Qui04152021

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

02 Fev 2006

Bombeiros de Satã

Escrito por 
É por essas e muitas outras que se jogarem metade da incoerência do PT e da “oposição” no inferno o fogo se apaga.

Sem sombra de dúvida, Lula-lá, o homem-massa de Ortega Y Gasset, será um marco em nossa política. Daqui a trinta anos, se alguém se lembrar dele, o valerioduto será sua essência. Empossado, aliou-se a partidos e a políticos sobre os quais sempre destilou ódio e repulsa. Ao chamar os ex-presidentes de “covardes”, por não terem erradicado a seca no nordeste – em poucos meses mais um “covarde” será incluído na lista -, Sarney foi assegurado por Genoino e Mercadante de que não estava incluído na crítica, mas que era sim, um “grande estadista”.

Mas o PT não está só. Na Assembléia Legislativa de São Paulo há 65 pedidos de CPIs mas a base do governador Alckmin as estaria boicotando desde 2003: supostas irregularidades na execução de contratos de financiamento estrangeiro para as obras de despoluição do Tietê, investigação da Febem e a apuração de supostas irregularidades nas obras do Rodoanel são exemplos.

O “Congresso em Foco”  avaliou o Partido Verde como o “que esteve mais distante do plenário em 2005. O único integrante da bancada com mais de 90% de presença é Fernando Gabeira (RJ)”. Também os “principais partidos de oposição ao governo Lula, o PFL e o PSDB estão entre as cinco bancadas com menor índice de freqüência em plenário.”

O ministro da Fazenda, Antônio Palocci, devia muitas explicações à CPI dos Bingos. Acusações de corrupção de quando era prefeito em Ribeirão Preto não faltam: suposta arrecadação clandestina de dinheiro na campanha de Lula, tráfico de influência com participação de antigos e atuais assessores, irregularidades em licitações, o Cubagate etc. Foram seis horas de negações.

Segundo a Folha de S. Paulo, Palocci “articulou diretamente a liberação de recursos públicos para agradar a senadores oposicionistas e ser bem tratado no depoimento na CPI dos Bingos.” Pelo afago, “foi poupado de críticas mais duras”. No dia em que foi depor na CPI, “Palocci autorizou o refinanciamento de até R$ 184 milhões em dívidas de cacaueiros da Bahia”, atendendo ao senador ACM (PFL-BA). A atuação pessoal de Palocci na liberação de verbas aos parlamentares oposicionistas vem ocorrendo desde o final de 2005.

E mais: Cláudio Mourão, ex-tesoureiro do senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG), afirmou à Polícia Federal de que houve caixa 2 bandido na campanha de 1998, e que Duda Mendonça recebeu “por fora” R$ 3,8 milhões via valerioduto. Já o deputado tucano Gustavo Fruet foi trocado no Conselho de Ética por outro de seu partido: Jutahy Magalhães. É que Fruet faz parte da CPI dos Correios e, por orientação de Alberto Goldman, líder tucano na Câmara, teria de votar pela absolvição de Roberto Brant (PFL-MG) por receber R$ 108 mil da Usiminas também via valerioduto. Conversa entre Fruet e Goldman: “Como posso desfazer no Conselho de Ética o trabalho que ajudei a fazer na CPI dos Correios? Seria uma incoerência”, argumentou Fruet. Goldman insistiu. “Mas essa é uma posição do partido? O partido vai lançar nota oficial defendendo a absolvição de Brant?”, indagou Fruet. “Não podemos chegar a tanto”, respondeu Goldman.

Já a deputada petista Ângela Guadagnin, afirmou ter votado na absolvição de Brant por “coerência”, pois sempre tem defendido penas menores aos citados no escândalo.

É por essas e muitas outras que se jogarem metade da incoerência do PT e da “oposição” no inferno o fogo se apaga.

