Qui04152021

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

21 Set 2006

Diga Não ao Analfabetismo Político

Escrito por 
Mas, imagine, também, candidatos lobos vestidos com pele de cordeiro, pilantras que tentam ludibriar você no momento da escolha para os cargos de confiança de que a empresa oferece.

Imagine você acionista de uma das maiores empresas do mundo. Participante dos lucros. Essa empresa necessita de um presidente e de uma equipe responsáveis, honestos, de extrema confiança, preparados para enfrentar problemas e, acima de tudo, capazes de apontar soluções. Você deve ter responsabilidade ao contratá-los e escolherá candidatos que podem sentenciar a empresa ao fracasso, endividamento e falência por corrupção, perder mercado por ineficácia e produtos de péssima qualidade e incompetência ou, com responsabilidade e amor ao seu maior patrimônio, você escolherá pessoas de alto nível que irão conquistar mercados exportando aos países ricos porque a empresa produz tecnologia de ponta, e, assim, lucrar por sua história de bons negócios e competência, e ainda dividir os lucros de maneira justa e transparente.

Imagine que um candidato se apresentará com grandes idéias, capacidade comprovada por trabalhos em várias empresas de sucesso, outro com vontade de trabalhar e conquistar seu espaço, outro com responsabilidade com a saúde financeira da empresa para que seus funcionários e acionistas possam dela ter seu sustento e amparo na velhice, outro com preparo conquistado nos bancos das melhores universidades do País, outro preocupado com investimentos para que a cada ano a empresa cresça ainda mais e que assim seus lucros sejam repartidos de forma que todos sejam beneficiados, e outros reunindo a maioria destas qualidades.
Mas, imagine, também, candidatos lobos vestidos com pele de cordeiro, pilantras que tentam ludibriar você no momento da escolha para os cargos de confiança de que a empresa oferece. Imagine o candidato corrupto querendo te subornar com alguns míseros reais para ocupar o cargo e depois roubar a empresa. Imagine o candidato enviar, antes do dia da escolha, um “assessor” com 25, 30 mil reais para “comprar” o seu direito de escolha para um cargo de vital importância na sua empresa. Imagine que poucos dias antes da escolha você receba uma “doação” em dinheiro de um candidato para tentar te convencer de que ele será a melhor opção do que qualquer outro que comprove capacidade, honestidade e vontade de trabalhar para a empresa.

Agora pense. O Brasil é a nossa grande “empresa”. Se o Brasil tiver grandes administradores públicos, se colocarmos no olho da rua os políticos profissionais e deixarmos trabalhando para o País apenas pessoas de bem, se fizermos um “Programa de Demissões Involuntárias” e demitirmos os maus funcionários do nosso escritório em Brasília – por meio de eleições -, o Brasil cresce e nós seremos os maiores beneficiados! No dia 1º de outubro, conheça a vida do seu candidato, sua história, suas lutas no passado. Veja com vão seus negócios pessoais. Se ele não consegue cuidar do seu próprio negócio vai saber cuidar do Brasil?

Enfim, a citação de Bertold Brecht sobre o analfabeto político: “Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato, do remédio dependem das decisões políticas. O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que, de sua ignorância nascem a prostituta, o menor abandonado, o assaltante e o pior dos bandidos que é o político vigarista, pilantra, o corrupto e lacaio dos exploradores do povo”.

Imagine você acionista de uma das maiores empresas do mundo. Participante dos lucros. Essa empresa necessita de um presidente e de uma equipe responsáveis, honestos, de extrema confiança, preparados para enfrentar problemas e, acima de tudo, capazes de apontar soluções. Você deve ter responsabilidade ao contratá-los e escolherá candidatos que podem sentenciar a empresa ao fracasso, endividamento e falência por corrupção, perder mercado por ineficácia e produtos de péssima qualidade e incompetência ou, com responsabilidade e amor ao seu maior patrimônio, você escolherá pessoas de alto nível que irão conquistar mercados exportando aos países ricos porque a empresa produz tecnologia de ponta, e, assim, lucrar por sua história de bons negócios e competência, e ainda dividir os lucros de maneira justa e transparente.

Imagine que um candidato se apresentará com grandes idéias, capacidade comprovada por trabalhos em várias empresas de sucesso, outro com vontade de trabalhar e conquistar seu espaço, outro com responsabilidade com a saúde financeira da empresa para que seus funcionários e acionistas possam dela ter seu sustento e amparo na velhice, outro com preparo conquistado nos bancos das melhores universidades do País, outro preocupado com investimentos para que a cada ano a empresa cresça ainda mais e que assim seus lucros sejam repartidos de forma que todos sejam beneficiados, e outros reunindo a maioria destas qualidades.
Mas, imagine, também, candidatos lobos vestidos com pele de cordeiro, pilantras que tentam ludibriar você no momento da escolha para os cargos de confiança de que a empresa oferece. Imagine o candidato corrupto querendo te subornar com alguns míseros reais para ocupar o cargo e depois roubar a empresa. Imagine o candidato enviar, antes do dia da escolha, um “assessor” com 25, 30 mil reais para “comprar” o seu direito de escolha para um cargo de vital importância na sua empresa. Imagine que poucos dias antes da escolha você receba uma “doação” em dinheiro de um candidato para tentar te convencer de que ele será a melhor opção do que qualquer outro que comprove capacidade, honestidade e vontade de trabalhar para a empresa.

Agora pense. O Brasil é a nossa grande “empresa”. Se o Brasil tiver grandes administradores públicos, se colocarmos no olho da rua os políticos profissionais e deixarmos trabalhando para o País apenas pessoas de bem, se fizermos um “Programa de Demissões Involuntárias” e demitirmos os maus funcionários do nosso escritório em Brasília – por meio de eleições -, o Brasil cresce e nós seremos os maiores beneficiados! No dia 1º de outubro, conheça a vida do seu candidato, sua história, suas lutas no passado. Veja com vão seus negócios pessoais. Se ele não consegue cuidar do seu próprio negócio vai saber cuidar do Brasil?

Enfim, a citação de Bertold Brecht sobre o analfabeto político: “Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato, do remédio dependem das decisões políticas. O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que, de sua ignorância nascem a prostituta, o menor abandonado, o assaltante e o pior dos bandidos que é o político vigarista, pilantra, o corrupto e lacaio dos exploradores do povo”.

André Plácido

André Arruda Plácido nasceu em Pirajuí (SP) e é cidadão português. Reside em Londrina (PR) onde graduou-se em Relações Públicas e Teologia. Em Bauru (SP) concluiu o curso de Jornalismo. Fez especialização em Comunicação e Liderança em Missões Mundiais pelo Haggai Institute em Cingapura. É professor de comunicação, poeta, radialista, cronista e fotógrafo.

Website.: fotologue.jp/andrearrudaplacido
  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.