazer tudo isso. Em outras palavras, é preciso fazer escolhas o tempo todo.

Embora diga que não, o governo Lula fez sua escolha. Neste ano, o governo federal está gastando 19% do Produto Interno Bruto (PIB) em Previdência, área social e funcionalismo e custeio da máquina. Em investimentos, se conseguir gastar todo o previsto no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), será 0,9% do PIB.

Até algum tempo atrás, o presidente e seus principais ministros ainda toleravam o discurso segundo o qual era preciso conter o gasto público e melhorar a eficiência geral do sistema. Essa preocupação, que era muito nítida ao tempo de Antonio Palocci no Ministério da Fazenda, gerou projetos interessantes. Por exemplo, o Projeto de Lei Complementar (PLC ) nº 1, enviado neste ano ao Congresso Nacional, e que estabelece o seguinte: o gasto com pessoal da União, em um determinado ano, será o equivalente ao que se gastou no ano anterior, mais a inflação (medida pelo IPCA), mais 1,5% de aumento real.

Ainda em março deste ano, o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, foi à Câmara dos Deputados defender o projeto. Sua exposição ainda está na página do Ministério (www.planejamento.gov.br) e merece ser lida. Ali está explicado como os gastos com pessoal têm crescido fortemente e de maneira imprevisível, de modo a alcançar hoje 26% da despesa primária (exclui pagamento de juros).

Pela regra prevista no PLC, a folha total de 2008 poderia subir apenas 5,56% nominais, considerando-se inflação de 4%. Mas o projeto de orçamento para 2008, já encaminhado ao Congresso, prevê que os gastos com o pessoal terão um aumento nominal de 10,8%. Vale este.

Embalados pela popularidade e pelo bom momento da economia nacional, Lula e seus colaboradores recuperaram o antigo DNA petista: tudo se resolve pelo Estado, quanto maior, melhor.

Por isso convém prestar atenção nas privatizações atuais do governo Lula. Concedeu um trecho de quase 800 quilômetros da Ferrovia Norte-Sul para a Vale do Rio Doce e tem programado a concessão de sete trechos de rodovias federais, para as quais devem concorrer inclusive investidores privados estrangeiros. Sem contar a concessão das usinas do Rio Madeira.

Pode ser a saída. Quem sabe, pressionado pela falta de dinheiro para grandes investimentos, o governo decida abrir cada vez mais a área de infra-estrutura, incluindo os aeroportos, para a iniciativa privada.

___________________________________________________________________________________________

Por Carlos Alberto Sardenberg

Publicado no jornal Estado de São Paulo em 08/10/07

Editoria RPLib

Os artigos identifdicados como sendo de responsabilidade da "Editoria RPLib" constituem-se em transcrição, realizada pelos editores do site, de artigos publicados em veículos da mídia impressa, artigos esses que foram considerados, pelo seu conteúdo, como adequados para fazerem parte do universo dos demais veiculados nesse espaço, de autoria dos articulistas que enriquecem o site com suas reflexões.
Desnecessário ressaltar que, dentro do contexto de espaço que pretende ser amplo e aberto a manifestações de todos os matizes, a responsabilidade pelas afirmações constantes dos artigos transcritos é, como não poderia deixar de ser, de seus autores.

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.