Sex11152019

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

04 Jan 2006

"São Duras Estas Palavras"

Escrito por 
Sim, são duras estas palavras. Mas é melhor que as ouçamos. Na pior das hipóteses, valem como advertência para nos precavermos: com exceções, nos tornamos um país de ladrões.Cabe aqui a manifestação escandalizada dos discípulos a Jesus: "São duras estas palavras. Quem as pode ouvir?" No entanto, o que direi a seguir expressa triste realidade que só pode ser alterada se admitirmos como verdadeiro o que afirmo.

Há alguns anos, viajando por Portugal, esqueci a câmara fotográfica digital que portava comigo sobre uma das muitas mesas de movimentada cafeteria da cidade de Tomar. Quase uma hora depois, percebi o fato. Voltei correndo para onde havia deixado o equipamento que, à época, era ainda mais caro e cobiçado do que hoje. Encontrado e entregue no balcão, prontamente me foi devolvido pelo atendente. Semanas depois, em Fortaleza, a mesma máquina me foi arrancada das mãos por um ladrão que saiu em disparada na sua bicicleta.

No Brasil rouba-se tudo, de todos, em toda parte. Aqui em Porto Alegre, uma menina resolveu dançar descalça durante uma festa chique. Roubaram-lhe os sapatos. Roubam-se linhas de transmissão, caneta dos colegas, placas de bronze das praças, roupas dos varais, telefones celulares, senhas de caixas eletrônicos, pertences de moradias miseráveis, cargas de caminhão, automóveis, chinelos de dedo, chupetas de crianças e moedas de cegos. Filhos roubam dos pais. Senhoras estacionam automóveis junto às praças e roubam mudas para seus jardins. Um "magnífico" reitor roubou da própria universidade. Sim, são duras estas palavras, mas, com exceções, nos tornamos um país de ladrões. Se não há quem não tenha sido roubado várias vezes, podemos falar de centenas de milhões de furtos, roubos e assaltos. A honestidade se tornou tão incomum que o gesto de devolver o que é achado virou coisa heróica, dá notícia na imprensa e rende foto com o presidente da República (que se não é descuidista, certamente é descuidado).

Não me venham com coitadismos sociológicos para explicar desonestidade epidêmica de tais proporções, nem me falem em crime organizado porque este é o único em relação ao qual as instituições podem agir. Ele é o que menos incomoda a sociedade e, em maior ou menor grau, existe no mundo inteiro. Estou falando aqui do crime desorganizado, dos milhões de ladrões oportunistas, de qualquer nível social, que infestam o país de modo implacável e que, para serem contidos, exigiriam um par de seguranças parrudos e armados, ao lado de cada cidadão de bem, 24 horas por dia.

E se o leitor destas linhas julga que estou exagerando, experimente deixar algo valioso sobre a mesa, no mais grã-fino dos ambientes, para ver o que acontece. Sim, são duras estas palavras. Mas é melhor que as ouçamos. Na pior das hipóteses, valem como advertência para nos precavermos: com exceções, nos tornamos um país de ladrões.
Cabe aqui a manifestação escandalizada dos discípulos a Jesus: "São duras estas palavras. Quem as pode ouvir?" No entanto, o que direi a seguir expressa triste realidade que só pode ser alterada se admitirmos como verdadeiro o que afirmo.

Há alguns anos, viajando por Portugal, esqueci a câmara fotográfica digital que portava comigo sobre uma das muitas mesas de movimentada cafeteria da cidade de Tomar. Quase uma hora depois, percebi o fato. Voltei correndo para onde havia deixado o equipamento que, à época, era ainda mais caro e cobiçado do que hoje. Encontrado e entregue no balcão, prontamente me foi devolvido pelo atendente. Semanas depois, em Fortaleza, a mesma máquina me foi arrancada das mãos por um ladrão que saiu em disparada na sua bicicleta.

No Brasil rouba-se tudo, de todos, em toda parte. Aqui em Porto Alegre, uma menina resolveu dançar descalça durante uma festa chique. Roubaram-lhe os sapatos. Roubam-se linhas de transmissão, caneta dos colegas, placas de bronze das praças, roupas dos varais, telefones celulares, senhas de caixas eletrônicos, pertences de moradias miseráveis, cargas de caminhão, automóveis, chinelos de dedo, chupetas de crianças e moedas de cegos. Filhos roubam dos pais. Senhoras estacionam automóveis junto às praças e roubam mudas para seus jardins. Um "magnífico" reitor roubou da própria universidade. Sim, são duras estas palavras, mas, com exceções, nos tornamos um país de ladrões. Se não há quem não tenha sido roubado várias vezes, podemos falar de centenas de milhões de furtos, roubos e assaltos. A honestidade se tornou tão incomum que o gesto de devolver o que é achado virou coisa heróica, dá notícia na imprensa e rende foto com o presidente da República (que se não é descuidista, certamente é descuidado).

Não me venham com coitadismos sociológicos para explicar desonestidade epidêmica de tais proporções, nem me falem em crime organizado porque este é o único em relação ao qual as instituições podem agir. Ele é o que menos incomoda a sociedade e, em maior ou menor grau, existe no mundo inteiro. Estou falando aqui do crime desorganizado, dos milhões de ladrões oportunistas, de qualquer nível social, que infestam o país de modo implacável e que, para serem contidos, exigiriam um par de seguranças parrudos e armados, ao lado de cada cidadão de bem, 24 horas por dia.

E se o leitor destas linhas julga que estou exagerando, experimente deixar algo valioso sobre a mesa, no mais grã-fino dos ambientes, para ver o que acontece. Sim, são duras estas palavras. Mas é melhor que as ouçamos. Na pior das hipóteses, valem como advertência para nos precavermos: com exceções, nos tornamos um país de ladrões.
Percival Puggina

O Prof. Percival Puggina formou-se em arquitetura pela UFRGS em 1968 e atuou durante 17 anos como técnico e coordenador de projetos do grupo Montreal Engenharia e da Internacional de Engenharia AS. Em 1985 começou a se dedicar a atividades políticas. Preocupado com questões doutrinárias, criou e preside, desde 1996, a Fundação Tarso Dutra de Estudos Políticos e Administração Pública, órgão do PP/RS. Faz parte do diretório metropolitano do partido, de cuja executiva é 1º Vice-presidente, e é membro do diretório e da executiva estadual do PP e integra o diretório nacional.

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.