Sem sombra de dúvida, Lula-lá, o homem-massa de Ortega Y Gasset, será um marco em nossa política. Daqui a trinta anos, se alguém se lembrar dele, o valerioduto será sua essência. Empossado, aliou-se a partidos e a políticos sobre os quais sempre destilou ódio e repulsa. Ao chamar os ex-presidentes de “covardes”, por não terem erradicado a seca no nordeste – em poucos meses mais um “covarde” será incluído na lista -, Sarney foi assegurado por Genoino e Mercadante de que não estava incluído na crítica, mas que era sim, um “grande estadista”.

Mas o PT não está só. Na Assembléia Legislativa de São Paulo há 65 pedidos de CPIs mas a base do governador Alckmin as estaria boicotando desde 2003: supostas irregularidades na execução de contratos de financiamento estrangeiro para as obras de despoluição do Tietê, investigação da Febem e a apuração de supostas irregularidades nas obras do Rodoanel são exemplos.

O “Congresso em Foco”  avaliou o Partido Verde como o “que esteve mais distante do plenário em 2005. O único integrante da bancada com mais de 90% de presença é Fernando Gabeira (RJ)”. Também os “principais partidos de oposição ao governo Lula, o PFL e o PSDB estão entre as cinco bancadas com menor índice de freqüência em plenário.”

O ministro da Fazenda, Antônio Palocci, devia muitas explicações à CPI dos Bingos. Acusações de corrupção de quando era prefeito em Ribeirão Preto não faltam: suposta arrecadação clandestina de dinheiro na campanha de Lula, tráfico de influência com participação de antigos e atuais assessores, irregularidades em licitações, o Cubagate etc. Foram seis horas de negações.

Segundo a Folha de S. Paulo, Palocci “articulou diretamente a liberação de recursos públicos para agradar a senadores oposicionistas e ser bem tratado no depoimento na CPI dos Bingos.” Pelo afago, “foi poupado de críticas mais duras”. No dia em que foi depor na CPI, “Palocci autorizou o refinanciamento de até R$ 184 milhões em dívidas de cacaueiros da Bahia”, atendendo ao senador ACM (PFL-BA). A atuação pessoal de Palocci na liberação de verbas aos parlamentares oposicionistas vem ocorrendo desde o final de 2005.

E mais: Cláudio Mourão, ex-tesoureiro do senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG), afirmou à Polícia Federal de que houve caixa 2 bandido na campanha de 1998, e que Duda Mendonça recebeu “por fora” R$ 3,8 milhões via valerioduto. Já o deputado tucano Gustavo Fruet foi trocado no Conselho de Ética por outro de seu partido: Jutahy Magalhães. É que Fruet faz parte da CPI dos Correios e, por orientação de Alberto Goldman, líder tucano na Câmara, teria de votar pela absolvição de Roberto Brant (PFL-MG) por receber R$ 108 mil da Usiminas também via valerioduto. Conversa entre Fruet e Goldman: “Como posso desfazer no Conselho de Ética o trabalho que ajudei a fazer na CPI dos Correios? Seria uma incoerência”, argumentou Fruet. Goldman insistiu. “Mas essa é uma posição do partido? O partido vai lançar nota oficial defendendo a absolvição de Brant?”, indagou Fruet. “Não podemos chegar a tanto”, respondeu Goldman.

Já a deputada petista Ângela Guadagnin, afirmou ter votado na absolvição de Brant por “coerência”, pois sempre tem defendido penas menores aos citados no escândalo.

É por essas e muitas outras que se jogarem metade da incoerência do PT e da “oposição” no inferno o fogo se apaga.

André Plácido

André Arruda Plácido nasceu em Pirajuí (SP) e é cidadão português. Reside em Londrina (PR) onde graduou-se em Relações Públicas e Teologia. Em Bauru (SP) concluiu o curso de Jornalismo. Fez especialização em Comunicação e Liderança em Missões Mundiais pelo Haggai Institute em Cingapura. É professor de comunicação, poeta, radialista, cronista e fotógrafo.

Website.: fotologue.jp/andrearrudaplacido
  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.