Qui04152021

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

24 Jan 2006

2006: O Ano Em Que Faremos Contato

Escrito por 
Dez entre dez economistas responsáveis não se cansam de dizer que apesar de 2005 ter sido de prosperidade econômica em todo o planeta, para nós foi ruim.

Depois de Lula avisar aos seus “amigos e amigas” de que o Brasil é uma Suécia tropical, a única alternativa que resta aos brasileiros é a de mostrarmos ao presidente “traído” que já passou do momento de fazer com que ele volte ao lugar de onde nunca deveria ter saído: do meio sindical.

Até dezembro de 2005 os gastos do governo com publicidade superaram em R$ 27 milhões os investimentos em saúde e em R$ 12 milhões na educação, sem contar gastos com publicidade dos Correios, Petrobrás, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal. Já a média de investimentos de Lula-lá é a pior desde a época dos militares. Não passou dos R$ 11,6 bilhões anuais. Menor que os R$ 12,5 bi do general João Batista Figueiredo e muito abaixo dos R$ 17,5 bi de FHC.

Dez entre dez economistas responsáveis não se cansam de dizer que apesar de 2005 ter sido de prosperidade econômica em todo o planeta, para nós foi ruim. Segundo a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal), entre os países da região, temos vários à frente do Brasil como: Nicarágua, Peru, Paraguai e Bolívia - do grande ex-“líder cocaleiro” e hoje presidente, Evo Morales - e suas taxas de crescimento do PIB oscilam entre 2,8% a 9%. Mas Lula se gaba com pífios 2,5% do “show do crescimento” de seu governo. Mas ainda estamos à frente de superpotências econômicas como Jamaica, El Salvador, Guiana e Haiti!

Mas para Lula tudo vai bem. Ele voou em seu milionário “Air Force 51” nada menos de 206.883 quilômetros em 5,16 voltas ao mundo por 25 países em 50 dias pelo exterior. No Brasil o governo gastou, em 2005, segundo o Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), R$ 8,6 milhões em festas e publicidade. Valor muito maior do que o investido no Programa de Prevenção para Emergências e Desastres: R$ 2,3 milhões. O Ministério da Defesa também torrou dinheiro: R$ 3,2 milhões em aluguel de mesas, toalhas e jantares. Já o Ministério do Desenvolvimento Social paga, desde outubro, R$ 124.157,15 mensais por um prédio próximo à Esplanada dos Ministérios. A Caixa Econômica Federal avaliou o máximo que deveria ser pago pelo imóvel: R$ 59,8 mil. No preço do ministério o metro quadrado sai a R$ 47; no cálculo da Caixa, apenas R$ 20. Tudo isso para abrigar o Fundo Nacional de Assistência Social (FNAS) e o almoxarifado do ministério que cuida do programa “Fome Zero”.

O Palácio do Planalto mandou comprar 144 porta-canivetes suíços que serão usados pelos seguranças do presidente e seu vice. Também foram encomendadas flores tropicais, do campo e nobres por 47.600 reais.

A operação tapa-buraco-eleitoral de Lula, além de sofrer críticas de especialistas, é acusada pelo Tribunal de Contas da União (TCU) de contratar sem licitação empreiteiras que já prestaram serviços com indícios de “irregularidades graves”. Exemplo: um dos contratos possui sobrepreço de 117%, e a empresa contratada no Paraná foi impedida de participar de licitações por cinco anos. A Associação Nacional das Empresas de Obras Rodoviárias (Aneor) e o Sindicato Nacional da Indústria da Construção Pesada (Sinicon) enviaram carta a Lula: “Isso que está se fazendo agora deverá se estragar com as primeiras chuvas. São obras que não mexem com a estrutura dos pavimentos”.

A CPI dos Correios descobriu mais R$ 4,1 milhões que saíram de contas ligadas a Visanet, que foram transferidas para o PT via SMP&B de Marcos “Mensalão” Valério declarados como “empréstimos para o PT”.

Em 2006, os brasileiros honestos que não agüentam mais mentiras, roubo, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha, corrupção, incompetência, frases néscias em maltratado português, impunidade, acordos para salvar os bandidos do caixa 2 e “facadas pelas costas”, faremos contato com o presidente que finge não saber de nada, que finge viver no mundo da lua e que demitiu o “capitão do time”, José Dirceu, mesmo crente de sua inocência e de que contra ele não há provas. Nosso contato será por meio das urnas, será a vingança por tudo aquilo de que o PT fingiu não participar em 25 anos, mas, que em menos de três, revelou sua despreparada, vergonhosa e verdadeira face.

Depois de Lula avisar aos seus “amigos e amigas” de que o Brasil é uma Suécia tropical, a única alternativa que resta aos brasileiros é a de mostrarmos ao presidente “traído” que já passou do momento de fazer com que ele volte ao lugar de onde nunca deveria ter saído: do meio sindical.

Até dezembro de 2005 os gastos do governo com publicidade superaram em R$ 27 milhões os investimentos em saúde e em R$ 12 milhões na educação, sem contar gastos com publicidade dos Correios, Petrobrás, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal. Já a média de investimentos de Lula-lá é a pior desde a época dos militares. Não passou dos R$ 11,6 bilhões anuais. Menor que os R$ 12,5 bi do general João Batista Figueiredo e muito abaixo dos R$ 17,5 bi de FHC.

Dez entre dez economistas responsáveis não se cansam de dizer que apesar de 2005 ter sido de prosperidade econômica em todo o planeta, para nós foi ruim. Segundo a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal), entre os países da região, temos vários à frente do Brasil como: Nicarágua, Peru, Paraguai e Bolívia - do grande ex-“líder cocaleiro” e hoje presidente, Evo Morales - e suas taxas de crescimento do PIB oscilam entre 2,8% a 9%. Mas Lula se gaba com pífios 2,5% do “show do crescimento” de seu governo. Mas ainda estamos à frente de superpotências econômicas como Jamaica, El Salvador, Guiana e Haiti!

Mas para Lula tudo vai bem. Ele voou em seu milionário “Air Force 51” nada menos de 206.883 quilômetros em 5,16 voltas ao mundo por 25 países em 50 dias pelo exterior. No Brasil o governo gastou, em 2005, segundo o Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), R$ 8,6 milhões em festas e publicidade. Valor muito maior do que o investido no Programa de Prevenção para Emergências e Desastres: R$ 2,3 milhões. O Ministério da Defesa também torrou dinheiro: R$ 3,2 milhões em aluguel de mesas, toalhas e jantares. Já o Ministério do Desenvolvimento Social paga, desde outubro, R$ 124.157,15 mensais por um prédio próximo à Esplanada dos Ministérios. A Caixa Econômica Federal avaliou o máximo que deveria ser pago pelo imóvel: R$ 59,8 mil. No preço do ministério o metro quadrado sai a R$ 47; no cálculo da Caixa, apenas R$ 20. Tudo isso para abrigar o Fundo Nacional de Assistência Social (FNAS) e o almoxarifado do ministério que cuida do programa “Fome Zero”.

O Palácio do Planalto mandou comprar 144 porta-canivetes suíços que serão usados pelos seguranças do presidente e seu vice. Também foram encomendadas flores tropicais, do campo e nobres por 47.600 reais.

A operação tapa-buraco-eleitoral de Lula, além de sofrer críticas de especialistas, é acusada pelo Tribunal de Contas da União (TCU) de contratar sem licitação empreiteiras que já prestaram serviços com indícios de “irregularidades graves”. Exemplo: um dos contratos possui sobrepreço de 117%, e a empresa contratada no Paraná foi impedida de participar de licitações por cinco anos. A Associação Nacional das Empresas de Obras Rodoviárias (Aneor) e o Sindicato Nacional da Indústria da Construção Pesada (Sinicon) enviaram carta a Lula: “Isso que está se fazendo agora deverá se estragar com as primeiras chuvas. São obras que não mexem com a estrutura dos pavimentos”.

A CPI dos Correios descobriu mais R$ 4,1 milhões que saíram de contas ligadas a Visanet, que foram transferidas para o PT via SMP&B de Marcos “Mensalão” Valério declarados como “empréstimos para o PT”.

Em 2006, os brasileiros honestos que não agüentam mais mentiras, roubo, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha, corrupção, incompetência, frases néscias em maltratado português, impunidade, acordos para salvar os bandidos do caixa 2 e “facadas pelas costas”, faremos contato com o presidente que finge não saber de nada, que finge viver no mundo da lua e que demitiu o “capitão do time”, José Dirceu, mesmo crente de sua inocência e de que contra ele não há provas. Nosso contato será por meio das urnas, será a vingança por tudo aquilo de que o PT fingiu não participar em 25 anos, mas, que em menos de três, revelou sua despreparada, vergonhosa e verdadeira face.

André Plácido

André Arruda Plácido nasceu em Pirajuí (SP) e é cidadão português. Reside em Londrina (PR) onde graduou-se em Relações Públicas e Teologia. Em Bauru (SP) concluiu o curso de Jornalismo. Fez especialização em Comunicação e Liderança em Missões Mundiais pelo Haggai Institute em Cingapura. É professor de comunicação, poeta, radialista, cronista e fotógrafo.

Website.: fotologue.jp/andrearrudaplacido
  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.